Em Caná da Galileia...


A oração e “o bocadinho mais” no Acampamento de Caná

Quando, nos encontros por onde temos dado testemunho, eu digo que a oração familiar cá em casa leva geralmente quarenta minutos diários, as pessoas entre-olham-se com surpresa. Como se pode rezar durante quarenta minutos em família?

No Acampamento de Caná, a oração inter-familiar levou precisamente esse tempo, e ninguém pareceu dar por isso… É que a oração de uma família não é a oração de um convento. Ser-lhe-á inferior? De forma alguma! Em ambos os casos, a única coisa necessária é a familiaridade com Deus. Moisés, que falava com Deus face a face, como temos vindo a escutar nas leituras da missa diária. E se os monges e as freiras o podem fazer em silêncio ou entoando hinos celestiais, que elevam o pensamento e o coração para Deus, as famílias fazem-no através das gargalhadas felizes dos seus bebés, das perguntas curiosas dos mais novos, dos olhares de espanto dos adolescentes, das histórias bíblicas dos pais.

No Canto de Caná, todos os dias, cantámos e dançámos ao Senhor, com palmas e guitarras. Depois, à vez, cada um agradeceu o seu dia, ou louvou o Senhor por algum pequeno acontecimento, ou sugeriu uma intenção de oração, ou pediu por alguém… Frases curtas, palavras simples, pequenos silêncios, um sorriso, uma troca de olhares, como quem fala com o seu Amigo.

Por fim, juntos, rezámos o Terço. Não conheço melhor catequese do que o Terço. Não admira que Nossa Senhora nos peça para o fazermos todos os dias! Através dos Mistérios do Rosário, nós podemos conhecer toda a vida de Jesus, acompanhá-‘O em cada um dos Mistérios da sua vida, e contemplar a nossa própria vida e a vida do mundo à sua Luz.

Queremos que as crianças e os jovens gostem de rezar o Terço? Lancemos-lhes desafios. No Acampamento, o entusiasmo foi grande: quem é o mais rápido a enunciar o próximo Mistério? Quem se lembra quais as palavras de Jesus a seus pais, quando eles O encontraram no Templo? Quem quer oferecer uma intenção de oração para este Mistério? Quem sabe contar dez Avé-Marias? Um rapaz para conduzir o próximo Mistério, por favor! Agora uma mãe!

Não se reza apenas com a boca: reza-se com as mãos, com os pés, com a cabeça, com a forma de sentar e de ajoelhar. Os Pastorinhos de Fátima, tomados de espanto perante a beleza do Anjo, aprenderam a prostrar-se por completo no chão duro para rezar. Durante toda a sua vida, Lúcia gostava de rezar assim, e aproveitava todas as ocasiões em que estava sozinha na capela para o fazer.

É interessante este movimento interior: quanto mais íntimos nos tornamos de Deus, quanto mais à-vontade estamos com Ele, quanto mais O tratamos por Tu e conversamos como um amigo com o seu amigo, mais respeito também temos por Ele. Porque quanto mais conhecemos a Deus, mais nos damos conta do seu Tudo e do nosso Nada, da sua Misericórdia e da nossa Miséria.

Assim, no Acampamento, procurámos aliar a nossa oração ao respeito, ou temor, de Deus. Rezámos geralmente sentados nas almofadas, mas não de qualquer maneira; e no último Mistério do Terço, ajoelhámos, para dar a Jesus um bocadinho mais.

Esta necessidade de dar a Jesus um bocadinho mais foi especialmente verdade durante a Via Sacra. Rezar a Via Sacra é acompanhar Jesus no Caminho da Cruz. Não podemos acompanhá-l’O de verdade se estivermos demasiado confortáveis. Como queremos contemplar a sede de Jesus, se nunca sentimos sede? Como queremos contemplar a sua dor ao cair no chão duro, se não ajoelharmos nas pedras do caminho?

Assim, no início da Via Sacra tomámos juntos esta decisão: vamos aproveitar todas as ocasiões para dar a Jesus um bocadinho mais. E assim fizemos.

Rezar com alegria, com temor, com sacrifício, com esforço, decididos a dar até doer, transforma verdadeiramente a vida. Podemos ficar mais cansados…

Sim, respira, na “mochila” onde o pai o transportou montanha acima 🙂

… mas como os discípulos, na Festa da Transfiguração que ontem celebrámos, também  experimentamos a Luz e a Paz que nascem no cimo deste monte, onde se sobe carregando a Cruz e se descobre Jesus.

Cruz Alta, fim da Via-Sacra no Bussaco

One Comment

  1. Que o Espírito Santo vos fortaleça com os seus 7 dons, todos os dias da vossa vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *