Em Caná da Galileia...


O Terço diário, Fátima e as Famílias de Caná

Fátima tem agora um Terço gigante suspenso, diante da Basílica da Santíssima Trindade. Já ouvi todo o tipo de comentários sobre este Terço. Para uns, é lindíssimo, para outros, uma aberração. Em arte, cada um pode ter a sua opinião e todos sabemos que gostos não se discutem.

Mas o Terço, em Fátima, não é arte. O Terço pertence ao centro da mensagem de Fátima, por muitas voltas que queiramos dar a esta mensagem. Vamos aprofundando as palavras e as visões oferecidas por Nossa Senhora, vamos tomando consciência de tudo quanto Maria nos quis e quer transmitir, e ainda bem. Mas não temos como fugir ao seu pedido muito claro e muito concreto: “Rezem o Terço todos os dias”. Pedido que Maria repetiu em cada aparição, até finalmente Se apresentar como a Senhora do Rosário.

Por que terá Maria pedido especificamente a oração do Terço? Parece que a Irmã Lúcia foi bombardeada com esta pergunta. Depois de responder individualmente muitas e muitas vezes, na sua correspondência infinita, decidiu responder no seu livro Apelos da Mensagem de Fátima, de uma só vez. E respondeu assim:

Qual terá sido o motivo por que Nossa Senhora nos mandou rezar o Terço todos os dias, e não mandou ir todos os dias assistir e tomar parte na Santa Missa? Certeza absoluta do porquê não a tenho, porque Nossa Senhora não o explicou e a mim também não me ocorreu de Lho perguntar. Digo, por isso, simplesmente o que me parece e me é dado compreender a este respeito (…) Ora se Deus nos tivesse pedido para irmos todos os dias participar e comungar na Santa Missa, por certo haveria muitos a dizerem, com justo motivo, que não lhes era possível. Uns, por causa da distância que os separa da igreja, outros porque não lho permitem as suas ocupações, etc. Ao contrário, a oração do Terço é acessível a todos, pobres e ricos, sábios e ignorantes, grandes e pequenos.

 

Interrompo aqui o pensamento da Irmã Lúcia, que continua por mais duas páginas cheias de ensinamentos, porque já temos matéria de reflexão suficiente. De facto, para a Irmã Lúcia, não havia qualquer dúvida de que todas as pessoas têm tempo para rezar o Terço. Para a Irmã Lúcia, também não havia qualquer dúvida de que o Terço é acessível a todos, pobres e ricos, sábios e ignorantes, grandes e pequenos.

Perante estas certezas da Irmã Lúcia – e que eu partilho em absoluto – pergunto-me por que razão a oração do Terço, mesmo em Ano Centenário, está ausente de muitas peregrinações oficiais e particulares feitas ao Santuário de Fátima.  Os acólitos da nossa paróquia foram à peregrinação nacional de acólitos, e acabaram por rezar o Terço sozinhos no seu pequeno grupo, graças à iniciativa da Lena Barros LeBlanc, nossa querida mãe de Família de Caná, como ela contou no seu blogue; a pequena Lúcia foi na peregrinação nacional de EMRC, e não rezou o Terço em nenhum momento do dia, desde o autocarro ao encontro na Cova da Iria; e assim por diante…

Durante algumas décadas, convenceram-nos de que a oração do Terço, ao contrário do que a Irmã Lúcia diz, é difícil, monótona e longa, exigindo conhecimentos e tempo. E nós acreditámos. Neste Ano Centenário, enquanto as bolas luminosas da Suspensão refulgem sobre nós, somos chamados a desafiar-nos e desafiar aqueles que nos foram confiados a acreditar que, para rezar o Terço todos os dias, não precisamos de quase nada; basta-nos amor.

“Teresa, não conheces a minha vida, para ti talvez seja fácil, mas eu não tenho mesmo forma de rezar o Terço todos os dias.”

A sério? Nem um único Mistério do Terço em família, de manhã ou à noite? E os restantes quatro Mistérios nas várias viagens de carro, individualmente?

Cá em casa, e em casa das Famílias de Caná que, este próximo sábado, se vão comprometer, falta tempo para muita coisa que outros consideram essenciais. Por causa dessa falta de tempo, não raro somos criticados. Os pormenores ficam para a eternidade… Mas não nos falta tempo para rezar o Terço.

Podemos ser santos sem rezar o Terço todos os dias? Claro que sim, graças a Deus! Podemos ser Família de Caná sem rezar, pelo menos, um Mistério do Terço em família (ou em seu nome, os casos em que se vive sozinho), todos os dias? Não.

O dia do compromisso aproxima-se, e queremos aqui no Santuário a casa cheia, com todos os leitores deste site, todos os amigos, todos os amigos dos amigos, todas as Famílias de Caná, comprometidas ou (ainda) não. Estamos em pleno Ano Centenário… Não estará na hora de dar um bocadinho mais à Mãe que nos visitou em 1917, e que nunca, nunca deixa de nos visitar e auxiliar em nossas casas, impedindo que o Vinho acabe?

Será assim tão difícil dar-Lhe esse gosto e… rezar o Terço todos os dias?…

 

 

 

4 Comments

  1. Helena Isabel Barros Le Blanc

    Teresa

    Bastam 15 minutos para se rezar o terço.
    E existem diversas aplicações para o telemóvel que nos ajudam a rezar, fazendo a segunda voz!
    15 minutos do nosso tempo diário…

    Parece ser difícil, mas como tantas outras coisas, basta começar.

    Bjs

  2. De facto rezar o terço parece mesmo difícil, ainda me recordo do primeiro retiro… nenhuma das minhas filhas rezara o terço, eu só o tinha feito algumas (poucas) vezes, o Álvaro então… não sabíamos os mistérios, não sabíamos como fazer. Mas, foi-nos distribuída uma pequena folha com algumas indicações e nos dias seguintes fomos à Internet em busca dos vários mistérios ilustrados e colocámos numas micas, com os dias escritos na parte de trás. Não rezámos logo o terço inteiro porque demorávamos algum tempo nos “preparativos” e queríamos fazer tudo bem, mas com o tempo aprendemos a ser mais espontâneos. Agora conseguimos alguma rotina (uns dias rezamos no carro, outros em casa) e até a Margarida e a Maria orientam cada mistério. Quando rezamos o terço, hoje em dia, não é um momento solene cheio de silêncio, é apenas um momento de fé e confiança, simplicidade e de união da família.
    Mesmo parecendo difícil, basta começar… um bocadinho de cada vez!

  3. Relativamente ao terço, ainda não o rezamos em família todos os dias… Rezamos todos juntos ao sábado e, nos restantes dias, apenas em casal (foi difícil introduzirmos constância nesta oração, ao início).
    Relativamente a estar presente no dia 3, já sei com certeza que não vou (vamos) estar presente(s), com muita pena minha. Não basta eu querer…

  4. O terço… grande mistério esse o da Senhora nos pedir que assim falemos como Seu Filho… Nós rezamos, cá em casa, esta oração diariamente, se calhar nem sempre a oramos, mas rezamos, e assim de certeza que a Vida do Senhor é pensada e visitada pelo menos naqueles bocadinhos em que dizemos os Mistérios.
    Em religião nem tudo é inteligível e obdecer com Amor em coisas tão simples poderá ajudar-nos… para mim o Terço é um Mistério… que cumpro, por Amor…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *