Em Caná da Galileia...


Pastores ou anjos? Irmãos!

Share on Facebook15Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page

O menino nasceu, e logo logo, o pai foi buscar os irmãos para o virem conhecer. Entraram de rompante na maternidade e aguardaram em alegre expetativa que eu saísse do recobro e passasse da sala de partos para o quartinho na obstetrícia.

Finalmente, a hora chegou! Deitada na cama, passei por junto dos meus seis filhos reunidos, e a rir e a chorar ao mesmo tempo, abracei-os um a um. Que grande festa! Felizes, todos espreitaram o Daniel, escondido no calor dos meus braços, e assim entrámos no quarto onde ficaríamos durante os próximos três dias.

Três dias em que fui tratada como uma rainha na maternidade de Aveiro, rodeada de médicos e enfermeiros fantásticos e atenciosos e acompanhada pela minha mãe todas as tardes, mas que, para quem ficou em casa, demoraram uma eternidade!

“Mamã, tenho tantas saudades tuas! A casa sem ti está muito vazia. E tenho tantas saudades do Daniel!” Repetiam, no meio de muitos corações e emojis, os mails que ia recebendo diariamente da Clarinha, da Lúcia e do David.

Por fim, na sexta-feira à tarde tive alta, e regressei a casa com o Daniel. Que emoção para todos, estarmos finalmente juntos, numa família agora ainda maior!

Nessa noite, a oração familiar foi assim:

E na manhã seguinte, o despertar cá em casa foi assim:

E durante todo o dia de sábado e de domingo, a cena mais frequente cá em casa foi assim:

Não pensem que foi um tempo pacífico! Todos queriam pegar no Daniel ao mesmo tempo, e estavam preparados para defender a sua vez a qualquer preço, o que podia incluir alguma agressividade para com os irmãos. Tivemos de fazer uma escala…

Desta vez, com o bebé número oito, tenho a sorte de poder contar com os filhos mais velhos para o vigiarem, quando preciso de mãos livres para tratar da roupa, da comida e da casa. O Francisco vai adiantando trabalhos de engenharia mecânica com o Daniel nos braços, e aproveita para o apresentar aos amigos com quem trabalha online. Ontem ao fim da tarde, apanhando os irmãos mais novos distraídos com as visitas, o Francisco fechou-se no escritório com o Daniel nos braços – “Mãe, não digas que estou aqui com ele” – e ali ficou, contemplando os seus trejeitos, os olhinhos a abrir e a fechar, as mãozinhas a mexer, a boca ora a sorrir, ora tensa… O mais novo e o mais velho, vinte anos entre eles…

Também a Clarinha desfruta da companhia do Daniel o mais que pode, mesmo enquanto lê, ou vê um vídeo.

“Mãe, eu sabia que o Daniel ia ser fofo, mas nunca pensei que fosse tão fofo”, disse-me a Lúcia ontem, quando me pedia pela vigésima quinta vez para lhe pegar ao colo. Nem sei porque razão tenho um berço, pois se dependesse do irmãos, nunca lá o deitava.

Contemplo os meus filhos a “adorarem” o menino, todos em volta do berço, a Árvore de Natal a brilhar por detrás, o Presépio ali no chão e o céu do Canto de Oração coberto de estrelas, e fico sem saber se estou aqui e agora, ou se estou lá, com Maria e José, adorando um outro Menino, um Filho que nos foi dado, quais pastores ou anjos chamados a toda a pressa. A cena, na verdade, é-me familiar…

Pastores? Anjos? Irmãos. Uma espécie de amor que não tem paralelo na Terra. Com eles aprendemos quase tudo, desde o dia em que nascemos. Com eles discutimos, gritamos, batemos, ralhamos, com eles amamos, perdoamos, abraçamos, crescemos. Que grande e belo é o dom de um irmão, e que pena que hoje este dom seja tão desprezado por tantos e tantos pais a quem foi concedido em abundância o dom da fertilidade…

 

10 Comments

  1. Pilar Pereira

    Tão bom! O dom de um irmão é algo maravilhoso, sim!

  2. Obrigada pela partilha.
    Por momentos também me senti da família.
    As maiores bênçãos para todos

  3. Catarina Silva

    Já estou a chorar de emoção com este post… Que maravilha… Que recompensa tão bela que Deus vos deu! A todos.
    É tal e qual como a Teresa sempre diz: Deus nunca se deixa vencer em generosidade!… Assim nós lhe abramos as portas do nosso coração!
    Muitas felicidades para todos e que Deus sempre vos abençoe!

  4. Sem palavras. As lágrimas correm-me pela cara abaixo…

  5. Que grande alegria!
    Tenho uma coisa para te dizer Teresa – desculpa pois sei que foste tu quem carregou o Daniel os 9 meses – mas o menino é muito, muito parecido com o Niall!

  6. Maria Amélia Castel-Branco

    E eu consolei-me de passar as tardes com o meu neto ao colo e fazendo companhia à minha filha no hospital.

  7. A felicidade é Dom de Deus, quando O acolhemos!!!
    Um menino é sempre uma benção, uma alegria única!!!
    Estamos muito felizes pelo Daniel e por todos os mais pequeninos que têm o privilégio de cultivar a memória de serem irmãos de um bébe, porque só se o é vivendo-o!!! Beijinhos a todos, Francisco, Clara, David, Lúcia, António, Sara e … Daniel! até breve!

  8. Que maravilha!!!!!

  9. Helena Atalaia

    Este é provavelmente o post mais belo, Teresa. Quanta ternura 😍
    Valente e guerreira Teresa um beijinho de excelente recuperação. Até breve, se Deus quiser!

  10. Fiquei comovida! Muitas felicidades para todos vocês…apesar das lutas, a vida é mesmo bela! Beijinhos grandes. Quem vos acompanha vai vivendo com vocês cada passo. Volta e meia penso: como andará a família power? E venho cá espreitar. Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *