Atualidade

atualidade@familiasdecana.pt

D. Manuel Linda: «Não ao pastel de nata na Igreja»

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Foto: Jornal «Voz Portucalense»

O bispo do Porto publicou uma mensagem no sítio da internet da diocese intitulada “Não ao pastel de nata na Igreja”, onde afirma que a Igreja precisa de “pedras «vocacionadas»” para diversas funções e que sejam “seguras”.

Para D. Manuel Linda, os jovens “é que constituem” a “pedra de fecho, bela e segura” que se encontram na construção das igrejas antigas.

“A beleza vem-lhe do investimento em «novidade», a partir da insatisfação perante a rotina do «costume»; a segurança é garantida pelo futuro de vida e dinamismo que eles representam”, afirma, lembrando o Sínodo dos Bispos dedicado aos jovens que começou ontem, quarta-feira.

Para o bispo do Porto são precisas «pedras» “ajustadas, cumpridoras da sua função de charneira”, ou seja, pedras que “descubram o seu lugar na construção e o aceitem”.

Essa “pedras” são «vocacionadas» e necessárias para diversas funções: A família, para a vida religiosa, para a vida missionária e para o sacerdócio ministerial.

“Pedras seguras e que gerem segurança. Não pasteis de nata que, por mais agradáveis que sejam, só fazem mal e não suportam nada”, destaca.

Na mensagem publicada online, D. Manuel Linda começa por explicar que “muitas igrejas têm o teto abobadado de pedra” e essas “estão dotadas de um arco cruzeiro” e os fiéis “nem sequer se colocarem a questão da segurança” porque o construtor criou uma estrutura que “ia suportando as pedras, ajustadas umas às outras” até à «pedra de fecho», a “última, a mais alta”.

A mensagem do bispo do Porto foi publicada na véspera da 15.ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que com o tema ‘Os jovens, a fé e discernimento vocacional’, decorre entre 03 e 28 deste mês.

De Portugal vão participar nesta reunião no Vaticano, o presidente da Comissão Episcopal do Laicado e da Família. D, Joaquim Mendes, e o presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios, D. António Augusto Azevedo.

Fonte: Agência Ecclesia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *