Em Caná da Galileia...


Domingo XVII do Tempo Comum, ano B

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga

NADA SE PERDE, TUDO SE MULTIPLICA

A Palavra deste domingo confronta-nos diretamente com o que há de mais radical na doutrina de Jesus – e com o que de menos radical nós, cristãos, vamos fazendo. Porque no dia em que vivermos o que hoje nos é proposto, o mundo será um lugar diferente.

Um homem do povo oferece ao profeta Eliseu as primícias do seu trabalho: vinte pães de cevada e de trigo novo. É a sua forma de agradecer a Deus, na pessoa do profeta, os dons recebidos. Eliseu agradece a oferta, certamente a abençoa, mas não permite que ela pare ali: “Dá-os a comer a essa gente”, diz. É preciso que os dons recebidos circulem com abundante generosidade. O homem hesita: vinte pães para cem pessoas? Mas Eliseu conhece o seu Senhor. Ele sabe que Deus recompensa a cem por um, e que tudo o que Lhe entregamos por amor é multiplicado em favor dos irmãos. O homem distribui os pães, todos comem até à saciedade “e ainda sobrou, segundo a Palavra do Senhor”.

Séculos mais tarde, do outro lado do mar e no cimo de um monte, qual novo Moisés, Jesus ensina a multidão. Mas não basta falar: é preciso que o povo experimente a generosidade do Senhor e a generosidade dos irmãos, traduzida em obras de misericórdia. É preciso que o povo aprenda a grande lição do amor, a lição que Deus nos tenta ensinar desde a Criação de um universo infinitamente maior do que seria necessário ou até sensato – e que continua a colocar nas nossas mãos, gratuitamente, abundantemente, com alimento suficiente para todos. “Todos têm os olhos postos em Vós, e a seu tempo lhes dais o alimento. Abris as vossas mãos e todos saciais generosamente”, canta o salmista.

Nunca experimentaremos esta fartura divina se não abrirmos, como Deus, as nossas mãos para partilhar com os irmãos. Por isso, Jesus provoca a generosidade dos discípulos, perguntando a Filipe: “Onde havemos de comprar pão para lhes dar de comer?” Filipe não é capaz de pensar como Deus, respondendo antes com aquilo a que todos nós chamaríamos bom-senso: “Duzentos denários de pão não chegam para dar um bocadinho a cada um.” Não é esta a resposta que Jesus espera dos seus discípulos. André tem uma resposta um pouco mais ousada: “Está aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes…” E embora André termine com uma interrogação cheia de dúvidas – “Que é isso para tanta gente?” – Jesus aproveita esta pequenina abertura de coração e a simplicidade de uma criança para fazer o grande milagre.

A lógica divina desarma sempre a nossa lógica. Pois não é verdade que a grande maioria de nós, cristãos, está convencida de que não tem qualquer poder para solucionar os grandes problemas do mundo, como a fome, a exploração infantil, a guerra? E que, a haver soluções, precisam de ser encontradas nas assembleias dos G8, as reuniões dos países mais ricos do mundo? Os assuntos sérios, dizemos, ficam para a gente grande. Mas agora, no Evangelho, Jesus vem dizer-nos que a solução dos problemas está na gente pequena

Seria para nós difícil acreditar nestes dois relatos de multiplicação do pão se a história dos santos não os ilustrasse. De facto, enquanto os “grandes do mundo” vão debatendo os problemas, alguns “pequenos do mundo” vão-nos resolvendo. Santa Teresa de Calcutá e Dorothy Day, entre centenas de outros santos, são nos nossos tempos recentes um sinal eficaz do poder da generosidade, concretizada em obras de misericórdia. E não apenas da generosidade, mas na sua pequenez, também da humildade, mansidão e paciência, como sugere S. Paulo aos Efésios, em oposição à altivez, à violência e à prepotência daqueles a quem, erroneamente, chamamos “poderosos”.

Quantos cristãos há que seguem estas pegadas de santidade, dando tudo, e dando até doer, como dizia Teresa de Calcutá! Estaremos nós entre eles? Ou preferimos o “bom-senso” tal como o mundo o entende, dando apenas do que nos sobra, evitando correr riscos pelos outros, fechando as portas e as janelas da nossa casa e da nossa vida, não vá o Senhor enviar-nos mais um filho para sustentar ou mais um irmão para ajudar?

Só abandonaremos esta forma mundana de pensar quando, como Paulo, descobrirmos que “há um só Deus e Pai e todos, que está acima de todos, atua em todos e em todos Se encontra”, fazendo de todos nós um só Corpo, uma só família. E se somos família, somos responsáveis uns pelos outros e cuidamos uns dos outros. Dar pão a quem tem fome, suportando com o nosso sacrifício pessoal o irmão necessitado, torna-se assim um gesto natural para quem tem um coração alicerçado na caridade.

E aqui estamos nós celebrando a Eucaristia. Não temos, na nossa vida, senão alguns pães e alguns peixes para oferecer, tão pouco… Mas o Senhor não deixará que nada se perca. E do nosso dom generoso fará Pão, Pão multiplicado até ao infinito e à eternidade, capaz de saciar a nossa fome mais profunda. Contemplemo-l’O sobre o altar, humilde, manso, paciente, transbordando amor. Deus maior não há. E contudo, partido e repartido entre todos, é mais pequeno que o mais pequeno entre nós…

One Comment

  1. antonio assuncao

    Foi certamente da fé e confiança nesta Palavra de jesus que nasceu o ditado da sabedoria popular “O pouco com Deus é muito E o muito sem Deus não é nada”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *