Atualidade

atualidade@familiasdecana.pt

Papa: “Para se ver a estrela que leva a Jesus, há que ter os olhos postos no céu”

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

fonte: Vatican News

Na homilia do dia da Epifania, este sábado, o Papa recordou que a estrela de Deus está “sempre presente”, mas há quem prefira seguir “estrelas cadentes” que, em vez de orientar, despistam. O Papa Francisco celebrou este sábado em Roma a missa da Epifania, a solenidade em que se assinala a primeira manifestação pública da divindade de Jesus, narrada nos Evangelhos como a visita à gruta, em Belém, de pastores e de magos vindos do oriente, que ficaram popularmente conhecidos como os Reis Magos.

Nos Evangelhos está escrito que os magos seguiram uma estrela, que os encaminhou para Belém, na Galileia, onde Jesus tinha nascido. A partir desta passagem o Papa teceu um comentário sobre a importância de se viver com os olhos postos no céu.

“Por que foi que só os Magos viram a estrela? Porque talvez poucos levantaram o olhar para o céu. De facto na vida, muitas vezes, contentamo-nos com olhar para a terra: basta a saúde, algum dinheiro e um pouco de divertimento. E pergunto-me: sabemos ainda levantar os olhos para o céu? Sabemos sonhar, ansiar por Deus, esperar a sua novidade, ou deixamo-nos levar pela vida como um ramo seco pelo vento?”

“Os Magos não se contentaram com deixar correr, flutuando. Intuíram que, para viver de verdade, é preciso uma meta alta e, por isso, é preciso manter alto o olhar”

Mas existe o perigo, disse ainda Francisco, de nos deixarmos enganar por outros objectivos que não os verdadeiramente importantes. “A estrela de Jesus não encandeia, não atordoa, mas gentilmente convida. Podemos perguntar-nos pela estrela que escolhemos na vida. Há estrelas deslumbrantes, que suscitam fortes emoções mas não indicam o caminho”, disse.

“Tal é o sucesso, o dinheiro, a carreira, as honras, os prazeres procurados como objetivo da existência. Não passam de meteoritos: brilham por um pouco, mas depressa caem e o seu esplendor desaparece. São estrelas cadentes, que, em vez de orientar, despistam. Ao contrário, a estrela do Senhor nem sempre é fulgurante, mas está sempre presente: guia-te pela mão na vida, acompanha-te.”

A história dos magos carrega ainda outra lição, segundo o Papa, que é a importância de nos deixarmos desinstalar. “Não ficar à espera; arriscar. Não ficar parados; avançar. Jesus é exigente: a quem O busca, propõe-lhe deixar as poltronas das comodidades mundanas e os torpores sonolentos das suas lareiras. Seguir a Jesus não é um polido protocolo a respeitar, mas um êxodo a viver.”

“Para encontrar Jesus, é preciso perder o medo de entrar em jogo, a satisfação do caminho andado, a preguiça de não pedir mais nada à vida”, considera o Papa.

Fonte: Renascença

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *