Em Caná da Galileia...


Propósitos de Ano Novo

365 páginas em branco diante de nós. Mais uma oportunidade – não, mais 365 oportunidades – para recomeçar! De facto, Deus não Se cansa de nos dar novas oportunidades… Setembro, com o início do ano escolar; dezembro, com o início do Advento; agora, janeiro, com o início do ano civil; e sempre, cada dia da nossa vida. Não temos por que nos queixar!

Uma das minhas sensações favoritas é aquela que experimento quando saio do confessionário e deixo o passado para trás, mesmo aquele passado de apenas alguns segundos, quando dei um grito despropositado ou quando murmurei contra alguém, quando não soube prestar um serviço ao meu próximo ou quando me lamuriei, pequenos pecados que nos separam da pura felicidade. E todos eles morrem dentro do confessionário. Que alegria, ao sair!

Assim com o novo ano que começa. É hora de esquecer o que fica para trás e avançar para a frente, decidido a vencer, não pela nossa força, mas pela graça de Deus – Nós, Jesus!

São horas de fazer alguns propósitos. Talvez alguns de nós precisem de grandes propósitos, e há alturas na vida em que eles fazem todo o sentido. Mas todos nós, quer precisemos dos grandes propósitos ou não, precisamos dos pequenos. Porque é de pequenas coisas que a vida é feita. Proponho alguns muito, muito simples:

1º Sorrir sempre. Ou quase, quase sempre… O sorriso ilumina o mundo e a vida.

2º Ser pontual. Sem desculpas. Sem exceções. Não custa, quando nos habituamos, e damos aos outros sinal de que eles importam. A nossa cultura portuguesa não valoriza suficientemente a pontualidade, e habituámo-nos à doutrina do “quarto de hora académico”. Até à missa chegamos atrasados, e sempre com uma ótima desculpa! Este ano, façamos o propósito, tão evidente noutras culturas, e tão simples quando nos habituamos a ele.

3º Desligar a televisão quando não estamos a ver nenhum programa. Recusar, de uma vez por todas, a ter a televisão como companheira da solidão ou ama de crianças. Utilizar o botão de ligar / desligar para tomar decisões conscientes.

4º Levantar cedo e deitar a horas razoáveis. A ordem exterior é a estrutura que suporta a ordem interior.

5º Brincar todos os dias um bocadinho.

6º Falar bem de alguém todos os dias. Calar, se não houver bem a dizer. E nunca se queixar.

7º Dizer “obrigado, com licença, desculpa”, todos os dias. Como sugere o Papa.

8º Fazer uma pequena renúncia cada dia, e oferecê-la ao Senhor.

9º Ter um pequeno prazer também cada dia, e agradecê-lo ao Senhor.

10º Rezar todos os dias, sem exceção. E nunca, mesmo nunca, nunca, nunca, faltar à missa dominical. Não temos qualquer tipo de desculpa (exceto, claro, em caso de doença), vivendo em Portugal. Em muitos países do mundo, há cristãos a arriscar a vida ou a caminhar horas e horas para ir à igreja ao domingo. E vão. Não nos enganemos a nós próprios, aceitando desculpas – sociais, familiares, de tempo ou de programa – para faltar ao ato mais importante da nossa vida.

São simples, estes gestos? Certamente. Mas quem disse que a santidade era complicada?

Feliz 2017 para todos, sob a proteção de Santa Maria, Mãe de Deus! Ámen!

Nossa Senhora do Rosário, Sameiro

2 Comments

  1. Pilar Pereira

    Que propósitos tão simples e tão grandes! Tenho de tomar alguns deles como meus…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *