Domingo V de Páscoa, ano C

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga QUAL O INGREDIENTE? As leituras destes dias pascais lançam-nos nos tempos que hoje vivemos, entre o “já” da ressurreição e o “ainda não” da felicidade eterna, entre a omnipresença de Jesus na nossa vida e a sua aparente ausência de tantos momentos. “Quando Judas saiu do Cenáculo…” O Evangelho começa com esta triste introdução. O desenvolvimento natural, que esperaríamos de um qualquer outro evento dramático que se iniciasse com uma traição, seria algo como “Jesus entristeceu-se”, ou “o medo instalou-se”.(…)

Ler mais

Triste-mente

Testemunho da família Miranda Santos Quarta-feira Santa, o dia lá fora está chuvoso. Uma boa oportunidade para um tempo em família que é raro fazermos: ver um filme. A primeira opção recai sobre a mini-série “A Bíblia” para ver os episódios da paixão de Jesus. Mas após tentar encontrar essa opção tão ortodoxa de filme on demand sem sucesso, acabamos por percorrer rapidamente a lista disponível para aluguer na box e o que saltou à vista foi “Divertida-mente”, que já havia curiosidade de ver há algum tempo. Bom, talvez não fosse a melhor opção para a Semana Santa, mas pelo(…)

Ler mais

Desenterrando o Aleluia

Oração familiar. Desde que aprendeu a ler, isto é, desde janeiro, a Sara está encarregue de ler a pequena frase do Aleluia antes do Evangelho diário. Fá-lo com muita solenidade e alguma fluência, e certamente já conhece palavras que meninos com o dobro da sua idade ainda têm dificuldade em ler, como “exultai”, “fidelidade”, “benignidade”, “primogénito”, “júbilo”. Hoje, como sempre, a Sara lê o Aleluia: Este é o dia que o Senhor fez: exultemos e cantemos de alegria! “Mãe”, diz ela quando termina a leitura, “ontem o Aleluia foi igual! E antes de ontem também!” “É verdade, Sara, tens razão:(…)

Ler mais

Dar sentido às coisas

Testemunho de Olívia Batista Há algum tempo atrás que me começou a fazer confusão o destaque dado aos coelhos, ovos e amêndoas na altura da Páscoa, colocados em zonas de maior movimento muitas vezes no início da quaresma de forma a que todos possam perceber a sua “importância”. A Páscoa foi passando assim a ser cada vez mais a festa dos coelhos e companhia limitada, ora como pais e primeiros educadores na fé católica temos hoje a grande tarefa de mostrar aos nossos filhos o verdadeiro sentido da Páscoa, como dizia uma bloguer católica do outro lado do Atlântico: “desculpa coelhinho,(…)

Ler mais

A Páscoa, o Tríduo e o martírio

Não se chega ao domingo de Páscoa sem antes se passar pelo Tríduo Pascal. Podemos, talvez, celebrar a ressurreição do Senhor durante uma Eucaristia profunda e vivida na manhã de Páscoa. Mas não é, de forma alguma, a mesma experiência pascal de quem vive estes acontecimentos, a par e passo, na quinta e na sexta-feira santas. Não pode ser! Tal como não é a mesma coisa visitar um amigo moribundo no hospital, ver de perto o seu sofrimento, os soros, os tubos, os rostos dos médicos, enfermeiros e companheiros de quarto, segurar as suas mãos entre as nossas e beijar-lhe(…)

Ler mais