Em Caná da Galileia...


Os vírus de outono e os vírus da Igreja

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Há dez dias que lutamos contra os vírus outonais cá em casa. Começou pela Sara, que veio da escola a vomitar, e um a um, têm atingido todos os membros da família, o que é natural quando se partilham os quartos da forma que nós o fazemos, isto é, três filhos em cada quarto. Um dia de cama, dois dias de dor de cabeça e cansaço, mais alguns dias sem apetite, e lá vamos recuperando, um de cada vez também.

Ontem, domingo, coube a vez ao António e ao David, os mais resistentes e, se Deus quiser, os últimos desta série, pois já passou por todos (exceto pelo pai). O David não chegou a levantar-se de manhã para a missa, o António regressou da missa e meteu-se na cama.

O grande problema das doenças virais, diferentemente de um braço partido, é naturalmente o contágio pessoa a pessoa. E é por isso que elas se tornam num “mal” a evitar a todo o custo.

Também a Igreja sofre de um terrível vírus maligno, capaz de dividir, separar, destruir. É um vírus que causa sofrimento, mal-estar, dores de cabeça e de barriga, como o vírus que atingiu a minha família. Mas ao contrário deste, não é físico, sendo todo ele de outra ordem…

Hoje, pouca gente fala em Igreja Católica como um todo. A linguagem mudou: fala-se em “católicos progressistas”, “católicos tradicionalistas”, “ala conservadora”, “ala progressista”, os “ultra” alguma coisa, “lobby” disto e daquilo… Procuram-se catalogar movimentos, sites, organizações, sacerdotes e leigos dentro da Igreja de acordo com algumas destas etiquetas, como se tudo tivesse de caber em alguma destas categorias. Avaliam-se os sacerdotes por usarem ou não cabeção, distinguem-se os leigos que ajoelham para comungar dos que se mantêm de pé, os que se vestem segundo a moda do século passado dos que ousam vestir modernamente, mas sem perder a modéstia; comparam-se missas pelas que aceitam instrumentos musicais variados ou apenas órgão de tubos (o “oitavo sacramento”, como lhe chama um padre meu conhecido). Já tive leitores deste site a escrever-me, sentindo-se um pouco confusos por não conseguirem identificar com precisão a nossa “tendência” católica… Somos tradicionalistas na nossa forma de ver a família, mas acolhemos recasados?!

Se não cuidarmos, este vírus irá causar enormes estragos na Igreja. Porque a Igreja Católica é Una, diz o nosso Credo. Não separemos o que Deus uniu! A nossa “tendência”, aqui no site, é essa mesma: somos católicos. E é tão simples, tão simples, ser-se simplesmente católico! Porquê tanta complicação? Bem disse Jesus no Evangelho de ontem:

Quem não acolher o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele. (Mc 10, 16)

O Papa Francisco, consciente do perigo de contágio universal deste vírus que se instalou na Igreja, pede-nos que rezemos, e rezemos muito, muito mais do que fazemos até agora. E vai mais longe: o Papa não nos pede uma oração abstrata ou difusa, mas uma oração muito concreta, bem conhecida de toda a Igreja Católica, bem tradicional e bem radical na sua essência: a oração a Maria, através do Terço, e a oração a S. Miguel, através da pequena oração escrita por Leão XIII.

O ensinamento mensal de outubro debruça-se precisamente sobre estas duas formas de oração, e as Famílias de Caná, obedientes em tudo ao Senhor, não querem falhar. Já o leram? Imprimam-no, divulguem-no nas vossas paróquias, meditem-no em Aldeia de Caná ou pequenos grupos paroquiais, falem dele no final da Eucaristia… Vamos, como missionários empenhados, arrasar o espírito de divisão com a nossa oração familiar!

3 Comments

  1. Bom dia… plenamente de acordo. Há poucos dias perguntaram-me, pertences à Família de… movimento que muito aprecio, e cujo símbolo trago comigo habitualmente, até porque me recorda a minha Aliança com Maria. Não, sou cristã, católica respondi de imediato e depois pensei na consagração feita connosco… mas eu sou baptizada em Cristo, o resto são as pedras do caminho em que me apoio. S. Miguel Arcanjo protegei-nos neste combate… As melhoras para todos! beijinhos
    Um abraço grande e atrasado à Lúcia e outro, hoje, ao Francisco!!!

  2. É preciso darmo-nos conta que tudo o que é divisão em algo importante é obra de Satanás. Ele é que o provocador e serve-se das pessoas que se deixam cair na sua rede. É ele que provoca a divisão nas famílias, nas Congregações, nos grupos, na Igreja, etc. Claro que todos julgam que têm razão. É o diabo a puxar pelo nosso orgulho, a cegar-nos com as nossas opiniões para não darmos ouvidos à opinião dos outros, a criar divisão, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *