Em Caná da Galileia...


Pão do Céu

A Lúcia vai fazer a Primeira Comunhão no próximo domingo, dia 7. Há anos que ela sonha com o dia em que será admitida à mesa de Deus. Com que alegria ela anseia por este alimento de vida eterna! Nestes dias mais próximos, fazemos em casa uma catequese mais intensa de preparação, durante a oração familiar. A Lúcia vai dando saltinhos de pura alegria.

Entretanto, Jesus deu-nos uma grande ajuda, nesta nossa preparação. Não sei se já repararam: sexta-feira passada, nas leituras da missa diária, começámos a ler o capítulo seis do Evangelho de S. João, e só concluiremos a leitura neste sábado. Ora este capítulo inicia-se com a multiplicação dos pães e dos peixes e prolonga-se no chamado “Discurso do Pão da Vida”… Não há capítulo mais apropriado para quem se prepara intensivamente para a Primeira Comunhão!

Assim, ao longo dos dias, temos vindo a meditar nesta maravilha que é podermos comer o Corpo de Jesus, alimentando-nos do próprio Deus, a fim de não vivermos apenas alguns anos, mas por toda a eternidade.

“Deve ter sido muito difícil para os discípulos escutar estas palavras!” Concluiu a Clarinha. “Imagina alguém chegar ao pé de ti e dizer-te que tinhas de comê-lo para teres a vida eterna! Jesus devia saber que ninguém iria acreditar!”

“E o interessante é que, mesmo vendo os discípulos a ir embora, Jesus não mudou uma vírgula ao seu discurso. Pelo contrário, em tom provocador, perguntou aos doze:

E vós, também quereis ir embora? (Jo 6, 67)

“Hoje, acontece a mesma coisa. Porque se as pessoas soubessem o que é realmente a Eucaristia, teríamos a PSP todos os domingos às portas das igrejas, a controlar o trânsito. Era o que dizia o Padre Pio!”

“Estamos tão acostumados a esta linguagem – o meu Corpo, o Pão da Vida – que nem nos apercebemos do verdadeiro dom de Jesus…”

A par do Evangelho, vamos contando as histórias dos santos, em especial, nestes dias, dos três pastorinhos de Fátima. A Lúcia ficou extasiada com o relato que a Irmã Lúcia faz, nas Memórias, da sua Primeira Comunhão, com apenas seis anos:

Começou a missa cantada e à maneira que o momento se aproximava, o coração batia mais apressado, na expetativa da visita dum grande Deus que ia descer do Céu para Se unir à minha pobre alma. O Senhor Prior desceu por entre as filas a distribuir o Pão dos Anjos. Tive a sorte de ser a primeira. Quando o Sacerdote descia os degraus do altar, o coração parecia querer sair-me do peito. Mas logo que pousou em meus lábios a Hóstia Divina, senti uma serenidade e uma paz inalterável, senti que me invadia uma atmosfera tão sobrenatural, que a presença do nosso bom Deus se me tornava tão sensível, como se O visse e ouvisse com os sentidos corporais. Dirigi-Lhe então as minhas súplicas: «Senhor, fazei-me uma santa, guardai o meu coração sempre puro, para Ti só.» Aqui, pareceu-me que o nosso bom Deus me disse, no fundo do meu coração, estas distintas palavras: «A graça que hoje te é concedida permanecerá viva em tua alma, produzindo frutos de vida eterna.» Sentia-me de tal forma transformada em Deus! (p. 72)

Pedir a santidade, em ação de graças pelo dom recebido, eis a oração que também aqui em casa rezamos quando recebemos Jesus. “Jesus, faz-me santo, faz-me santa!” Dizemos. Chegou a vez da Lúcia… Como os pastorinhos, também ela anseia por agradecer ao Senhor da forma que Ele mais gosta: fazendo-se santa.

Rezem connosco, pela nossa Lúcia e por todas as crianças que, por estes dias, recebem Jesus no seu coração…

S. Francisco, Santa Jacinta e Irmã Lúcia de Fátima, rogai por nós! Ámen!

 

 

 

 

One Comment

  1. E uma bencao e uma alegria quando recebemos jesus.que lindo testemunho de humildade de uma crianca e de um grande respeito e amor a deus. Deus vos continue a dar as gracas que merecem,cada vez mais adoro o vosso testemunho de fe e esperanca num mundo tao sofrido.bem haja familia power e a todos que fazem parte deste movimento.bem haja

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *