Em Caná da Galileia…



Bagagem pronta

Ontem tropecei numa mochila do Homem Aranha, estrategicamente colocada à entrada do meu quarto. Apanhei-a e inspecionei o seu interior: uma corda de saltar, um cubo mágico, um baralho de cartas incompleto, carrinhos, alguns objetos não indentificáveis e um bloco de apontamentos. “Essa mochila é minha, não podes mexer!” O António, que acaba de fazer sete anos, vinha a correr do seu quarto e quase esbarrava comigo. “Por que não vais arrumar estes brinquedos todos nos seus sítios? Esta mochila está uma grande confusão!” Sugeri. “Arrumar? Mas acabei de a arrumar! É a mochila que vou levar para a Irlanda.(…)

Ler mais

Um namoro em Caná… No século XXI

Escrito pelo Francisco Power e pela Sofia Portela: Antes de começar, uma breve apresentação: o Francisco já toda a gente sabe quem é, ilusionista, futuro engenheiro mecânico, e tal… A Sofia Portela tem 18 anos, é de Sintra e está a tirar licenciatura em Ciências Musicais na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Vem de uma família católica, é organista e salmista na sua paróquia e pertence às Famílias Hospitaleiras, que são uma “sequela” da Juventude Hospitaleira. Francisco: Acordei no dia 20 de setembro de 2014 entusiasmado e preparado para um dia de retiro das(…)

Ler mais

Ao sexto dia

Oração familiar. Esta semana, a primeira leitura da missa diária é retirada do Livro do Génesis. Lemos atentamente, versículo a versículo, o belíssimo hino à Criação do autor do Génesis. Veio a tarde, veio a manhã, era o primeiro dia… (Gn 1, 5) “O dia começa com a tarde?” Querem saber os meninos. Começa, sim senhor! Para os judeus, o dia começa ao pôr do sol. É por isso que o Shabbat se celebra ao pôr do sol de sexta-feira, e é esta herança litúrgica que nos permite a nós, cristãos, celebrar missas vespertinas, considerando a missa de sábado à(…)

Ler mais

A festa na Aldeia e o picante da Terra

Há dois meses que a Aldeia de Caná Nossa Senhora Auxiliadora não reunia, tantos foram os compromissos e as doenças. Mas mal despontou fevereiro, marcámos encontro. Antes, reuníamos nos primeiros sábados, depois da catequese, às quatro horas. Depressa nos demos conta de que as crianças estavam naturalmente já cansadas, refilando que não conseguiam rezar o terço, e tudo era feito um pouco a correr. Então optámos pelo primeiro domingo, às três da tarde. E que boa decisão essa! Domingo surgiu luminoso, depois de uma semana de chuva intensa. Às três horas, estávamos no santuário cinco famílias, praticamente completas, e uma(…)

Ler mais

A quatro mãos

Uma das formas mais eficazes de aprender sobre a Palavra de Deus é através da música. Cá em casa, quando se lê por exemplo a história de Zaqueu, todos irrompem em coro: “Desce depressa! Hoje vou ficar em tua casa! Também para ti chegou a salvação!” Que é, como sabem, um dos nossos “Cânticos da Nascente”.  De vez em quando, na missa, trocamos olhares ao ser proclamada uma leitura que conhecemos de cor através de uma das nossas canções. E que bem que, assim a cantar, vamos conhecendo as Escrituras! Há uns tempos li algures que, se alguém desejar ler(…)

Ler mais