Em Caná da Galileia...


E o Advento chegou!

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Domingo de manhã foi dia de enorme excitação cá em casa, ou não fosse o dia marcado para a construção do Presépio, da Árvore de Jessé e do Canto de Oração Familiar. Tanto a fazer, tanto a esperar, tanto a sonhar! Os meninos não cabiam em si de contentes.

Para celebrar o Novo Ano Litúrgico, tivemos um almoço especial, festivo e delicioso, que o Niall e a Clarinha cozinharam afincadamente depois da missa e da catequese, enquanto eu, bem, eu… descansava 🙂

E assim que a louça ficou lavada e a cozinha arrumada, o Niall e os mais pequenos saíram em busca de musgo, pinhas e pedras. A Clarinha e eu ficámos na sala, a preparar a cortina do Canto de Oração Familiar, e quando eles chegaram, todos metemos mãos ao trabalho.

“Vamos fazer um rio no Presépio!” Queria a Lúcia.

“Eu vou construir uma cabaninha com paus de gelado na oficina do Frankie”, dizia o António.

A Sara dava saltos e mais saltos, fazia rodas e mais rodas, e contra o vidro da janela, pinos e mais pinos, enquanto cantarolava todas as canções de Natal que conhecia, uma atrás da outra. Eu e o Niall sorríamos perante a sua excitação: este sempre foi o momento preferido do ano de qualquer um dos nossos filhos, especialmente aos seis anos. Chegou a vez da Sara!

Pouco a pouco, durante toda a tarde, o Presépio foi ganhando forma. Ainda não colocámos nas palhinhas o Menino Jesus, nem a seu lado a Mãe em adoração. Preferimos, até ao dia de Natal, colocar Maria grávida ao lado de José, esperando com Ela que o grande dia chegue. A imagem de Maria grávida foi-nos oferecida no ano passado em Matosinhos, depois do nosso testemunho, e por coincidência divina, é do mesmo tamanho da imagem de José, pelo que podemos facilmente colocá-las lado a lado e depois, no dia de Natal, substituir a imagem pela de Maria em adoração e juntar-lhe o seu Menino. José, naturalmente, mantém-se em atitude de adoração, porque o Menino já está entre nós, escondido no ventre de Maria, e José sabe-o e naquele ventre sagrado, já O adora.

“O meu vai nascer antes do teu”, disse eu à Mãe, quando a coloquei carinhosamente sobre o musgo.

Este ano, o nosso Presépio tem um novo elemento. Já repararam? Sim, é um… texugo! Foi-nos carinhosamente oferecido pela Sara, leitora deste site, e pelos vistos leitora muito assídua, porque não esqueceu a história do texugo que aqui contei há uns meses. Bem haja! Este texugo será para nós símbolo do nosso amor conjugal, desta vontade que temos de encontrar sempre dez minutos diários para estarmos juntos, o Niall e eu. E se nesses dez minutos avistarmos um texugo, melhor ainda 🙂

Entretanto, na mesa grande foi preciso recortar os símbolos da Árvore de Jessé, a partir do meu novo livro, colá-los numa cartolina grossa e plastificá-los, para que durem não só este Advento, mas os próximos. A Clarinha meteu mãos ao trabalho, rodeada de pequenos ajudantes.

Como sempre, colámos cinco imagens na cortina do Canto de Oração Familiar, ilustrando os cinco mistérios gozosos, para nos ajudarem a rezar o terço neste tempo litúrgico.

Quanto à frase que colocámos na outra ponta da cortina, não houve qualquer hesitação. É a mesma frase do Ensinamento Mensal que vos propus no sábado – já o leram? Aguardamos as vossas partilhas… – e a frase que mais nos toca o coração neste tempo de espera pelo nascimento do Menino e pelo nascimento do nosso Daniel:

Um Filho nos foi dado! (Is 9, 5)

Por fim, o António sugeriu que, por entre os musgos e as pedras, colocássemos algumas luzinhas de Natal. Assim fizemos. E quando as acendemos, o António exclamou:

“É a Via Stellae! É o Caminho das Estrelas, o Caminho do Presépio! Vês, mãe, como fica bonito?”

Que bem pensado! E como faz sentido! Num destes domingos, tencionamos rezar em família, aqui em casa, a Via Stellae, a partir do meu novo livro, ou então rezá-la ao longo de vários dias, numa espécie de novena para preparar a festa da Sagrada Família. Sabemos de uma paróquia que o vai fazer em comunidade, no segundo domingo do Advento. Belíssima ideia! E por aí, nas vossas casas e paróquias? Há alguma sugestão para viver esta nova proposta de meditação natalícia? Contem!

A noite chegou. Começamos a oração familiar ao som de cânticos de Advento. Os mais pequenos, sentados à volta do Presépio, não tiram os olhos das imagens, das luzes, das cores.

Durante a meditação da Palavra, lemos duas histórias da Árvore de Jessé. Como o Advento este ano tem menos dias que o número de histórias, aos domingos contaremos a dobrar! Durante a primeira, a Sara, compenetrada, procura o símbolo correspondente entre os vinte e oito que espalhámos pelo chão. A ela cabe a honra de inaugurar o nosso jogo! A segunda fica a cargo do António, que rapidamente encontra o símbolo correspondente. Que emoção, colocá-los na Árvore, tão bela, e começar a transformá-la numa bíblia ilustrada!

Por fim, falta sortear os Anjos de Natal. Os nossos seis filhos reúnem-se no tapete da sala e tiram à sorte um papel com o nome de um deles. Precisamos de repetir o exercício algumas vezes, pois há sempre um que tem o papel com o seu próprio nome. Quantas gargalhadas! Agora é de vez. Cada um tem um nome, e durante uma semana, deverá presentear o irmão nomeado com o que de melhor a sua imaginação lhe sugerir.

Ainda o dia não acabou, e já a Lúcia recebeu um grande beijinho da Sara, o David teve a ajuda preciosa da Lúcia para fazer o saco de Educação Física que, como é hábito, deixara para a última hora, o António viu a Clarinha de agulha na mão a coser duas joelheiras nas calças que rompera na semana passada… Que se passa aqui? Milagres de Natal 🙂

Amanhã começaremos a lançar estrelas no céu do Presépio, colando-as na cortina amarela, à medida que formos capazes de fazer algo de belo para o Menino que vai nascer. As estrelas, em papel-esponja, já estão recortadas, à espera do momento.

Chega a hora de dormir, mas ninguém quer ir embora da sala iluminada…

 

6 Comments

  1. Que maravilha!!!
    No fim de semana passado também foi uma grande animação cá em casa! Conseguimos ter tudo pronto no sábado à tardinha!
    E este ano também temos um rio… a correr desde a nossa pequena bilha de barro ao longo do musgo, coincidências???
    A hora da Árvore de Jessé é das melhores! Obrigada pelos textos, estão muito belos e muito actuais! Quem ainda não tem, compre porque valem mesmo a pena.

    Ah… e que o “teu menino” chegue depressa!

  2. Olha o texuguinhoooooooooooooooooo fofo awwww 🙂 fiquei mesmo feliz por o ver ali no Presépio e pela simbologia que lhe atribuíram, muito honrada 🙂 E está tudo tão lindo, até parece que se sente o cheiro a musgo do ecrã 🙂 Beijinhos

    • Querida Sara, a abertura da caixa e a leitura do postal foram feitas à hora de jantar, em família, e quantas gargalhadas bem dispostas causaram! Aqui fica o nosso agradecimento pela lembrança e criatividade, neste tempo de duplo advento para nós! Bjs!

      • Fico mesmo mesmo contente, Teresa. Não têm de agradecer, dão-nos tanto, um texugo era o mínimo 🙂 Também me diverti muito na preparação 🙂 A caixa sofreu um acidente com uma caneta que borratou a morada toda…por isso é que ia com aqueles stickers manhosos assim à pressa nos correios para salvar a situação, mas pronto, deu-lhe o seu charme Neanderthal 🙂 Beijinhos

  3. Catarina Ramos Tomás

    Ao ler e reler os vossos testemunhos, penso em como foi diferente o nosso fim de semana.
    Foi ao serviço dos outros e por isso sem possibilidade de construirmos a nossa árvore e o nosso presépio.
    Mas cá por casa, advento também já é sinónimo de caminho e de uma história por dia, de árvore de Jessé!
    Não foi por falta de árvore que não se meditou.
    Enquanto não chega a dita cuja, os nossos símbolos povoam os puxadores das gavetas da cómoda dos rapazes! E quem adormece e não escuta a história do dia, quando acorda dá por que já há novo símbolo.
    A nossa árvore vai ocupar o seu lugar e nessa altura os nossos símbolos vão deixar os puxadores das gavetas e vamos ver quem se lembra das histórias e dos seus ensinamentos.
    Parabéns pelo magnífico trabalho! Os textos estão belíssimos e interpelam crianças e adultos.
    De vós tenho aprendido a colocar Jesus no dia a dia da nossa família. Vamos caminhando…

  4. Olá Teresa,

    Cá por casa não há um canto de Canã, mas temos um presépio muito vivido, cujo cenário muda a cada semana, de modo a acompanhar o nascimento de Jesus. Se tiver tempo e paciência, deixo aqui o link do meu blogue, onde o mostro.
    Um beijinho grande para todos aí em casa!
    https://playmoblog.blogs.sapo.pt/presepio-2018-1a-parte-nativity-2018-103890

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *