Em Caná da Galileia...


Primeira Comunhão

Há muito tempo que o António nos pedia para fazer a Primeira Comunhão. Servindo o altar como acólito desde os seis anos, frequentando a catequese a nosso lado desde pequeno, tendo catequese em casa todos os dias da sua curta vida, o António sentia-se preparado; e não entendia como, estando preparado, não o deixávamos comungar. Várias vezes o senhor padre Taveira se confundia e, quando chegava a hora de dar a comunhão aos acólitos, quase, quase a dava também ao António. Ele precisava então de toda a sua coragem para abanar a cabeça e dizer: “Ainda não comungo!” E trocavam um sorriso. A tentação de avançar nesses momentos era grande, mas o senhor padre tinha-lhe dito: “António, avisa-me sempre, porque não seria bonito comungares por eu estar distraído!” O António sabia-o bem. E a vontade de comungar crescia de dia para dia.

Um pouco antes da Páscoa, enquanto procurava na Internet o horário das missas de determinada paróquia, pesquisando em “Sacramentos”, encontrei este parágrafo:

Não se aproximem para receber a Eucaristia «as crianças que ainda não tiverem atingido a idade da razão» ou que o pároco «tenha julgado insuficientemente preparadas» [171]. Contudo, quando acontecer que uma criança, de modo excepcional em relação à idade, seja considerada amadurecida para receber o sacramento, não se lhe negue a Primeira Comunhão, desde que esteja suficientemente instruída. (Redemptionis Sacramentum (http://www.liturgia.pt/docs/redsacr_8.php#07)

Senti uma alegria incontida. Para Deus, o acaso não existe, e por isso, pareceu-me de imediato que o seu dedo estava aqui. No dia seguinte, enquanto fazia a minha oração diária no Santuário, olhei para Nossa Senhora e pedi-lhe ajuda. O António estava preparado, queria receber a Comunhão, mas só frequenta o segundo ano de catequese… Nossa Senhora parecia sorrir, e eu já me habituei a confiar nas intuições que recebo em sua casa. Saí do Santuário com pressa e telefonei ao senhor padre Taveira.

Domingo da Misericórdia, o mesmo domingo em que, há oito anos atrás, o António foi batizado. Agora chegara o dia de receber Jesus, o seu bom Jesus, no coração.

Com serena alegria, o António vestiu a sua túnica de acólito, como todos os domingos. Ao peito, um crucifixo novo, que o senhor padre abençoou. A seu lado, entre os acólitos, estava também o David. Na assembleia, os outros irmãos, os pais, a avó, os primos e os tios. E as catequistas. E todos os paroquianos que o viram nascer, crescer, acolitar, chegar a este dia santo…

Não sou capaz de descrever a beleza interior desta missa. O António acolitou durante o batismo de uma pequenina ali também presente, depois preparou o altar, com a ajuda do David e da São, a querida amiga que, juntamente com a Lena, o ensina a acolitar desde o início.

 

Chegou o grande momento. Com simplicidade, o António ajoelhou diante do altar, o pai e a mãe a seu lado. O senhor padre aproximou-se com o David, que segurava a patena. E levantando a Hóstia Santa, o senhor padre curvou-se até bem perto do rostinho atento do António e falou-lhe em segredo do imenso amor de Jesus, que vinha finalmente ao seu coração. Segundos de adoração com peso de eternidade… Só depois, o António comungou. E depois dele, o Niall e eu, de olhos embaciados.

Depois de uns breves momentos de oração, o António levantou-se e continuou o seu serviço, segurando a patena enquanto a assembleia vinha comungar. E segundo me contou à noite, já na sua caminha, durante todo esse tempo continuou a falar com o seu Jesus, ali diante dos seus olhos e agora também dentro do seu coração.

Para celebrar, tínhamos planeado um piquenique no Canto de Caná. Ao longo de toda a semana, o boletim meteorológico previu chuva intensa para este dia, mas eu tinha a convicção interior de que Nossa Senhora desejava o nosso piquenique. Não porque sejamos especiais, nem sequer por o António ter pedido a Jesus o sol, mas porque um piquenique para celebrar uma Primeira Comunhão é sinal da simplicidade tão desejada pelo Papa Francisco e tão defendida pelas Famílias de Caná, segundo a nossa Carta Fundacional (já a leram?). É preciso regressar à essência dos sacramentos, que reúnem a família e os amigos como ocasiões de festa, mas não de luxos ou vaidades, verdadeiro escândalo quando se trata de cristãos. Não podemos continuar a ter cristãos que adiam os sacramentos, especialmente o Batismo dos filhos e o seu próprio Matrimónio, vivendo em união de facto, por não terem dinheiro para as festas. Só há uma forma de anunciar a simplicidade de Jesus: testemunhando-a.

E o sol brilhou durante as três horas que durou o nosso piquenique. Houve tempo para as Bodas, celebrando à volta das mesas fartas, cheias das iguarias que a família e os amigos trouxeram. A Clarinha tinha feito o bolo da Comunhão, com o carinho e o cuidado que lhe são tão típicos. Estava tão saboroso quanto bonito!

Quando a chuva veio, reunimo-nos no Canto de Caná para agradecer a Jesus e à Mãe tantos dons, rezando o Terço. Não há lugar mais belo no mundo! Já o conhecem?

Pelas três horas, os amigos e a família já tinham partido e estávamos de novo em casa. Lá fora, chovia torrencialmente. Um dos presentes do António neste dia foi o filme sobre a vida de Dom Bosco, e foi isso mesmo que decidimos ver em família. Que escolha maravilhosa, em dia de Primeira Comunhão, meditar no exemplo deste sacerdote santo e da sua entrega total aos jovens pobres, por amor a Jesus!

Por fim, na oração familiar antes de dormir tivemos ainda tempo para rezar o Terço da Divina Misericórdia, esta misericórdia que hoje o António, como os Apóstolos, pôde adorar e tocar com o seu próprio corpo, boca, coração…

10 Comments

  1. Parabens António
    Que Deus te abençoe
    Um grande abraço
    Ficastes nos nossos corações como tu mas tambem toda a família
    Abraço

  2. Helena Atalaia

    Um grande beijinho de parabéns para o António e toda a família!

  3. Que bom António poderes receber Jesus no teu coração, com tanta simplicidade. Parabéns à família Power.

  4. 😘😘😘😘😘😘

  5. Parabéns,António e obrigada família Power por mais este testemunho.
    O nosso coração sorriu à vossa simplicidade.Este fim de semana também tivemos o batizado do Daniel.Que alegria!
    E festejamos com a partilha de um bolo ( e só!:) no final.
    Sentimos isso mesmo, que somos convidados à radicalidade da simplicidade e a recentrar o nosso olhar naquilo que verdadeiramente é importante.
    Um grande abraço e obrigada uma vez mais

    • Parabéns, Elisabete, pelo Daniel! Que feliz coincidência! Temos de o conhecer! Para quando o compromisso de Caná? 🙂 Bj

  6. Catarina Silva

    Que maravilha!
    Quando os catequistas por vezes se sentem desanimados, por os meninos e as suas famílias darem mais importância à festa do que ao sacramento em si, eis que surge a história do António….Que Bom!
    Muitos Parabéns!

  7. Parabéns António! Que festa tão bonita 🙂

    Só tenho pena pela Lúcia, pois pelo que a Teresa partilhou aqui no site ela teria tido também muito gosto em receber a primeira comunhão ainda no 2.º ano, e teve de esperar…

    É, de facto, uma tristeza adiar os sacramentos pela questão do dinheiro. Mas quanto ao matrimónio, se não for pela festa, ao menos é preciso adiar o suficiente para os noivos terem meios de se sustentarem e aos filhos que hão-de nascer. E infelizmente por vezes isso significa esperar muito.

    • Obrigada, Maria! A experiência que tivemos com a Lúcia foi em parte causa desta decisão… O namoro, dizia S. Josemaria Escrivá, se não puder ser curto, há de ser heróico. Se é preciso esperar, que seja uma espera santificante, porque é do sacrifício oferecido que nasce uma família santa! Bj

  8. Parabéns querido Antônio, que alegria tão grande! Muitos beijinhos para todos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Domingo VII do Tempo Comum, ano C

    Domingo VII do Tempo Comum, ano C

    SÓ A MISERICÓRDIA ROMPE O CICLO DA VIOLÊNCIA “O Senhor é clemente e compassivo, paciente e cheio de bondade”, cantamos no salmo deste domingo. Seremos nós assim também? Deixemos que a Palavra desça da mente ao coração, do coração à vida, para sermos realmente “filhos do Altíssimo”. As histórias do Rei David são como pequenos capítulos de um livro de aventuras juvenil, capazes de entreter, divertir, enternecer, fazer chorar e,...
    Ler mais...
    A margem da felicidade

    A margem da felicidade

    Estais dispostos a receber amorosamente os filhos como dom de Deus? Foi há mais de duas décadas, esta pergunta. Foi há mais de duas décadas que, diante do Senhor, respondemos "sim, estamos." E foi precisamente há duas décadas que a aventura da maternidade e da paternidade começou. Ao consultar o meu diário íntimo dos primeiros tempos de casada, encontrei a afirmação: “Dizem-me com frequência que não serei capaz de ter...
    Ler mais...
    O Plano Bíblico por excelência

    O Plano Bíblico por excelência

    "Mãe, nós lemos a Bíblia ou o missal? Não percebo bem a diferença. Podes explicar? É que nunca sei que palavra usar quando na catequese ou na aula de Moral quero explicar como fazemos a nossa oração!" O David estava confuso, e eu dei-me conta de que é preciso explicar e voltar a explicar, repetir e voltar a repetir os conceitos da nossa fé que nos parecem mais do que...
    Ler mais...
    Domingo VI do Tempo Comum, ano C

    Domingo VI do Tempo Comum, ano C

    ESCOLHAS Neste domingo, o Senhor coloca diante de nossos olhos dois caminhos opostos. Teremos já feito a nossa escolha definitiva, ou ainda hesitamos? Descendo do monte, Jesus reúne os Apóstolos e a multidão na planície. E é aí que propõe o seu caminho de felicidade, a que chamamos o Bilhete de Identidade dos cristãos: as Bem-aventuranças. Lucas fala-nos em quatro, e não nas oito de Mateus. E que quatro! “Bem-aventurados...
    Ler mais...
    O fogo e a luz em dia de S. Valentim

    O fogo e a luz em dia de S. Valentim

    Estou há uma semana a procurar encontrar uns minutos para me sentar aqui a escrever, mas o tempo - mesmo o meu - não estica o suficiente. Tenho aproveitado estes dias verdadeiramente primaveris para fazer uma grande limpeza à casa e, claro, para passear com o Daniel pelos campos em redor. Assim, vou tentar escrever agora... Bem, vou tentar daqui a uns minutos, que o Daniel está a chorar. Volto...
    Ler mais...
    Domingo V do Tempo Comum, ano C

    Domingo V do Tempo Comum, ano C

    Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga "SOU PECADOR" Depois do doce Tempo de Natal e antes do dramático Tempo de Quaresma, a Igreja vive no Tempo Comum. E é no Tempo Comum, na rotina diária da nossa vida, que somos desafiados a seguir o Senhor. Foi assim com Isaías, com Paulo, com os Apóstolos. Isaías era um judeu...
    Ler mais...
    Cantar a Palavra

