Em Caná da Galileia...


Natal em Fátima – a nossa peregrinação

Sábado foi o dia da nossa peregrinação anual a Fátima que, como vem sendo hábito, acontece no Tempo de Natal. E que dia maravilhoso o nosso!

Deus presenteou-nos com um céu de um azul intenso e um sol quente, tão quente, que muitos meninos passaram o dia de manga curta. Melhor ainda, foi o grupo que se juntou. Cá de casa, faltou-nos a Clarinha, que está por estes dias no Encontro Europeu de Taizé, na Polónia (desde que veio de Taizé, a Clarinha andou a juntar dinheiro e a trabalhar como treinadora de ginástica, para poder realizar este sonho).

De resto, entre inscrições e baixas, não sabíamos bem com quem contar, e estávamos curiosos para ver quem nos traria o Senhor. Que belíssima surpresa! Fomos muitos e, juntos, fomos Famílias de Caná, imprimindo ao dia aquele toque tão característico da simplicidade, da alegria, da generosidade, que já a nossa Carta Fundacional identifica como dons do Espírito ao nosso Movimento.

As meditações do Terço na Capelinha das Aparições, logo pela manhã, pareciam encomendadas por nós. Como nos tocaram! Rezámos ali mesmo por todas as famílias do mundo inteiro, para que se deixem moldar por Deus ao jeito da Família de Nazaré, e rezámos com os mais pequeninos ao colo, a mamar, a brincar, a – também eles – rezar.

Depois, na Eucaristia, celebrámos e louvámos os pequenos Santos Inocentes que, sem o saberem, deram a vida por Jesus. Que honra dolorosa a deles! As lágrimas inundaram-me os olhos, como sempre que escuto este poderoso Evangelho, especialmente porque aos meus pés, por entre os bancos, o Daniel brincava alegremente…

No final da Eucaristia, houve a bênção das crianças, e o senhor padre chamou-as a todas para junto do altar. Que alegria, para as crianças de Caná!

Saímos da Basílica em festa, e o percurso até às mesas do piquenique foi o tempo de que precisávamos para reatar conversas, estabelecer amizades, apresentarmo-nos uns aos outros. Alguns já se conheciam da “caixa de comentários” deste site, alguns vinham pela primeira vez. E outros, como nós, estávamos ali desde o início 🙂

Visitámos os túmulos dos Pastorinhos, pedindo-lhes oração pelas nossas crianças. Depois passámos alguns momentos à procura de várias delas, vindo a descobrir que tinham decidido subir a algumas árvores. Nós à sua procura com os olhos no chão, por serem baixinhas, e elas a olharem-nos de cima para baixo…

O piquenique foi o colocar em comum de alimentos, mas sobretudo, de tudo o que somos. Fizemos grupo, fomos família de famílias. E o sol sempre do nosso lado!

Por fim, e depois de um belo café, iniciámos a nossa Via Stellae. O Caminho dos Pastorinhos, nesta altura do ano, é todo nosso, e as crianças podem correr para a frente e para trás sem que nos tenhamos de preocupar (embora, claro, saibamos pelos Evangelhos que até os filhos únicos podem desaparecer no meio destas caravanas familiares!).

As crianças não se limitaram a correr: naquela tarde de sábado, solarenta e agradável, o Caminho dos Pastorinhos foi atravessado por patins, trotinetes, bicicletas, e muitos saltinhos de alegria.

Algumas meninas estavam determinadas a colocar um molho de flores – ou, à sua falta, de ervas – em cada estação. E cumpriram!

Outros preferiram trepar a todas as árvores que encontraram pelo caminho. Estou convencida de que não deixaram escapar nenhuma!

Mas não houve ninguém – grande ou pequeno – que não tivesse feito a sua oração e contemplado o mistério do Natal. A começar pelo pequeno Henrique, que sentado na sua cadeirinha, insistia em rezar a Avé-Maria mesmo quando já todos achávamos que já tínhamos rezado suficientes!

De estação em estação, por entre cantos, Pai-Nossos e Avé-Marias, foi verdadeiramente Natal.

Junto à imagem de Maria, que marca a aparição de agosto nos Valinhos, ajoelhámos e fizemos silêncio. E rezámos a consagração à Mãe de Caná, pedindo com fé que não deixe acabar o Vinho Melhor em nossa casa…

Terminámos, a cantar, a rezar e a louvar, na capela no cimo da colina. Aí também conversámos um bocadinho sobre o caminho que acabávamos de fazer, enquanto os mais novos subiram a mais umas árvores, o Joaquim mamou mais um pouco, e outros mordiscaram umas bolachas.

