Em Caná da Galileia...


Feliz dia de S. José!

S. José, o pai de Jesus e marido de Nossa Senhora. S. José, o modelo de todos os pais e maridos cristãos. Na nossa cultura portuguesa, ao contrário do que acontece noutros países, o dia de S. José está associado ao dia do pai. Mas se quisermos ser fiéis à fé cristã, teremos necessariamente de o associar também ao “dia do marido”, ideia contida já no título oficial desta solenidade: “Solenidade de S. José, Esposo da Virgem Maria”. Porque no sonho de Deus (que o nosso pecado e a nossa fraqueza estragam), perfeitamente concretizado na Sagrada Família, pai e marido são uma e a mesma pessoa, e dizer “ex-marido” é tão estranho como dizer “ex-pai”.

Escrevo este post tarde na noite, enquanto o pai cá de casa embala o Daniel nos braços, brincando com ele com ternura infinita. Chegou um pouco antes das sete da tarde, como costume, e nem teve tempo de tirar o casaco ou de me dar um beijo: uma avalanche de filhos quase o derrubava. Na cozinha, onde o jantar estava ao lume, o pai dos meus filhos conversou com cada um em particular e com todos ao mesmo tempo, e todos acharam que ele os estava a ouvir só a eles. Um queria mostrar um desenho, o outro um frasco de vidro cheio de musgo e ervas transformado num terrário, como ensinava aquele vídeo no Youtube. O David tinha muito para contar sobre os jogos de basquetebol durante os intervalos da escola, e a Clarinha queria cantar a sua nova música e acompanhá-la na guitarra. Por fim, e como costume também, o pai dos meus filhos empurrou-os a todos gentilmente para fora da cozinha: “Agora quero falar com a mãe!” E tomando o Daniel nos braços, lá ficámos os três em amena conversa. Penso que hoje conseguimos dois minutos inteiros sem sermos interrompidos, o que não é nada mau!

Pai. Recordo o meu, e a alegria com que a minha mãe o recebia ao fim da tarde. Era com sereno entusiasmo que eu, sua filha mais velha, escutava a chave a entrar na fechadura, os passos a atravessar o corredor, a porta do meu quarto a abrir e o seu sorriso a assomar: “Olá querida! Tiveste um bom dia?” Perguntava invariavelmente. Como é bom, o pai que chega a casa!

Hoje recordo também os outros, os pais que partiram de casa. Que rodaram a chave ao contrário, que bateram a porta em vez de a abrir. Que traíram os filhos ao trair a mulher, porque não se pode trair a mulher sem trair os filhos.

Recordo ainda os pais que têm ciúmes dos filhos, que não compreendem que um recém-nascido ocupa espaço e tempo, que agem como crianças crescidas, competindo pelo amor da mulher e fazendo-a sentir-se culpada por ser mãe. E os pais que, com medo de se tornarem autoritários, deixaram de exercer autoridade, renunciaram ao seu papel de chefe de família e abandonaram espiritualmente a mulher e os filhos, mesmo sem sair de casa.

E peço a S. José, pai e marido, que nos ajude, como sociedade, a deixar a esquizofrenia em que caímos e a regressar ao belo sonho de Deus.

S. José. Nenhum santo venerou e contemplou Nossa Senhora com a intensidade do amor de S. José. Já pensaram nisto? S. José foi o primeiro devoto de Maria. E Maria foi a primeira devota de S. José. Por isso, em Fátima, durante o milagre do Sol, a primeira imagem que Nossa Senhora ofereceu aos pastorinhos foi a de S. José com o Menino ao colo, abençoando o mundo.

Como José, também os maridos cristãos precisam de aprender a contemplar e a venerar as suas esposas. E como Maria, também as esposas cristãs precisam de aprender a contemplar e a venerar os seus maridos. A melhor coisa que o pai pode fazer pelos seus filhos é, sem qualquer dúvida, amar a mãe que escolheu para eles. E a melhor coisa que a mãe pode fazer pelos seus filhos é amar o pai que escolheu para eles. “Os nossos filhos têm tanta sorte em te ter por pai!” Digo eu, quase diariamente, ao Niall. “Não, eles têm é sorte em te ter por mãe”, responde-me ele invariavelmente. E rimo-nos, felizes.

S. José. Pelo seu papel de pai, coube-lhe introduzir Jesus no mistério das Escrituras, conduzindo-o à sinagoga para escutar a Palavra. Penso em S. José quando vejo o empenho do Niall em comentar o Evangelho diário connosco, trazendo-nos geralmente um pequeno ensinamento a partir da homilia da missa diária, em que ele participa alguns dias por semana, à hora de almoço, no Centro Universitário.

