Notícias Aldeia Nossa Sra Conceição


Que fazeis, Aldeia?

Este domingo foi dia de encontro da nossa Aldeia de Caná! Uma aldeia que vai crescendo, tanto em número de famílias, tendo neste encontro a graça de acolher uma nova família,  como em número de elementos por família, uma vez que neste encontro também tivemos a alegre notícia de mais uma vida nascente numa das famílias da aldeia. Neste momento temos três mães grávidas na nossa aldeia! Haverá maior sinal da graça e da confiança de Deus nas famílias do que entregar-lhes, através da união do homem e da mulher, a capacidade de gerar uma nova vida, tornando-os, com Ele, co-criadores?

Infelizmente, nem sempre a vida nascente é vista como uma Graça, porque uma graça nunca se rejeita! Infelizmente, nem sempre as famílias têm a confiança em Deus necessária para saber que nenhuma dificuldade consegue ser maior do que uma nova vida, abençoada e protegida por Deus desde o instante da sua conceção. Infelizmente nem sempre há, sequer, uma família para acolher a criança que surge e que configura, necessariamente, o futuro.

Mas é exactamente quando há maior lacuna que há mais espaço para Deus e maior oportunidade de nos colocarmos humildemente nas Suas mãos. Por isso este nosso encontro foi concreta e especialmente dedicado à vida nascente e às vidas que com ela se atrapalham. Aproveitámos a campanha de oração 40 dias pela vida e o acolhimento da missão Mãos Erguidas para nos juntarmos a rezar pela intenção de combater o mal que o aborto é. Esta missão tem uma casinha-oratório mesmo em frente à principal empresa de abortos de Lisboa, no centrinho da cidade. Nesta “clínica” são mortas, diariamente, à volta de quarenta crianças. É um autêntico buraco negro, não daqueles do espaço que tanto fascinam os cientistas e os jornalistas, mas daqueles da terra, aos quais pouca gente dá importância, apesar de estarem tão perto e de ser tão fácil lá cair! * Do outro lado da rua a missão Mãos Erguidas faz resplandecer a luz de Deus através da oração contínua dos missionários e da presença de Jesus na Eucaristia. Entre a fonte da Luz e o buraco negro, no meio da rua, os missionários transmitem esta luz a quem entra e sai da “clínica”, conversando com quem quer ouvir, tentando esclarecer, ajudar e apoiar quem cai na opção da morte por insconciência, solidão, medo, angústia ou desespero. Testemunhou-nos a missionária que nos acolheu que não são só bebés que se salvam (quando não se salvam, e apesar de injustamente privados da vida na terra, estes serão os primeiros a chegar à vida eterna, por isso pedimos ao contemplar o mistério da Ressurreição de Jesus), são também mães cujas vidas ficam profundamente feridas após fazerem um aborto e que só com o adequado apoio conseguem curar-se; são também vidas de familiares ou amigas das mães ajudadas que estas conseguem ajudar com o seu testemunho e intervenção; ou até avós, que em tempos cometeram o mesmo erro e por nunca terem sido ajudadas incitam as próprias filhas a cometê-lo, e ali encontram finalmente a ajuda para se libertarem do que as atormentou toda a vida.

Quanto à nossa humilde oração em aldeia, começámos por ouvir o alerta que o Anjo de Portugal fez aos pastorinhos e que nos é proposto para esta quaresma no ensinamento mensal: “Que fazeis?”. Andamos nós tão bem entretidos no nosso dia-a-dia, entre a casa e o trabalho, entre confortos e pequenas dificuldades, que quase não nos apercebemos de tantas dores e pecados que são cometidos no mundo, e concretamente à nossa volta. Era impossível não concretizarmos este alerta do Anjo no local em que estávamos: no meio da nossa cidade há um sofrimento gigante tanto das pessoas como de Deus pelos filhos que não chegam a nascer e pelas pessoas que se afastam da santidade por causa deste pecado! Haverá maior ofensa a Deus ou maior pecado dos Homens? Por isso passámos o pedido do Anjo a adultos e crianças para, também por estes pecados, oferecermos orações e sacrifícios. Constantemente, todos os dias, em todo o lado, não nos distrairmos.  E começámos logo ali rezando, na companhia de Maria, o terço entre famílias. Cantámos, louvámos e agradecemos, e regressámos a casa cheios de vontade de aproveitar a quaresma para dar este impulso inicial, mas que depois não pode parar!

*(É curioso como ainda há poucos dias foi notícia a descoberta de uma vala comum onde um orfanato católico Irlandês terá enterrado cerca de 800 crianças nos anos 50 do século passado, coisa que só neste sítio acontece a cada 20 dias e ninguém dá importância)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *