Testemunhos


Sofrimento e Graça

Testemunho da Helena Atalaia:

Transporei, então, esta força da minha natureza, subindo por degraus até Aquele que me criou. Chego aos campos e vastos palácios da memória, onde estão tesoiros de inumeráveis imagens trazidas por perceções de toda a espécie. – em Confissões de Santo Agostinho.

Há alguns dias, foi-nos proposto pelo pároco participar num encontro de preparação para o matrimónio em conjunto com outros casais. O objetivo era dar o nosso testemunho de caminhada na fé e ajudar a discernir a vocação matrimonial dos que se preparam para o matrimónio na Igreja.

Cada um tinha a sua história e memórias, todas diferentes e únicas.

Para casais, com ou sem filhos, e/ou que já vivem juntos há alguns anos, o que pode levar à decisão de casar pela Igreja? Se, os mesmos não conhecem a Igreja e/ou não a frequentam, o que esperam estes noivos da mesma? Será apenas a beleza da festa? O que os atrai?

No Compêndio do Catecismo da Igreja Católica sobre quais são os efeitos do sacramento do Matrimónio, (1638-1642) é-nos dito que:

O sacramento do Matrimónio gera entre os cônjuges um vínculo perpétuo e exclusivo. O próprio Deus sela o consentimento dos esposos. Portanto o Matrimónio concluído e consumado entre batizados não pode ser nunca dissolvido. Este sacramento confere também aos esposos a graça necessária para alcançar a santidade na vida conjugal e para o acolhimento responsável dos filhos e a sua educação.

O matrimónio como um caminho até Deus. Deus, chama-nos a cada momento, e os sacramentos são jorros de graça abundante que podemos ou não acolher no nosso coração.

Mas é no sofrimento que melhor nos deixamos tocar pela Sua Graça.

Este encontro entre casais e histórias partilhadas fez-me recordar anos de confidências de doentes que tive o privilégio de acompanhar. Doentes que recordo com carinho. Muitos foram os que souberam encontrar-se com Deus no seu sofrimento. Os seus olhos deixavam transparecer a Sua Fortaleza. As suas palavras de esperança em momentos de profunda desilusão humana, mostravam o quanto a nossa impotência só se engrandece na Presença Divina. Do nosso nada, Deus faz milagres.

Um dos casais prometeu casar-se pela Igreja, numa altura de grande provação e sofrimento. Este casal deu o passo que sabia no seu coração ser o tesoiro que os aguardava – ser casado em união com Deus.

Cada história de vida é singular, mas em jeito de confidência diria que começar a ir à Missa pode mudar radicalmente a nossa vida. A graça está lá para quem a queira receber! E um dia, pode ser que sem se saber bem porquê… se sinta uma saudade imensa do Domingo.

Porque a Eucaristia nos enche das graças e bênçãos do Céu, fortalece-nos para a peregrinação desta vida, faz-nos desejar a vida eterna, unindo-nos desde já a Cristo, sentado à direita do Pai, à Igreja do Céu, à santíssima Virgem e a todos os santos.

Na Eucaristia, partimos «o mesmo pão, que é remédio de imortalidade, antídoto para não morrer, mas para viver eternamente em Jesus Cristo» (S. Inácio de Antioquia). Em Compêndio do Catecismo da Igreja Católica

O que os atrai? O que atrai então estes noivos? O que atrai cada um de nós à Igreja? Jesus, só Ele o pode fazer.

E Eu, quando for erguido da terra, atrairei todos a mim. (S. João 12,32)

Helena Atalaia

Ler também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Mais recentes...