Em Caná da Galileia...


A frescura de Deus

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Quarenta graus lá fora. É preciso manter portas e janelas fechadas, para que o calor não entre, e entretermo-nos em casa da melhor forma possível. Felizmente, e mesmo sem o recurso constante à televisão e aos computadores, aos nossos filhos não faltam de ideias!

Só há duas formas de arrefecer, algumas vezes por dia.

Esta…Banhos de rega! Liga-se a rega no jardim, e brinca-se até cair para o lado!

…e esta:

Eu estava deitada sobre a cama, sábado à tarde, sem me conseguir levantar de tão cansada me sentia com o calor (a gravidez tem destas coisas), quando a Clarinha sugeriu:

“Acho que devias ir até ao santuário. Eu ensaiava o salmo, e tu rezavas. Lá deve ser o sítio mais fresco de Mogofores hoje!”

Por que será que o interior de uma igreja é sempre um lugar de tanta frescura? Tenho para mim que o segredo é mesmo divino… Pois não é o Senhor como a brisa suave, a fonte de água fresca, as torrentes de água viva?

O Senhor é meu pastor, nada me falta.

Em verdes prados me faz descansar

e conduz-me às águas refrescantes…

(Sl 23)

Não sei se alguma vez nos demos conta do que realmente queremos dizer quando rezamos:

A minha alma tem sede de Deus,

do Deus vivo! (Sl 42)

Entraremos nós neste verão vezes suficientes numa igreja, para saciarmos a nossa sede?

A proximidade de uma igreja e a possibilidade de celebrar a Eucaristia contam quando escolhemos um local para ir de férias?

Ou descuidamos a nossa saúde espiritual e desfalecemos pelo caminho?…

2 Comments

  1. Sofia Portela

    É mesmo verdade, as igrejas têm esta capacidade fantástica de serem frescas… Sinto sempre um enorme alívio quando encontro uma igreja quando estou a passear por um sítio muito quente… Tanto no sentido literal como metafórico… 😉

  2. Como é importante o que dizes Teresa, de programar as férias em torno da possibilidade clara de se manter o máximo a nossa ligação com Deus. Nem sempre é fácil, com horários que se mudam e os sacerdotes que também têm o seu momento de pausa. Mas o que importa é conseguir que os momentos com Deus sejam presentes para que as férias sejam plenas, descansando do trabalho e revitalizando-nos com Deus. Boas férias 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *