Em Caná da Galileia...


Duas amigas e um presépio

Share on Facebook29Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

“Mãe, a minha amiga da escola nunca fez um presépio na vida, acreditas? Nunca! Eu contei-lhe como está o nosso presépio e ela ficou tão triste por não ter nenhum…”

“Pois é, Lúcia, não basta estar num colégio católico para se ser católico, não é verdade? Talvez a maioria dos teus colegas não festeje o Natal como católicos, mas à maneira do mundo, apenas pensando nos presentes e na mesa posta.”

“Sabes o que eu estive a pensar? Tu importavas-te se eu lhe oferecesse o meu Menino Jesus? E o anjinho que está na minha prateleira? Assim, ela podia fazer um presépio…”

“Claro que não me importo. São teus, fazes com eles o que quiseres.”

“E outra coisa… Se não fosse muito caro, claro… Eu tenho algumas moedas também. Podíamos ir à loja dos chineses e comprar uma imagem de Maria e outra de José… E ainda um burrinho e uma vaquinha…”

Sábado, solenidade da Imaculada Conceição. A tarde é soalheira, o David aproveita para ir correr com o pai até à Curia, e logo depois vai o António dar a mesma volta com o pai, mas de bicicleta. Depois de uns fins-de-semana preenchidos, cheios de retiros e testemunhos, sabe bem descontrair um pouco!

Mas a Lúcia tem outros planos: a toda a pressa, vai a casa da amiga, que mora duas ruas à frente, e leva-lhe os tesouros que entretanto adquirimos. Algum tempo depois, está de volta a nossa casa, com a amiga e a amiga da amiga, pois precisam de ajuda para fazer uma cabana. A Clarinha dispõe-se a ajudar. Procuramos um caixote de cartão, forramos o interior, e no exterior a Lúcia sugere colar estrelas – as estrelas que eu, a Sara e a Clarinha, no serão anterior, tínhamos recortado com tanto empenho para lançar no nosso Canto de Oração Familiar… A Clarinha e eu trocamos olhares e encolhemos os ombros. Lá teremos de fazer mais amanhã, pois que remédio!

A tarde passa no meio do maior entusiasmo. É o primeiro presépio da amiga, e tem de ficar perfeito! Por fim, a cabana fica pronta. E lá vão elas a saltitar, de volta a casa da amiga, duas ruas abaixo, caixote na mão, agora já não caixote, mas cabana de Belém, à espera dos seus novos habitantes.

Neste dia da Imaculada, fiquei a pensar em Maria, cheia de pressa a levar Jesus a casa de Isabel. Como a Lúcia, levando a boa notícia em forma de pequenas imagens e um monte de estrelas…

 

 

 

8 Comments

  1. Catarina Silva

    Palmas para a Lúcia!!!

    Quanto não vale ter uma amiga assim…Não sei quem estava mais desconsolada: a amiga da Lúcia, por nunca ter tido um presépio ou a Lúcia por saber que a amiga nunca tinha tido um presépio…

  2. Maria Amélia Castel-Branco

    Que bonito!

  3. Boa tarde Teresa!
    Este sábado à tarde fomos ao musgo para o nosso presépio e eu preocupada em não estragar muito a Natureza, dizia “já chega de musgo, temos que deixar algum na floresta” e minha filha mais velha: “mãe não sei porque estás preocupada, só nos e a avó é que fazemos presépio com musgo!”. E também me diz que as colegas não fazem presépio, só árvore de Natal. O nosso foi feito pelas minhas filhas ontem enquanto eu fazia o jantar, não foi pacífico mas acabaram por se entender e eu fiquei muito contente pelo empenho das duas.
    No ano passado no grupo de catequese do 1º ano os meninos fizeram um presépio de cartolina para levarem para casa, este ano perguntei se já o tinham colocado em exposição, a maior parte já nem sabia dele! Este ano estamos a fazer a Árvore de Jessé na Igreja e também como trabalho de casa e vejo algumas famílias empenhadas… Depois mando uma foto do resultado final! Obrigada pelas partilhas e felicidades!

  4. Catarina Ramos Tomás

    Este ano, o grupo sócio caritativo que coordeno desafiou a Comunidade Paroquial a oferecer um presépio, feito ou comprado a cada família apoiada. Já começámos a entregar os que nos têm chegado. As reacções têm sido as mais variadas. Alguns aceitam e agradecem. Outros nem sabem bem o que é ou para que serve. E também há lágrimas por não se sentirem dignos de receber o Menino em sua casa.
    Um dos meus filhos escandalizou-se. Há pessoas que não têm presépio?? Pois há! Parabéns Lúcia!

    • Isso é o que mais me comove…quando as pessoas mais simples e humildes “nao se sentem dignas”. Acho que essa atitude vem de um lugar tão bonito do nosso coração! Sinto que precisava um pouco mais desse sentimento. Nunca me esqueço das palvras que ouvi quando visitei um bairro social emLisboa e me foi apresentada a casa da senhora idosa onde ia ficar : desculpa, eu sou pobre! E nesse dia quando refletia com o facilitador dessa experiencia sobre aquele cenario tao diferente do meu, também nunca esqueci as suas palavras: o Senhor guarda o seu Evangelho junto dos simples. Peço desculpa se esta partilha vem um pouco ao despropósito. Bjs

      • Célia, a sua partilha é linda e nao vem nada a despropósito: foi inspirada no post e os caminhos de Deus sao insondáveis.

  5. Teresa, é nestes momentos que se vê o resultado da vossa educacao. Semearam em terreno fértil e a semente deu fruto. Que bom, que alegria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *