Em Caná da Galileia...


O teu superior

“Mãe, esta funcionária tratou-me como uma princesa agora, diante de ti, mas outro dia, quando aqui vim sozinha e ela não me reconheceu como tua filha, não foi a mesma coisa, nem sequer parecido…”

A Clarinha e eu acabávamos de sair da escola que ambas frequentamos – ela como aluna do 11º ano, eu como professora.

“A sério?” Perguntei-lhe, admirada. “Costuma ser tão simpática comigo! Não imaginei que com os alunos não fosse assim também.”

“Não, não é. Está sempre de mau humor. O que vale é que a grande maioria dos funcionários não é assim. Geralmente são muito nossos amigos!” Concluiu a Clarinha. Mas à noite voltou a referir-se ao episódio e à diferença óbvia de tratamento que presenciara.

Lembrei-me de uma passagem de S. Paulo, que costumo usar no meu exame de consciência desde há uns tempos para cá. Diz assim:

Considerai os outros como superiores a vós próprios. (Fl 2, 3)

Superiores a mim? O aluno mal-criado, o funcionário mal-humorado, o pedinte que bate à porta? O colega irritante, o condutor do carro à frente do meu, o vizinho barulhento?

Penso no exemplo que a Clarinha me ofereceu, e como a funcionária da minha escola a tratou como superior a partir do momento em que percebeu que ela era filha de uma professora… Cada pessoa com quem eu me cruzo durante o dia é filha de Alguém bem mais importante: é filha de Deus.

Acreditamos verdadeiramente nisto?…

3 Comments

  1. Parece-me que é uma pergunta que deveríamos colocar-nos com mais frequência.

  2. Sónia Alexandrina Santos

    E quando a negamos (a filiação divina), qual Cristo crucificado…
    São Paulo e a sua clareza acutilante, sou interpelada por esta óbvia (e tão exigente) virtude cristã há muito tempo, a convivência com as Criaditas dos Pobres há uns anos, mais mo incitaram. Tenho pena pela fácil credibilidade atribuida ou bajulação aos “filhos de”, ou aos prefixos, ou aos cargos. Enfim… Há quem se encante logo à/com a superfície.

  3. Sónia Alexandrina Santos

    Melhor dito: há quem se encante e desencante logo à/com a superfície. Não é Clarinha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *