Os Três Pastorinhos de Fátima e a Azinheira

“Recebeste uma azinheira na peregrinação das crianças em Fátima?” Perguntou-me um amigo por e-mail, quando regressei do belo dia que descrevi aqui. “Ouvi dizer que andavam por lá a dar uma azinheira a cada criança!” É verdade, deram uma azinheira a cada criança. Por isso, não recebi uma azinheira, mas quatro, que quem tem filhos é rico! Quatro belas azinheiras, prontas a plantar. Claro que, no dia seguinte, o António já tinha desafiado o pai a plantar uma das azinheiras no nosso jardim. O Niall, por sua vez, conseguiu convencer o António de que uma bastava, porque o jardim é(…)

Ler mais

Tempo de Casal em jeito de retiro

“Está, Teresa? Acabo de aterrar em Lisboa. Devo chegar a casa pelas seis da tarde!” O Niall ligava-me do aeroporto, depois de mais uma das suas frequentes viagens de dois ou três dias ao estrangeiro. Mas eu não estava em casa… “Niall, eu estou em Fátima! Sim, foi hoje a entrevista. Porque não páras aqui, e namoramos um bocadinho?” Há muito que Fátima se tornou local de namoro para nós. Afinal, não foi em Fátima que nos casámos, há vinte anos atrás? “Ena, estás a falar a sério? Vou já para aí.” Quando surgiu o convite para estar em Fátima(…)

Ler mais

A Mãe, o Canto de Caná e o nosso compromisso

O nosso jardim está um bocadinho maior: depois de Náturia (o descampado por detrás da nossa casa), parece agora  ter-se estendido até à quinta do Santuário Nossa Senhora Auxiliadora, onde já está a nascer o Canto de Caná… Ora vejam as fotografias que tirámos no dia 12 de maio: E agora, as que tirámos no dia 13 de maio, ainda em êxtase depois de todas as imagens de Fátima que a televisão nos proporcionou: Entre os dois carpinteiros, o arquiteto Joaquim Armindo (padrinho da nossa Lúcia), que desenhou o Canto de Caná, trabalha sem cessar, tanto ou mais que qualquer(…)

Ler mais

Jesus Escondido e os Santos Pastorinhos

“Mamã, podemos ir hoje outra vez à missa?” Perguntou a Lúcia esta manhã, ao acordar. Claro que sim! Eram quase seis e meia da tarde quando entrámos, em família, na pequena igreja paroquial. Ao verem o seu querido amigo padre Taveira, o António e o David correram para a sacristia. “Olha os meus amigos!” Cumprimentou-os o senhor padre, contente. “Vêm acolitar, não é verdade?” Com paciência, atrasou o início da missa alguns minutos, porque vestir a túnica e dar os nós ao cordão leva o seu tempo! Por fim, lá entraram os três na igreja, os dois meninos muito compenetrados(…)

Ler mais

Um acólito, um fotógrafo e o poder da reparação

Durante a nossa preparação familiar para a Primeira Comunhão da Lúcia, foi surgindo um sonho entre os meninos: o David e o António, como acólitos que são, iriam ambos acolitar, segurando a patena, no momento solene da comunhão da irmã. Que sonho bonito! Partilhei-o com a Helena LeBlanc, querida mãe de Família de Caná e responsável pelo grupo de acólitos da nossa paróquia, e logo a Lena decidiu: ambos iriam estar ao lado do sacerdote, o David segurando a patena por ser mais velho, o António simplesmente contemplando. E foi com esta alegria expectante que todos nos preparámos para o(…)

Ler mais