O pai entrega a Palavra aos filhos, na Festa da Palavra da nossa paróquia

Acabo este post com o Daniel ao colo, nesta manhã de S. José. O meu bebé está a dizer-me que são horas de parar de escrever…

Rezaram a novena connosco? E que dizem do cântico que a Clarinha compôs? Ela quer saber 🙂

A todos, especialmente aos pais e maridos que nos seguem, um feliz dia de S. José! E cá para nós: não seria giro se hoje fossem os homens a dominar a caixa de comentários deste site? 🙂

12 Comments

  1. João Miranda Santos

    Feliz dia de S. José a todas as famílias! E em especial àquelas que têm um pai menos presente… que S. José as proteja de um modo muito particular.
    De facto a encarnação de Deus não seria plena se Jesus não crescesse numa família com um pai e uma mãe. Mesmo não precisando de um homem reprodutor para cumprir o seu plano, Deus precisou de um homem pai de família para tornar o seu Filho inteiramente Homem. Não me canso de agradecer por constituir família, por Deus me dar a graça de ser pai e assim ser co-criador deste mistério que é a família!
    Por isso o dia hoje começou com missa em família, em acção de graças, antes do pequeno almoço e das prendinhas na creche.
    No ano passado a creche abdicou de assinalar o dia do pai para assinalar antes o dia da família, mas felizmente este ano voltou atrás, porque efetivamente sem pai não há família!

  2. Teresa, I think you exaggerate a little but thank you for your tender words. I pray for my own Dad who is my inspiration and my hero forever. Thank you God for creating him – A famous school teacher in Ireland, a helper of the travellers ( ciganos irlandeses) and father of no less than 10 amazing young men and women, my brothers and sisters!
    Obrigado

  3. Gostei IMENSO da musica da Clarinha. Ouvi muitas muitas vezes. E rezei a novena 🙂

  4. Feliz dia de S. José!!!
    Realmente é muito fácil esquecermo-nos que Maria tinha José a seu lado na vida familiar!
    Queria também desejar um santo dia a todos os párocos que servindo a Igreja se tornam nossos pais na fé!

  5. Sónia Marisa

    Gostei muito da música da Clara!! Que Deus a continue a inspirar para compor belos cânticos. Teresa, muito obrigado pelos seus textos 🙏

  6. Sónia Marisa

    A Clara disponibiliza os acordes da música de São José? 😉
    Obrigada!

    • Obrigada nós, Sónia! Os cânticos da Clara, assim como os meus, estão disponíveis com acordes aqui no site, em Da Nascente – Cânticos. Basta imprimir! Divulguem-nos! Bj!

  7. Licínia Maria

    Lindo(s) o(s) cântico(s) da Clarinha e apaziguadores todos os teus textos.
    Penso não ser demasiado exigente com as pessoas mas contigo passei a ser. É que quando o teu tempo é curto e estás, por isso, uns dias sem escrever, fico triste. Aprendi muito com a vossa visão da vida, reflito com os teus textos, oriento melhor aqueles que estão comigo. Continua pois tenho a certeza que muitos te ouvem e querem pôr em prática as tuas lições de vida. Obrigada e beijo amigo.

  8. Ainda não ouvi o cântico da Clara sobre S. José, não me posso pronunciar sobre ele. 🙁
    Mas posso dizer, contente e agradecida, que rezámos a novena a S. José em família, por aqui. 🙂

    • Então toda a ouvir, Pilar e família, porque é importante também pronunciarmo-nos sobre estas coisas! 🙂 E ficamos felizes que nos tenham acompanhado na novena. Quando rezamos muitos, ela torna-se mais poderosa! Bj

  9. Luis Marantes Guimarães

    Que bom é S. José… E que bom é o nosso Pai Deus por nos ter dado S. José como Pai, para nos ensinar tanto, inclusive a também nós sermos pais… Já há algum tempo aprendi a chamar S. José “meu Pai e Senhor”, porque o é de facto… Porque tenho vontade que o seja… Tal como foi Pai (adotivo, mas Pai) de Jesus… E peço-lhe que me ensine a falar com Jesus com a intimidade com que só ele e Maria falaram, a contemplá-Lo como nenhum outro homem O contemplou, a amá-Lo como nenhum outro homem O amou… E depois peço-lhe que me inspire a ser um pai como ele, um marido como ele, um filho de Deus como ele. E, quase sem dar conta, já estou pertinho de Jesus… Porque José, tal como Maria, não sabe fazer outra coisa que não conduzir-nos a Jesus, para nEle permanecermos sempre, ao longo de todo o dia, todos os dias, até ao último dia… Obrigado José pelo teu exemplo tão claro apesar de tão silencioso… E obrigado meu Pai Deus por teres criado o melhor pai do mundo e por depois no-los teres dado, para que imitando-o cheguemos mais depressa a Ti…

    PS: parabéns a todos os pais!

  10. Obrigada a todos! Espero que as minhas músicas continuem a fazer sorrir e refletir 🙂
    Beijinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.