A banalização da imoralidade

Num destes domingos, aqui no Canto de Caná, uma Irmã que gosta de cá vir rezar contou-me esta história. Na sua casa, têm de momento duas noviças africanas, que vieram de propósito para integrar a congregação. Pouco depois de chegarem a Portugal, foram ambas chamadas ao centro de saúde da área. A razão era tão simples quanto absurda: fornecer-lhes receitas da pílula contracetiva. Entretanto, acabo de receber um mail de uma mãe de Família de Caná, contando que a filha mais velha, de vinte anos, foi abordada pelo médico de família no mesmo sentido: estaria ela a ser responsável e(…)

Ler mais

Natal – precisa-se!

A Lúcia, com oito anos, tem tido bastante dificuldade na resolução dos problemas de Matemática. Não é propriamente uma dificuldade matemática, sejamos claros. A dificuldade é o português: “O pai do João comprou um televisor. Para o pagar, optou por duas prestações de tantos euros cada.” “Mãe”, pergunta a Lúcia, muito confusa, “o que são prestações?” No problema seguinte, falamos em empréstimos. Vou chamar o pai, que o entendido em empréstimos é ele, pois a “pasta das contas familiares” não me pertence… Mas já tenho outro problema nas mãos: é sobre uma pastelaria onde foram confecionados cem bolos de arroz.(…)

Ler mais