Em Caná da Galileia...


Hallowe’en ou Holywins?

“Meninos, já têm ideias para a festa de Holywins?”

“Ah, está quase, não está? Podemos fazer os jogos divertidos do ano passado?”

“Aquele das nozes a empurrar com o nariz, e das maçãs, e da farinha?”

“Este ano o pai já prometeu fazer um churrasco, à noite. Com as noites tão agradáveis que temos tido, o céu perfeitamente estrelado, vai ficar lindo!”

“Que bom! Que bom!”

“Agora falta pensar nos santos que queremos representar…”

Silêncio. Todos pensam rapidamente, à volta da mesa de jantar, procurando encontrar um tema diferente do do ano anterior, e que a todos agrade.

“Por que não fazemos a história dos pastorinhos?”

“Eu tinha pensado nisso. Estamos a celebrar o centenário das aparições de Fátima, e acabámos de ler as Memórias da Irmã Lúcia. Faz todo o sentido!”

“Eu vou ser a Jacinta.”

“Boa, Sara! E o António será o Francisco…”

“Eu sou Nossa Senhora! Até sei subir às árvores!”

“Bem… Nossa Senhora desceu sobre uma árvore, sim, mas…”

“Podemos fazer lá fora na oliveira!”

Desde os primeiros séculos que os cristãos têm vindo a cristianizar as festas pagãs. Foi assim com o Natal, a grande festa do solstício do inverno, foi assim com a Páscoa, essa já antes judaizada, também a partir de festividades pagãs da fertilidade ligada à primavera. Mas há uma festa que parece resistir: o Hallowe’en, a festa da morte celebrada pelos celtas desde os tempos antigos. Apesar de a Igreja ter decidido honrar todos os mártires no dia imediatamente a seguir; apesar desta festa se ter depois estendido a todos os santos, não apenas os mártires, e se ter espalhado por toda a cristandade, continua um clima de paganismo à volta da noite de 31 de outubro.

Cá em casa, procuramos manter a tradição cristã de transformar as festas pagãs em momentos fortes de louvor ao Senhor. Assim, há alguns anos que aderimos ao desafio de vários grupos católicos e transformamos a noite de Hallowe’en em noite de Holywins – jogo de palavras engraçado, que se traduz por “A Santidade Vence”. Na noite de Holywins, a 31 de outubro, não vamos brincar às bruxas, mas aos santos! A festa é sempre animada. Se não acreditam, esperem até eu vos contar tudo, depois do dia 1!

Os nossos quatro santos caseiros de 2015!

Os nossos quatro santos caseiros de 2015!

E aí em casa? Também se celebram os santos, nossos companheiros de viagem? Enviem as fotos dos vossos meninos bem caracterizados, que teremos todo o gosto em publicar aqui!

 

 

 

3 Comments

  1. Pilar Pereira

    Não celebramos o Hallowe’en, mas também ainda não celebramos o Holywins…

  2. aldeiasaojoaobatista

    Estava mesmo a precisar deste texto! Tinha algumas dúvidas se faziam a festa de véspera ou só de 1 para 2!!
    Assim, este ano vai ser a nossa primeira “Véspera de Todos os Santos”!

  3. Não sabia sequer da possibilidade deste trocadilho!
    Amanhã é um dia bonito e nostálgico, em que me habituei a visitar o cemitério e a apreciar a beleza da flores de outono, o tremeluzir das luzes… muito antes de ter”mortos” “meus”… acompanhava a minha avó na homenagem distante aos que haviam partido…
    Muito antes deste avassalador e ruidoso espectáculo comercial de velas, lanternas e arranjos florais nos cemitérios e crianças a disparatar nas ruas…
    Amanhã homenagearemos os que souberam amar incondicionalmente e nós sabemos santos e também aqueles que não sabemos serem, mas que estão junto de Nosso Senhor!
    Que Deus nos dê a felicidade de o podermos seguir, a exemplo desta gente que sendo como nós, soube estar próxima Dele!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *