Os mínimos e os máximos no amor

Como comentou há pouco uma nossa leitora de longa data, alguns posts são especificamente para católicos que querem caminhar na sua fé, não sendo portanto do agrado dos outros leitores. Este é um deles, e desde já peço desculpa aos leitores que por aqui passam por outros motivos por voltar a insistir no tema. Mas de facto, os comentários e os e-mails recebidos fizeram-me crer que preciso de escrever um bocadinho mais sobre isto. Falar de obrigação faz muita confusão nos nossos dias. Estamos acostumados a pensar em Deus como o amor infinito, a misericórdia mais bela. Estamos acostumados a(…)

Ler mais

Conversão e mal-estar

Um dos comentários ao post que escrevi sobre a obrigação da missa dominical fez-me refletir de uma forma especial sobre o meu próprio percurso da fé e o percurso da fé da nossa família. Dizia a comentadora: Ao ler este reflexão sinto-me mal comigo mesma, não apenas pelo pecado em si, mas pelo julgamento das pessoas que sempre vão às missas todas. Recebi o comentário com grande alegria, porque é sempre bom ter feedback daquilo que vou partilhando aqui e é sempre bom ter novos leitores a comentar. Também admirei a coragem desta leitora, assumindo a sua situação de nem(…)

Ler mais

Cristãos perseguidos e a obrigação de ir à missa aos domingos

Hora de jantar. Hora das Bodas para as Famílias de Caná, que à imitação de Jesus, gostam de aproveitar as refeições para partilhar a vida e o alimento espiritual. Sentados à volta da mesa, conversamos sobre a escola, os amigos, o dia. Lembro-me então de ir buscar o jornal diocesano, acabado de chegar, para partilhar uma leitura. “Ouçam isto”, digo, enquanto abro o Correio do Vouga. “Lembram-se outro dia, na missa, de ouvir dizer que nos dias de hoje há mais mártires cristãos que nos primeiros séculos de cristianismo? Vou ler-vos um pequeno exemplo desta verdade, um entre muitos. Todas(…)

Ler mais

A missa, nossa Casa

Quando marcamos férias, um dos cuidados que temos é a proximidade de uma igreja para podermos ir à missa pelo menos aos domingos. Na Irlanda, graças a Deus, não é preciso esse cuidado, porque igrejas não faltam! Durante as nossas férias nunca ficámos sem missa, nem no dia 15 de agosto. Domingo que vem, se Deus quiser, já iremos à missa em Portugal. Ir à missa é, para os católicos, chegar a casa. Porque a missa é sempre a mesma, seja em Portugal, seja na Irlanda, seja no fim do mundo. Mudamos de país, mas mantemos a liturgia, mantemos as(…)

Ler mais

Seis e dez

Eram seis e dez da tarde de domingo passado. No Canto de Caná, a oração inter-famílias tinha terminado, mas na quinta, a brincadeira ainda estava no início. Interrompi para vir beber água aos bebedouros do colégio, no pátio salesiano, e fiquei-me a observar a quantidade de carros que ainda estavam a chegar para a missa. A missa das seis da tarde é a última de domingo, ou seja, a quarta oportunidade, entre sábado à tarde e domingo à tarde, para os cristãos cumprirem o chamado “preceito dominical”. Eu achava que as pessoas chegavam tarde à missa das dez da manhã(…)

Ler mais