Num dos momentos iniciais do nosso caminho, houve algo que nos marcou a todos profundamente: em sentido contrário, veio ao nosso encontro uma jovem, que de repente, para minha grande surpresa, exclamou: “Teresa Power!” E se lançou nos meus braços. Fiquei sem palavras: quem seria? Sorri desajeitadamente, mas ela apressou-se a explicar: “Eu sei que a Teresa não sabe quem eu sou… Mas eu sei quem a Teresa é! Acabei de comprar a Via Stellae” – mostrou-me o livro – “e decidi vir fazê-la aqui no Caminho… E agora, que acabei, encontro a autora! Estou emocionada… ” E a limpar as lágrimas, afastou-se a rir de felicidade.

Que detalhe tão bonito nos ofereceu o Senhor neste encontro feliz! A Via Stellae vai-se tornando caminho, caminho de conversão e de encontro, e eu, desajeitadamente, chego-me para o lado para fazer espaço para o Senhor.

A nossa peregrinação está quase, quase a terminar. Ainda falta, como já é tradição (é giro, isto de falar em tradição em relação a um movimento tão jovem), a brincadeira na Loca do Anjo, à semelhança do que faziam as cabritas e os três pastorinhos há cem anos atrás. E depois, a visita às suas casas, tão simples e tão humildes, onde todos os anos relembramos o valor do que é pequenino.

Terminamos, como sempre, junto ao poço da Irmã Lúcia, com cantos e em oração.

E a partir daí, começa o também já tradicional jogo do “o último a ir embora ganha” 🙂

Deixamo-vos com todas as fotos que conseguimos juntar deste dia de Natal, o Natal das Famílias de Caná, ali na terra dos pastores – os primeiros a visitar Jesus… E fica o desafio para que, para o ano, se juntem a nós!

Ou então – ainda melhor – porque não já no próximo dia 12, no retiro que vamos ter aqui no santuário? Em breve, abrimos inscrições!

A todos – e este “todos” vai até à Polónia, à nossa Clara – continuação de um Santo, Santo Natal!

6 Comments

  1. Bom dia!

    Como são belos os pés que anunciam a Paz, ecoou em mim enquanto lia… que desta jornada decorra o embelezamento dos pés que saltam e pulam e também dos que se arrastam… Que do nosso viver decorra que somos de Cristo…

    Que Paz esteja connosco, que sejamos seus anunciadores e fazedores, nestes tempos competitivos que se adivinham.
    Que este Natal nos construa e fortaleça!
    Um bom ano, beijinhos

  2. Sónia Clara Santos

    E que bom que foi!!!
    E que maravilhoso que foi!!!
    E que alegria ver homens de família a dobrar os joelhos e a dar o exemplo de abandono a Cristo aos seus filhos.
    E que alegria os nossos filhos terem tantos tios, tias e padrinhos na fé.
    E que bom ter amigas que são irmãs.
    Deus é muito bom!!! Sejamos nós capazes de levar o fogo do seu amor e incendiar outras famílias! Beijinhos grandes a todos irmãos

  3. “o senhor padre disse o nosso nome” comentava a Maria no fim da missa, pois disse, chamou-nos por este nome que nos faz família de familias:
    “aproveito para saudar de forma especial as famílias de Caná aqui presentes em peregrinação”
    E foi assim que nos sentimos, em casa, em família, entre abraços apertados e conversas profundas, entre sorrisos e uma ou outra lágrima contida, entre partilhas e histórias engraçadas. Sim foi tão, mas tão bom!

  4. Bela reportagem Teresa! Para o ano espero que possamos estar juntos em Fátima! Beijinhos

  5. Catarina Ramos Tomás

    “imprimindo ao dia aquele toque tão característico da simplicidade, da alegria, da generosidade”.
    Não posso nunca deixar de sentir que é simples estar no Senhor com as Famílias de Caná. Alegra-me ver como o meu pequeno Tiago ajoelha rezando…
    Deixem-me partilhar convosco algo que certamente só aconteceu no meu dia, pois foi-me segredado ao ouvido quando o terço terminou.
    Logo uma Irmã se aproximou e me deu os parabéns pela família que eu tinha e me disse que iria rezar para que o Senhor me desse um filho sacerdote.
    O meu coração encheu-se de alegria e logo a minha cabeça pensou
    “Que raio, com tantas famílias completas e “direitinhas” aqui, com tantos rapazes bem comportados, logo tinha que me calhar a mim”.
    🤪 Peço-vos o mesmo que pedi à Irmã, que rezemos muito.😁 Até ao retiro de fevereiro!

  6. Maria José Duque

    Que reportagem maravilhosa!
    Fico feliz que o Senhor vos tenha presenteado com um dia tão bonito! Coragem, fé, paz, amor e alegria neste ano ainda tão pequenino.
    Obrigada pela partilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *