Namoro, matrimónio, divórcio e muita confusão

“Mãe, não imaginas a conversa surreal que tive hoje com uma colega minha”, disse-me a Clarinha, de dezasseis anos, à hora de almoço. Alguns dias na semana, ela vem a casa almoçar comigo. “E esta colega é menina de catequese e missa, como eu! E ainda por cima é uma querida. Gosto muito de conversar com ela, mas…” “Então, conta lá.” “Perguntei-lhe, sabes, por perguntar, se ela se queria um dia casar. Eu gosto de pensar na minha vocação, imaginar qual será, sabes… Ela respondeu: «Casar? Nem pensar! Que disparate! Nunca!» Eu fiquei admirada com a reação e perguntei-lhe porquê.(…)

Ler mais

Coração

Ontem à noite, quando me ia deitar, deparei-me com estes dois pedaços de papel em cima da minha cama: Aproximei-me e li as “instruções” do papel que estava no meu lado da cama: Junta isto com o dada (papá). Lúcia. Inventei! E no outro lado da cama: Junta isto com a mamã. Lúcia. Inventei! Sorri. A Lúcia, com nove anos, e como é tradição cá em casa, adora fazer origamis. Quis ter a certeza de que nós nos iríamos orgulhar, sabendo que este fora inventado por ela. Cumprindo as instruções, juntei os dois origamis: Chamei então o Niall, e os(…)

Ler mais

Uma composição sobre as férias e o Dia da Família

Aula de Inglês, pouco depois da Páscoa. “Meninos, hoje queria que escrevessem sobre as férias da Páscoa. Para tornarem a vossa composição interessante, pensem nos cinco sentidos: o que viram, o que escutaram, o que fizeram, o que comeram, etc. Vamos ao trabalho.” Passados alguns minutos de silêncio, comecei a circular pelas carteiras para ajudar onde fosse preciso, corrigindo uma frase aqui, explicando um verbo ali… Uma menina de grandes olhos azuis perguntou-me: “Professora, como é que se diz: Brinquei com os netos da namorada do meu pai?” Quando comecei a trabalhar, há vinte anos atrás, gostava de pedir aos(…)

Ler mais

Todos os dias da nossa vida

Num dia especial, o Niall escreveu-me um postal que me fez rir à gargalhada. Está cheio de brincadeiras que só nós os dois entendemos, “piadas privadas” construídas ao longo de vinte anos de esforço, de desafio, de problemas, de falhas, de sucessos, de lutas, de desentendimentos, de reconciliações, de lágrimas, de risos, em suma, de amor. Deixo-vos com algumas frases, mesmo correndo o risco de não fazerem qualquer sentido para vós: Let it snow all summer long, let cats piddle in the sock basket, let ants crawl in the fridge, let the petrol run out of the car and all(…)

Ler mais

Uma só carne

Numa destas noites, quando nos fomos deitar, o Niall e eu tínhamos debaixo dos lençóis este lindo postal: Rimo-nos com gosto. O António tem aprendido a ler e a escrever com grande facilidade, o que nos deixa contentes. Mas a alegria maior foram dois pormenores: o “ti” englobando ao mesmo tempo a mãe e o pai; e a caracterização dos seus pais como dois noivos, no momento do seu casamento,  a mãe de véu e flores e um grande coração no meio dos dois. Para o António, o pai e a mãe são eternos enamorados. No Natal, recebemos este postal(…)

Ler mais