    Cantar a Palavra

    No domingo passado, a segunda leitura da missa foi o magnífico Hino ao Amor, de S. Paulo, recordam-se? Certamente que sim. É daqueles hinos que, escutando uma vez, nunca mais se esquece, e é preciso voltar a escutar, outra e outra vez, a vida inteira, para nos irmos aproximando de mansinho e aos bocadinhos do ideal que S. Paulo apresenta. Há anos que procurava encontrar um cântico com a letra...
    Ler mais...
    A festa da Apresentação do Senhor, pela Lúcia

    A festa da Apresentação do Senhor, pela Lúcia

    Do diário da Lúcia, dez anos: 7h Sábado, dois de fevereiro. Estou contente, hoje não é dia de escola, é dia de descanso! Além disso, é a Festa da Apresentação do Senhor, e a mamã disse que vai ser um dia especial. Acordo bem cedo, como é costume aos sábados, e vou para a sala. Já lá está o António, ansioso por ir à padaria com a Sara e o...
    Ler mais...
    Apresentação do Senhor

    Apresentação do Senhor

    Os dias festivos da Igreja são sempre uma enorme animação aqui em casa. Quando os meninos eram todos pequenos, cabia-nos a nós inventar as tradições, imaginar os detalhes, preparar os momentos e os gestos. Agora, basta anunciar a festa, explicar o seu sentido - geralmente ao redor da mesa de jantar, como boas Famílias de Caná - e logo as ideias surgem, bem como mãos voluntárias para as pôr em...
    Ler mais...
    Domingo IV do Tempo Comum, ano C

    Domingo IV do Tempo Comum, ano C

    Reflexão dominical, escrita pela Teresa, sobre as leituras do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga TODOS FOMOS SONHADOS POR DEUS Hoje, a Palavra centra-nos no essencial da vocação cristã: somos amados por Deus desde antes de existirmos; e somos chamados a amar como Ele ama, totalmente e até ao fim. Escutemos! “Antes de te formar no ventre materno, Eu te escolhi”, diz o Senhor a Jeremias “no...
    Ler mais...

    Novidades

    Sofrimento e Graça

    Sofrimento e Graça

    Testemunho da Helena Atalaia: Transporei, então, esta força da minha natureza, subindo por degraus até Aquele que me criou. Chego aos campos e vastos palácios da memória, onde estão tesoiros de inumeráveis imagens trazidas por perceções de toda a espécie. - em Confissões de Santo Agostinho. Há alguns dias, foi-nos proposto pelo pároco participar num encontro de preparação para o matrimónio em conjunto com outros casais. O objetivo era dar...
    Ler mais...
    “Se eu perder, ficas triste ao meu lado?”

    “Se eu perder, ficas triste ao meu lado?”

    Testemunho da Isabel Marantes: Há algum tempo, aqui no Canadá, houve um concurso literário, ao qual a Leonor e a sua amiga Maddy decidiram concorrer. Há poucos dias, a Leonor recebeu uma carta a dizer que o seu texto tinha sido um dos escolhidos. Cheia de alegria, a Leonor foi no dia seguinte perguntar à sua amiga se também já tinha recebido a carta, para juntas comemorarem. Mas a amiga...
    Ler mais...
    A luz do “velho tesouro” do Terço

    A luz do “velho tesouro” do Terço

    Testemunho da Isabel Marantes: No outro dia, a nossa filha mais velha, de 10 anos, disse mesmo antes de começarmos a rezar o Terço: “Sabes, mamã, às vezes rezar o terço é um bocadinho aborrecido”… Pensei logo no nosso pastorinho de Fátima São Francisco, cuja Festa litúrgica celebramos a 20 de Fevereiro (juntamente com Santa Jacinta). Também ele tinha dificuldade em rezar o terço, porque as brincadeiras eram muito menos “aborrecidas”! Depois lembrei-me...
    Ler mais...
    Teatro de figuras para celebrar a Festa da Apresentação do Senhor

    Teatro de figuras para celebrar a Festa da Apresentação do Senhor

    No próximo sábado, dia 2 de Fevereiro, a Igreja celebra a Festa da Apresentação do Senhor (ou o dia de Nossa Senhora das Candeias, como é mais conhecido em algumas zonas do país). Este acontecimento na vida da Sagrada Família foi tão importante e está associado a tal riqueza de catequeses e significados, que mereceu ser um dos Mistérios Gozosos do Rosário que Nossa Senhora nos ofereceu! O Ensinamento Mensal...
    Ler mais...
    A Palavra de Deus na minha vida

    A Palavra de Deus na minha vida

    Sugestão da Marisa Milhano: Eis-nos no Tempo Comum do Ano Litúrgico. O tempo do Advento e do Natal já passaram... A Quaresma e a Páscoa são um pouco mais tarde que o habitual este ano.... Deixaremos que a Palavra de Deus se torne menos viva na nossa vida? Que amorneça?  Claro que não! O Tempo Comum também é uma óptima altura para crescermos na Fé e no Amor a Deus...
    Ler mais...
    A Véspera de Natal com os Séniores

    A Véspera de Natal com os Séniores

    Testemunho da Isabel Marantes: A nossa família está no Canadá há já 3 anos, mas apenas no primeiro ano conseguimos ir a Portugal no Natal. As saudades são sempre muitas, mas as inúmeras chamadas telefónicas e videochamadas ajudam a estarmos o mais perto possível de todos os nossos familiares queridos que estão do outro lado do Atlântico. Assim, nós temos aproveitado esta “liberdade” na agenda para fazer algo que sempre...
    Ler mais...
    Celebrar o Batismo do Senhor … com bolachas!

    Celebrar o Batismo do Senhor … com bolachas!

    Naqueles dias, Jesus veio de Nazaré da Galileia e foi baptizado por João no Jordão. Quando saía da água, viu serem rasgados os céus e o Espírito Santo descer sobre Ele como uma pomba. E do Céu veio uma voz: «Tu és o meu Filho muito amado, em Ti pus todo o Meu agrado.» (Mc 1,9-11)   No próximo domingo, dia 13 de Janeiro, celebraremos a Festa do Batismo do Senhor, tal...
    Ler mais...
    Cápsula do tempo familiar

    Cápsula do tempo familiar

    A Helena LeBlanc, mãe duma linda Família de Caná, enviou-nos uma atividade muito original (inspirada nesta ideia) para preparar o Novo Ano em família. Ficaram curiosos? Objetivos da atividade: Ajudar todos os elementos da família a preparar o Novo Ano, especialmente as crianças; Agradecer a Deus e identificar objetivos (resoluções) para o Novo Ano.   Materiais: uma caixa, canetas, papel, fita-cola, elementos para decorar a caixa objetos simbólicos e representativos...
    Ler mais...
    Árvore de Jessé feita na catequese

    Árvore de Jessé feita na catequese

    A Sara Grilo, catequista do 2ºvolume da Paróquia de Cordinhã (em Cantanhede), enviou-nos uma foto da magnífica Árvore de Jessé que foi feita na sua paróquia pelos grupos de catequese da infância. Para a estrutura da Árvore (re)utilizaram uma antiga árvore de natal feita com paletes de madeira que já possuíam. Os símbolos da Árvore foram desenhados e pintados pelos próprios meninos da catequese. Digam lá se não ficou bonita? Ao...
    Ler mais...
    Um auto de Natal especial

    Um auto de Natal especial

    Testemunho da Marisa Cortez: Graças aos materiais criados pelas Famílias de Caná, neste Advento sentimo-nos desafiados a fazer também em nossa casa a Árvore de Jessé. Optámos por colar as imagens em material EVA e depois plastificar para se tornarem mais resistentes e poderem ser usadas em anos futuros... 😊 Também nos sentimos animados a tornar mais festiva e sentida a nossa ceia de Natal com a realização de uma encenação...
    Ler mais...