Em Caná da Galileia...


Em retiro, do Natal para o Tempo Comum das nossas vidas

Ontem foi o nosso retiro Famílias de Caná. Estiveram aqui connosco dez famílias, no meio de muita alegria e com um sol lindo. Havia crianças em carrinhos, crianças ao colo, crianças a brincar e crianças escondidas nos ventres de suas mães, casais, mães que vieram (ainda) sem a companhia dos maridos, enfim, uma grande variedade de pessoas, todos prontos para celebrar a presença de Deus-Connosco. Não sei se foi o sol, se a alegria, que nos fez a todos sentir bem quentinhos e confortáveis, apesar dos zero graus que marcavam os termómetros no final da missa!

Bolas, patins e trotinetes em breve encheram o pátio. Enquanto os adultos tomavam café, os mais novos não perdiam tempo!

O tema do ensinamento (em breve disponível em vídeo, como tem sido costume) foi o belíssimo mistério da Encarnação, que começa no Natal e nos lança no Tempo Comum, estes “todos os dias da nossa vida” que pautam a promessa matrimonial. Refletimos sobre a simplicidade, a alegria e a humildade da Família de Nazaré, modelo das nossas famílias, e na forma como ela se deve refletir hoje na Igreja, na paróquia, nas nossas casas.

Serviu-nos de modelo o Papa Francisco, nos seus esforços por simplificar estruturas e formalismos, e S. João Batista, na sua decisão consciente de diminuir, para Jesus crescer. Falámos de S. João Bosco e da sua Senhora Auxiliadora, de Santa Faustina e do Menino Jesus que, às vezes, lhe aparecia momentos antes da comunhão, e dos “avós de Jesus”, esses nomes todos que constituem a sua Árvore Genealógica e que Lhe abriram caminho, apesar de tanto pecado à mistura. Agora que o Natal terminou, é tempo deste “Menino que nos foi dado” crescer em nossas casas!

Enquanto os adultos assim refletiam, na sala ao lado os mais novos, orientados pela Rute Almeida, trabalhavam o tema do Batismo de Jesus, com teatro, canções e manualidades. Vinham encantados!

Também os mais velhinhos meditaram no mistério da presença de Jesus entre nós a partir do Natal e do Batismo, numa atividade que partilharemos num próximo artigo de Atividades de Evangelização, pois pode inspirar animadores e catequistas. Estavam todos felizes com as suas descobertas.

O almoço, nas mesas de piquenique da quinta, foi um banquete delicioso e abundante, fazendo justiça às Bodas de Caná. Até o vinho faltou por aqui (mas não um café quentinho!).

Rezámos, como sempre, o Terço no Cantinho de Caná, ali junto da imagem da Mãe, que parecia sorrir e partilhar a nossa alegria. Os mais novos conduziram os mistérios, os bebés brincaram no chão, os cães que costumam vaguear pela quinta fizeram-nos companhia.

Depois, a Família Almeida orientou um jogo familiar, em família de famílias, no meio de muitas gargalhadas. Tratou-se de um “jogo da glória” gigante, no “tabuleiro” do pátio do colégio, marcado por pegadas de cartão. O dado também era gigante, e os peões eram um elemento de cada família. Vamos pedir à Família Almeida que escreva um artigo sobre este jogo, para que possam jogar nas catequeses, nos grupos de jovens, enfim, nos vossos encontros paroquiais, porque vai valer a pena!

Pelas quatro horas, foi tempo de nos encontrarmos diante do Senhor Eucarístico, adorando-O de joelhos e em silêncio, com a possibilidade de nos confessarmos também. Os mais novos iam entrando e saindo do santuário, com a liberdade que, no Movimento, lhes damos para que rezem ao seu ritmo, e os pais aproveitaram esta rara oportunidade de ficar face a face com Jesus. Não é todos os dias – para os que têm famílias crescentes e vidas atarefadas – que temos tanto tempo para Ele no Santíssimo Sacramento do altar!

Antes de sairmos do santuário, e para encerrar em cheio o Tempo de Natal, algumas meninas dançaram ao som de um cântico natalício, com uma coreografia preparada por elas durante a atividade da manhã. Vieram-me as lágrimas aos olhos, ao ver Jesus ali presente em cada uma, desejando-nos que o mistério da Encarnação aconteça, de facto, nas nossas famílias.

Terminámos com um lanche na quinta, e foi o frio intenso que se fez sentir que, por fim, nos dispersou, devolvendo-nos ao quentinho das nossas casas e à maravilha do mistério do Emanuel…

 

 

 

5 Comments

  1. Fiquei muito feliz ao ler este testemunho, porque, como sempre tudo correu muito bem. Por outro lado a tristeza de mais uma vez não poder participar ( mesmo sem o marido).
    Festejamos o Batismo do Senhor na nossa Paróquia com as crianças da catequese e como somos logo três catequistas ( eu e os meus dois filhos) tornou-se impossivel . Mas jamais perco a esperança de uma próxima…
    Beijinhos

    Susana

  2. Estela e Luís

    Teresa, gostámos mesmo muito do retiro/convívio! Mais uma vez obrigada pela preparação e receção! Apesar do frio e dos pés gelados, voltámos com a alma aquecida!

    • Estela, os pés iam gelados, mas não molhados, o que já é um “upgrade” em relação ao retiro anterior 🙂
      Ficámos muito felizes por poderes participar, apesar do Rei na Barriguinha! Que tudo corra muito bem agora!
      Grande abraço!

  3. Gabriel Almeida

    Gostei muito da atividade do Niall e de estar com todos os meus amigos. Foi um encontro muito bom!

  4. Obrigada por este encontro que gostei muito . Gostei de brincar com a Lúcia e as outras meninas , ir à missa e participar nas atividades !😃😃

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *