O Evangelho da Família e a Apostasia coletiva

Durante o Encontro Mundial de Famílias, senti-me muito emocionada com as imagens de famílias felizes, famílias alicerçadas no sacramento do matrimónio e abertas à vida, de acordo com a doutrina católica. No Festival de Famílias, o Papa foi presenteado com cinco testemunhos, presenciais e em vídeo, de cinco famílias dos cinco continentes. Testemunhos de uma simplicidade e uma bondade espantosas. Tão bonito! Nessa mesma tarde, o Papa já tinha dialogado com dezenas de casais católicos, na Catedral de Santa Maria, onde reafirmara a beleza do sacramento do matrimónio e respondera às perguntas de um casal de noivos, um casal recém-casado(…)

Ler mais

O Papa na Irlanda, o Encontro Mundial de Famílias e os mass media

Sábado de manhã. O Papa Francisco aterra na Irlanda, terra natal do Niall. Entusiasmado, o Niall liga o computador e, pela internet, sem filtros nem comentadores, assistimos em direto a todo o dia do Papa, um dia cheio de encontros, discursos, caminhos. Com as imagens e os sons por fundo, vamos fazendo as nossas tarefas domésticas. Os nossos filhos sabem que o dia é especial, e por isso, há uma exceção muito bela a justificar o ecrã ligado durante a nossa refeição, coincidindo com os discursos do Primeiro Ministro irlandês e do Papa. O Niall sorri, feliz, e de vez(…)

Ler mais

Aborto: Ellinor é contra e a Suécia não a deixa fazer partos

Na Suécia, a falta de parteiras é tão grave que o Governo financia a sua formação. Mas apesar de ter beneficiado dessa formação, após anos de experiência enquanto enfermeira, Ellinor Grimmark viu-se impedida de trabalhar como parteira no sistema de saúde sueco e acabou por aceitar um emprego na vizinha Noruega. Lá, atende várias compatriotas que vão dar à luz na Noruega por falta de parteiras na Suécia. A razão de ser desta situação paradoxal é que Ellinor se recusa, por razões de consciência, a participar em abortos. Sempre deixou clara a sua objeção de consciência, assente na sua convicção de(…)

Ler mais

Quando fazes a amniocentese?

Esta pergunta a uma grávida de 46 anos é tão frequente, que merece aqui algum destaque. A minha resposta, naturalmente, é que não faço amniocentese. Então surge a surpresa: “Mas não é obrigatória na tua idade?” A amniocentese é um diagnóstico pré-natal invasivo, que comporta um risco mínimo de aborto espontâneo (geralmente 1 em 100 ou um em 300, dependendo da perícia do médico e do tempo de gestação) e que serve para uma única coisa: detetar malformações genéticas no bebé, ou dito depressa e bem, verificar se o bebé é ou não portador de trissomia 21 (síndrome de Down).(…)

Ler mais

A vida, a morte, o amor… e a falta de vinho

Ontem, cá em casa, foi dia de festa: o Parlamento chumbou as propostas de lei sobre a eutanásia, e há que celebrar a vitória da vida. Mas a festa não foi tão grande quanto podia ser, pois foi ensombrada pela derrota estrondosa da vida no nosso outro país, a Irlanda, no final da semana passada. O Niall em especial, que ama o seu país, tem sofrido muito com as notícias que de lá chegam. Como é possível que a sua querida terra natal tenha aberto a porta ao aborto a pedido até às doze semanas? Não só como é possível,(…)

Ler mais