As bilhas de barro, as tochas de Gedeão e a atenção ao irmão

Tenho as mais belas recordações de todos os oito partos que vivi. Recordo a angústia inicial, o medo, a dor até ao limite suportável em alguns deles, quase inexistente noutros; recordo como foi difícil puxar nalguns partos, e como foi rápido e fácil noutros, incluindo o do Daniel. Mas recordo, acima de tudo e em todos eles, o momento sagrado e sublime em que o bebé deslizou para fora do meu corpo e me foi colocado junto ao meu coração. De todas as vezes, acolhi este primeiro abraço numa mistura de lágrimas e gargalhadas, enquanto me deliciava com o calor(…)

Ler mais

Dia Nacional do Pijama

Ontem, a Sara foi para a escolinha… de pijama: Como certamente sabe quem, como nós, tem filhos no infantário, o dia em que se celebra a Convenção dos Direitos da Criança é também o Dia Nacional do Pijama. Com este dia, pretende-se alertar a sociedade portuguesa para a realidade de mais de oito mil de crianças que, em Portugal, vivem em instituições. Não terão esses meninos e essas meninas o mesmo direito inato a crescer numa família? Não terão esses meninos e meninas o mesmo direito inato a passar o dia de pijama, que o mesmo é dizer, vestidos à(…)

Ler mais

Gozar a vida

“Tantos? Que susto!” Foi o comentário de alguém, na loja onde eu acabava de revelar algumas fotografias dos meus seis filhos. “São só seis. Há quem tenha mais!” Respondi, com o meu melhor sorriso. “Eu só de pensar num já fico com medo…” “Tem um?” “Não. Não tenho nenhum por enquanto. Casei há poucos anos, ainda é cedo para mandar vir filhos.” “Acha?” “Primeiro quero gozar a vida! Os filhos têm tempo de vir.” Dei uma gargalhada, e aproveitei para mostrar as fotos que acabava de revelar: “Eu não conheço melhor forma de gozar a vida do que ter um(…)

Ler mais

Gastar-se até ao fim

Uma das mais bonitas virtudes do cristão, como nos diz hoje S. Paulo na primeira leitura da missa, é a generosidade. Não há Famílias de Caná sem grandes doses desta virtude. Queremos ser, como diz a nossa Carta Fundacional, “famílias-cântaro”, capazes de levar o Vinho Novo de Jesus a todos os que nos rodeiam. Queremos gastarmo-nos a servir, como S. Paulo se gastou: De muito boa vontade gastarei, e me gastarei a mim mesmo, pelas vossas almas. (2Cor 12, 15) Fico feliz quando as Famílias de Caná me falam da sua generosidade. Todas as famílias que já fizeram o seu(…)

Ler mais

    Mais recentes...