Testemunhos


Sejamos uma personagem mais no nosso Presépio!

Testemunho da Isabel Marantes:

Cá em casa a alegria de montar o presépio sempre foi muito grande. E todos os anos, apesar das personagens principais serem as mesmas, há sempre algo de diferente: umas vezes com musgo, outras vezes com papeis pintados em tons de castanho para simbolizar as montanhas, umas vezes com um grande estábulo, outras vezes com a lareira a fazer de gruta (este ano o estábulo foi feito pelo Miguel e pela Leonor com alguns paus de madeira e com cola quente!).

Mas desde o ano passado que decidimos acrescentar algo permanente ao nosso presépio: nós!

Sim, cada um de nós – o Luís, a Isabel, a Leonor, o Miguel e o David – está “lá” à espera de ver Jesus, de receber o menino que nasceu, de O abraçar, de O beijar, de Lhe sorrir, de Lhe falar, de Lhe cantar…

O facto de estarmos “dentro” do presépio tem-nos ajudado a meditar melhor, a compreender melhor tudo o que se estaria a passar naquela cena do Evangelho. Tem ainda ajudado os nossos filhos a viverem cada mistério do Terço de uma forma diferente.

Um dos Santos que mais falava na importância de nos “metermos” nas cenas do Evangelho era São Josemaria Escrivá. Ele escreveu assim:

«Eu aconselho-te que, na tua oração, intervenhas nas passagens do Evangelho, como uma personagem mais. Primeiro, imaginas a cena ou o mistério, que te servirá para te recolheres e meditares. Depois, aplicas o entendimento, para considerar aquele rasgo da vida do Mestre: o seu Coração enternecido, a sua humildade, a sua pureza, o seu cumprimento da Vontade do Pai. Conta-Lhe então o que te costuma suceder nesses assuntos, o que se passa contigo, o que te está a acontecer. E mantém-te atento, porque talvez Ele queira indicar-te alguma coisa»

(“Amigos de Deus”).

E que faríamos nós se estivéssemos com Maria, José e Jesus em Belém?

Maria e José devem ter percorrido cerca de 160 km desde Nazaré a Belém… Vários dias de viagem…Já não seria nada fácil fazer este percurso a pé ou montado num jumento, mas imaginem fazê-lo nos últimos dias de uma gravidez! Maria, quando viu Belém, deve ter suspirado de alívio, pensando que finalmente teria algum descanso num quarto de uma estalagem. Mas não, não houve um quarto para Maria, mãe de Deus, apenas uma gruta, um estábulo… Que berço magnífico teria José feito para Jesus na sua oficina de carpinteiro! Mas de nada lhe servia, porque estavam longe de casa. Ali estava apenas uma manjedoura… Naquela noite fria, muito fria, chegariam dali a pouco os pastores.

Como teriam reagido os donos da estalagem se, apesar de estarem completamente lotados, soubessem que em sua casa nasceria Deus? Com certeza preparariam o melhor quarto, a melhor comida, as melhores roupas que tivessem. Mas Deus vem sempre assim ter connosco, “escondido” nas circunstâncias mais normais da nossa vida, no nosso próximo.

Quando perguntamos cá em casa o que fariam se estivessem em Belém, as respostas são sempre variadas: uns dizem que pegavam em Jesus para Maria descansar enquanto José ia buscar alguma sopa quentinha, outros, que iam ao supermercado buscar leitinho… Uns dizem que iam conversar com as pessoas da estalagem que não receberam Maria e José, para ver se conseguiam algum quarto, porque “Não é justo” o que fizeram! Outros dizem que ficavam sem palavras perante o grande mistério que ali estava a acontecer…

E nós, o que faríamos? Como será quando realmente virmos Jesus face a face e como nos preparamos para isso?

Ao metermo-nos no presépio contemplamos Jesus e reconhecemos que estamos perante um mistério.

Um mistério que aconteceu em Belém – que significa “casa do pão” –, um mistério que é um menino que dormiu numa manjedoura – um local onde os animais se alimentam -, um mistério que é um menino que veio para ser o Pão da Vida, para nos encher do alimento que realmente precisamos, para nos encher do Seu Amor…

As quatro velas da coroa do Advento já estão acesas. É hora de sermos, também nós, luz do mundo…e de “enchermos” o nosso coração com gratidão e o coração do nosso próximo com actos de Amor, porque:

 

“Em verdade vos digo que sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes”  

Mateus 25:40

 

Um Santo Natal para todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *