Em Caná da Galileia...


Como uma criança

Viajar com seis filhos é uma aventura. Há uns anos atrás, era uma aventura bastante difícil, que incluía bebés aborrecidos, sopas aquecidas nos microondas dos restaurantes dos aeroportos, contagens de cabeça contínuas. Agora, graças à grande ajuda que o Francisco e a Clarinha nos dão e ao facto de já não termos bebés, as viagens tornam-se mais simples. Mas continuam a ser uma aventura.

Na viagem de regresso, foram precisas três horas de autocarro entre a terra dos avós e Dublin, uma estadia num hotel no aeroporto de Dublin, e um dia inteiro de viagem até casa, que incluiu um voo, escala em Madrid, novo voo, e finalmente, duas horas e meia de autoestrada portuguesa. Ufa!

Eu ia contando filhos e malas: seis cabeças, dez malas. Quando despachámos três malas no avião, restaram seis cabeças, sete malas. E lá ia eu, a cada dez passos: seis cabeças, sete malas… Como as malas de regresso vinham cheias de livros herdados dos primos irlandeses, as camisolas tiveram de ficar fora, ou seja, de vir vestidas. E se é muito agradável trazer uma camisola enfiada quando se está em Dublin, deixa de ter graça quando se aterra em Madrid ou em Lisboa… Às sete malas, fomos juntando oito camisolas. E a contagem continuava: seis cabeças, sete malas, oito camisolas.

Não julguem que é fácil: a Lúcia, despassarada, ia atrás da primeira família que encontrava, sem reparar que nem sempre era a sua; o António parava diante de cada loja com recordações e precisava de ser arrastado; a Sara, bem, a Sara estava cansada de andar… E em Madrid, no aeroporto, pareceu-me que andámos vários quilómetros 🙂

O Francisco empurrava o trolley das bagagens quando, a dada altura, uma roda ficou presa e o trolley virou, entornando toda a tralha: sete malas, oito camisolas e mais alguns brinquedos. Num raio de dois metros, o chão ficou coberto com as nossas posses. Com um suspiro e uma piada a propósito, o Francisco apanhou tudo e lá continuamos a corrida.

No controlo dos passageiros, o Niall colocou sobre o balcão os oito Cartões de Cidadão: um, dois, três… “Are you playing cards?” (Está a jogar às cartas /cartões?) Perguntou o guarda irlandês, com o humor simpático típico deste povo alegre.

E no meio desta loucura toda, eu contemplei os meus filhos. Enquanto o Niall e eu nos afadigávamos a procurar o portão de embarque indicado, a recolher e distribuir bilhetes de avião e Cartões de Cidadão, a procurar restaurantes e casas-de-banho e a contar cabeças, eles… brincavam. Tudo era motivo de brincadeira: os tapetes e as escadas rolantes, os trolleys, as malas a servir de assentos, as pessoas de todas as cores, formas e feitios com quem se cruzavam. Nós aflitos, e eles a rir à gargalhada! Que despreocupação! Haja quem confie…

Como é bela a vida quando nos dispomos a desfrutar dos mais pequenos detalhes que ela nos oferece! Como é bela a vida quando, seguindo o Pai, confiamos totalmente na sua capacidade para nos guiar! Alguém disse um dia que um santo triste é um triste santo. O humor é uma bela virtude, a capacidade de rir de nós mesmos é fonte de saúde mental. Se formos crianças, verdadeiramente como crianças, sabemos que nada temos a temer, pois

até os cabelos da nossa cabeça estão todos contados. (Mt 10, 30)

Desfrutemos então! A vida é um voo magnífico em direção a Casa…

Ler também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Mais recentes...