Atualidade

atualidade@familiasdecana.pt

Vaticano: Santa Sé saúda acordo de paz das Coreias e espera mesma solução para Médio Oriente

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

O Vaticano, na pessoa do observador permanente da Santa Sé junto da Organização das Nações Unidas, destacou a importância do processo de paz na Península Coreana, e do acordo de desarmamento alcançado para a região.

Numa intervenção efetuada em Genebra, integrada na conferência de revisão do tratado de não proliferação de armas nucleares, D. Ivan Jurkovic salientou que “a Santa Sé acompanha, apoia e encoraja toda e qualquer iniciativa útil e sincera que tenha como pano de fundo a construção de um futuro melhor e em espírito de amizade e encontro entre os povos”.

“Esta iniciativa de reconciliação na Península Coreana pode ser um testemunho de que as preocupações de segurança tantas vezes apontadas como pretexto para protelar o processo de desarmamento nuclear podem e devem ser postas de lado sem mais delongas”, referiu o arcebispo esloveno.

A revisão do tratado de não-proliferação das armas nucleares, que reúne atualmente 189 países, está prevista para 2020.

Atualmente são cinco as nações que reconhecem ser portadoras desse tipo de armamento de destruição maciça: Estados Unidos da América, Rússia, Reino Unido, França e China.

Este documento, que entrou originalmente em vigor em 1970, é visto como uma ferramenta essencial para prevenir a disseminação das armas nucleares e privilegiar o uso da tecnologia nuclear para fins mais pacíficos.

O Vaticano espera que “agora que 2020 se aproxima”, a mudança de paradigma na Península Coreana “contribua para despertar consciências” e “inspire mais medidas que permitam reforçar os esforços internacionais rumo a um desarmamento nuclear integral e à não-proliferação das armas de destruição maciça”.

O observador permanente da Santa Sé lembrou ainda em particular “a situação de instabilidade e de tensão crescente no Médio Oriente”.

“É essencial definir uma zona livre de armas nucleares e outras armas de destruição maciça na região, como ficou acordado na revisão do tratado em 2010. A Santa Sé espera que este processo possa finalmente andar em frente, de forma urgente e com maior determinação”, sustentou D. Ivan Jurkovic.

A Santa Sé mostra-se convicta de que as zonas livres de armas nucleares podem desempenhar um “papel fundamental” na promoção da paz e da estabilidade a nível regional e internacional.

Um instrumento que “reforça” o espírito do tratado de não-proliferação do armamento nuclear e que, de acordo com D. Ivan Jurkovic, pode ser decisivo na “substituição de uma lógica de medo e desconfiança por uma ética de responsabilidade”.

Fonte: Agência Ecclesia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *