Nove anos, “dois a dois”

Testemunho da família Miranda Santos: Quando começámos a namorar, eu e a Sónia tínhamos já algum caminho percorrido de discernimento vocacional. Ambos fomos agraciados com experiências bastante enriquecedoras de oração e missão através das quais fomos abrindo os ouvidos ao Espírito para escutarmos o chamamento que Deus nos fazia. E embora de forma diferente, ambos sentimos atracção pela vida consagrada, mas para ambos o veredicto final foi de que a vontade de Deus era que nos dedicássemos à missão concreta da família. Assim, quando nos conhecemos já estávamos neste ponto em que sabíamos o caminho que queríamos seguir, só faltava(…)

Ler mais

Feliz dia de S. José!

S. José, o pai de Jesus e marido de Nossa Senhora. S. José, o modelo de todos os pais e maridos cristãos. Na nossa cultura portuguesa, ao contrário do que acontece noutros países, o dia de S. José está associado ao dia do pai. Mas se quisermos ser fiéis à fé cristã, teremos necessariamente de o associar também ao “dia do marido”, ideia contida já no título oficial desta solenidade: “Solenidade de S. José, Esposo da Virgem Maria”. Porque no sonho de Deus (que o nosso pecado e a nossa fraqueza estragam), perfeitamente concretizado na Sagrada Família, pai e marido(…)

Ler mais

Bispo de Bragança-Miranda Os “recasados” não estão excomungados, “eles são Igreja”

O bispo da Diocese de Bragança-Miranda acaba de publicar uma nota pastoral intitulada “A alegria e a fragilidade do Amor no Matrimónio e na Família”. O documento estabelece orientações com vista a uma maior integração eclesial dos cristãos divorciados a viver em nova união. No fundo, trata-se de uma “aplicação do capítulo VIII” da Exortação Apostólica Pós-Sinodal do Papa Francisco “Amoris Laetitia”, publicada em 2016, em que é proposto um caminho de “discernimento” para os católicos divorciados que voltaram a casar civilmente, sublinhando que não existe uma solução única para estas situações. “O Papa não faz a catalogação das famílias,(…)

Ler mais

Quem pode então casar-se?

Assim perguntaram os discípulos a Jesus, depois da sua explicação sobre a indissolubilidade do matrimónio, segundo Mateus 19, 10. Felizmente que a Lei de Deus não é democrática, isto é, não muda por votação da maioria. Ao contrário do que muitos católicos pensam, a Lei de Deus sobre a fidelidade no matrimónio, a abertura dos cônjuges à vida sempre, a recusa do aborto sempre também, a ilegitimidade de uniões homossexuais, etc não mudam porque a lei civil muda. Quando o Papa Francisco fala, nas suas homilias e na sua Carta A Alegria do Amor, em abertura aos recasados e na(…)

Ler mais

O luar, o texugo e a oração familiar

Já repararam como tem estado bonita a lua cheia, esta semana? Ilumina de tal forma, que caminhamos na noite quase como se caminha de dia. Pelo menos aqui, nos campos ao redor da nossa casa. Todas as noites, depois de deitarmos o António e a Sara pelas nove horas, deixamos o David e a Lúcia a ler na sala mais vinte minutos, o Francisco e a Clarinha a estudar, a ler ou a fazer qualquer outra coisa, e saímos os dois, o Niall e eu, para um curto passeio com os cães. Faz-lhes bem a eles, mas sobretudo faz-nos bem(…)

Ler mais