Testemunhos


O peso de uma missa

Testemunho da Isabel Marantes:

No outro dia lemos cá em casa o livro: “The weight of a Mass”, de Josephine Nobisso (também existe em português: “O peso de uma Missa”, da Editora Lucerna).

Trata-se de um conto original baseado num milagre que realmente aconteceu. Com certeza que alguns de vocês já conhecem o livro, mas penso que vale a pena resumir aqui a história para aqueles que não conhecem, porque a mensagem é extremamente bela, verdadeira e profunda.

Este conto fala de um reino dominado pela indiferença, em que uma viúva sem dinheiro e com fome pede ao dono de uma padaria um bocado de pão duro para comer.

O dono da padaria recusa o seu pedido, mas a viúva diz-lhe: “Pelo amor de Deus, se me der um bocado de pão duro, eu oferecerei a missa de hoje por si”.

Esta frase gera uma reacção de troça por parte do padeiro. Em tom de gozo, este decide escrever as palavras “uma missa” num papel minúsculo, e pede à viúva que venha com ele até à balança da loja para ver quanto pão é que ele lhe deveria por uma missa…

Qual não é o espanto do padeiro quando, por mais que coloque tudo o que tem na sua loja em cima de um dos pratos da balança, o outro prato (que tem o papel que diz “uma missa”) nem se mexe.

No final, o padeiro converte-se, pede desculpa e diz à viúva para levar tudo o que quiser da sua loja, mas ela só tira uma fatia de pão.

Quando o padeiro lhe pergunta porque é que não leva mais nada a não ser uma fatia de pão, a viúva diz-lhe que tem vergonha. O padeiro, confuso, diz-lhe que ele é que tem de ter vergonha, não ela, que sempre acreditou no valor de uma missa.

Com carinho, a viúva diz-lhe que também ela só pediu um bocado de pão seco em troca de uma missa…e que, por isso, também ela não sabia, de todo, o verdadeiro “peso de uma missa”…

Esta história cá em casa deu “pano para mangas” e serviu para muitas, muitas perguntas sobre o valor e sobre o significado da Missa!

O Luís perguntou aos meninos:  “Se algum dos vosso avós (que vos adoram!) viesse de avião ao Canadá todos os dias para vos dar um abraço, não correriam vocês aos saltos para o aeroporto à hora exacta em que sabiam que a avó ou o avô chegavam?”

“Claro!” – responderam em coro e já quase aos saltinhos.

 “Pois é” – continuou o Luís –“mas Jesus adora-vos muito mais do que qualquer pessoa nesta Terra e Jesus espera todos os dias pelo vosso abraço, de uma forma especial na Missa e, sobretudo, quer dar-vos o Seu abraço, para que vós sejais intimamente semelhantes a Ele.”

E nós, já nos demos conta do verdadeiro milagre, infinitamente maior que o da balança do padeiro, que acontece todos os dias naquela Igreja perto de nós? Nesta Quaresma, será que conseguimos esforçar-nos por viver mais vezes este milagre, mais do que uma vez por semana? É que é ali, na Eucaristia, que conseguimos experimentar da forma mais completa que conhecemos, o doce abraço de Jesus…

Como disse São João Maria Vianney (Cura D’Ars):

Se conhecêssemos o valor do Santo Sacrifício da Missa, quanto esforços faríamos para nela participarmos!

Ler também...

6 Comments

  1. Elisabete Almeida

    Não conhecia o conto.Obrigada pela partilha. Vou procurá-lo cá para casa e para oferecer. Muito obrigada!

  2. Catarina Silva

    Que conto tão lindo! Eu não conhecia.
    Vou comprar cá para casa e levar aos Catequistas da nossa paróquia…pode ser muito útil na catequese, também.
    Muito obrigada pela partilha!

  3. Helena Atalaia

    De manhã, cheguei da Missa e fui ler as novidades das FC. Este post foi um mimo! Obrigada. Também ofereci a Missa de hoje por alguém que está a precisar especialmente e como soube bem ler o “peso” do meu oferecimento. Hoje, foi tão importante esta leitura.

  4. Manuela França

    Olá Isabel,
    Foi uma agradável surpresa descobrir-te neste site das Famílias de Caná, poucos dias antes de estar com o Luís. O mundo é grande, mas é tão curioso e engraçado como Deus nos aproxima uns dos outros de formas incríveis! As tuas reflexões são ricas e bonitas, e deixam transparecer muita maturidade na Fé e harmonia familiar. Muito obrigada pelas partilhas que enriquecem ainda mais este site, já de si tão rico, onde venho procurar sempre pedacinhos de inspiração para a vida.
    Querida Teresa, mesmo comentando muito, muito pouco (na maior parte das vezes leio no telemóvel, numa pausa para café), conta sempre comigo quando for altura de fazer balanços! Mesmo não comentando, leio (e aprecio!) todos os posts, são sempre uma oportunidade de reflexão e inspiração 🙂
    Manuela

    • Isabel Marantes

      Querida Manuela,
      Que bom reencontrar-te, que bom reencontrar-te neste site e que bom saber que nos vamos encontrar mais vezes aqui!
      Um beijinho muito grande para ti e para toda a família,
      Isabel

  5. Obrigada, Isabel, por este post, que veio mesmo a jeito! A minha Isabel de 9 anos vai fazer a primeira comunhão em Abril e acho que este livro (não conhecia a história nem livro) vai ser uma prenda muito bonita e tão acertada para a ocasião…..
    Um dos nossos padres comecou há algum tempo, na oração dos fiéis, a pedir às pessoas para pedirem por intenções pessoais. Eu acho uma ideia fantástica! Infelizmente poucas pessoas se atrevem a levantar o dedo para o padre ir ter com elas (precisamos de microfone e ele vai com o microfone ao pé de cada pessoa que o chama)… Eu da primeira vez fiquei calada mas quase rebentei de orgulho porque a minha Isabel levantou logo o dedo.
    Que pena, que sejamos tãocomodistas e não nos atrevamos mais a participar ativamente na missa. Não sabemos o peso de uma missa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Mais recentes...