Em Caná da Galileia...


A Escada de Jacob

No domingo, com cinco dias, o Daniel foi pela primeira vez à missa. Embrulhado em mantas e escondido no “ovo”, entrou comigo no santuário, e juntos ajoelhámos diante do altar e da imagem de Maria Auxiliadora. Que alegria, poder voltar a ajoelhar e andar com ligeireza! Contemplei o rosto da Mãe, com o seu Menino ao colo, e mostrei-lhe o meu, ali embrulhadinho, enquanto me emocionava e as lágrimas me corriam pelo rosto. Ainda há uns dias ali estivera, o meu menino “do lado de dentro”, e pedira à Mãe que me auxiliasse no que se ia seguir…

Depois dirigimo-nos para o banco e durante toda a missa, o Daniel não se mexeu. Acho que se sentiu em casa, escutando os cânticos que lhe são tão familiares, as orações que já conhece tão bem, depois de nove longos meses a rezá-las connosco. No final, a fila de amigos e paroquianos que o quiseram conhecer fazia lembrar as filas de pastores que entraram na gruta no dia de Natal.

Mas domingo foi um dia especial também por outra razão. Nesse dia, se estivesse connosco, o Tomás, o meu outro bebé de Natal, faria catorze anos! Enquanto contemplava o Daniel adormecido e acompanhava os cânticos e as orações da assembleia, de novo as lágrimas me corriam pelo rosto, numa mistura de emoções que mais ninguém podia entender.

Foi num destes momentos que cruzei o meu olhar com o de outra mãe, também ela de lágrimas brilhantes. Há um mês perdera o seu menino especial, de dezasseis anos. Sofria de paralisia cerebral e todos na paróquia o amávamos. No abraço da paz, esta mãe assegurou-me: “O meu Nuninho esteve sempre consigo durante o seu trabalho de parto, não tenha dúvida!”

No final da missa, antes da bênção final, o senhor padre falou-nos da Escada de Jacob,

apoiada na terra, cuja extremidade tocava o céu; e ao longo desta escada, subiam e desciam os anjos de Deus. (Gn 28, 12)

“Há anjos que sobem para Deus, outros que descem de Deus”, explicou o senhor padre. “Na quarta-feira celebraremos um mês da partida do Nuninho para Deus, e hoje vamos alegrarmo-nos com a chegada do Daniel!”

E de repente, também eu compreendi. Ainda bem que levei o Daniel à missa no dia do aniversário do Tomás! Pois ali, sobre o altar, ergue-se a cada domingo – a cada dia – a Escada de Jacob, abrindo de forma especialíssima o Céu sobre a Terra, para que os anjos subam e desçam louvando o Senhor no Pão e no Vinho. Pela Escada de Jacob, o Tomás subiu ao Céu, mas continua a descer e a estar connosco em cada missa. No domingo, os meus dois meninos do Natal partilharam de forma única esta Escada e cruzaram-se nos seus degraus.

As lágrimas ainda correm pelo rosto quando escrevo tudo isto, porque as hormonas não são boas ajudantes nesta altura. Mas daqui a alguns minutos, assim que o Daniel acordar e olhar para mim, irei cantar e a dançar de pura felicidade…

Bendito sejas, Senhor, pelo mistério da vida e da morte, pois ambos são, em Ti, mistérios de eternidade!

 

 

9 Comments

  1. Joana Morais da Rocha

    A Teresinha é tão lúcida e compassiva que também aqui e agora as lágrimas me correram na cara.
    Um abraço de gratidão

  2. Obrigadap pelas sempre sábias palavras!

  3. Que emoção tão grande!!! Aliás que emoção tão grandes e tão belas. Também eu me emocionei ao ler. Muitos parabéns. Paula Mota

  4. Que lindo anjo é este Daniel…Deus o abençoe e a todos vós!

  5. Cristina Santos

    Um abraço enorme minha querida amiga, e não são precisas mais palavras. .. 😙

  6. Isabel Guimaraes

    Parabéns, Tomás!
    Fico sempre impressionada com as graças que tens dado à tua família e quão inspiradora e profunda é a forma como os teus pais sempre escreveram sobre ti e sobre a tua ida para o Céu…é algo que nos abana e, ao mesmo tempo, nos conforta…
    Sabes, Tomás, das duas vezes que acompanhei de perto mães em que os seus filhos também foram ainda muito pequeninos para Céu, só me ocorreu fazer uma coisa: levar-lhes o livro que a tua mãe escreveu e ler-lhes (ou num dos casos traduzir para inglês!) o capítulo em que a tua mãe fala da tua partida. Ficámos sempre no fim a chorar, agarradas ao livro e agarradas uma à outra…
    Como vês, querido Tomás, são grandes as graças que, por ti, recebemos…que grande menino!
    Parabéns, Tomás!

  7. Catarina Silva

    Eu já começo a ler os posts com lenços de papel na mão… E no meu caso não são as hormonas… Como é maravilhoso o seu discernimento, Teresa. E como nos ajuda a ver tudo com outros olhos… Obrigada. Obrigada por falar sobre isso que sente e que é tão seu! Obrigada por nos fazer ver tudo com outros olhos!

    • Catarina Ramos Tomás

      Tenho sempre muita dificuldade em comentar estes posts.
      Também tenho dificuldade em controlar as lágrimas… Mas o sentimento de gratidão pelo que leio é imenso. Faço minhas as palavras da Catarina. Muito obrigada!

  8. Eu também sou como a Catarina: já começo a ler os posts com lenços de papel na mão… E no meu caso também não são as hormonas…
    E também faço minhas as palavras da Isabel sobre o Tomás. Parabéns, anjinho de Deus, que tantas graças que tens dado à tua família, mas não só a ela: eu não te conheci pessoalmente, mas através das palavras dos teus Pais, tens estado muito presente na minha vida. Há uma frase que diz que as pessoas só morrem verdadeiramente quando passam ao esquecimento, portanto tu estás muito vivo.
    Nunca tinha ouvido falar da Escada de Jacob: que belo! Que inspirador!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *