Em Caná da Galileia...


S. José em Caná

Não, não descobri nenhum texto apócrifo que fale de S. José em Caná da Galileia… Não, S. José não esteve, quase de certeza, nas Bodas de Caná. Diz a Tradição que S. José morreu nos braços de Jesus e Maria, pouco antes de Jesus dar início à sua vida pública. Deus conduziu S. José de renúncia em renúncia, e S. José renunciou até a ver a fama de Jesus… Mas depois de Maria, sua esposa, não há no Céu santo maior do que S. José. Nem S. Pedro e S. Paulo, que hoje celebramos, o ultrapassam em glória.

No primeiro retiro que nos pregou, o senhor bispo D. António Moiteiro falou-nos da sua vontade de ver no Movimento referência a S. José. Eu também sentia a falta desta referência, pois estou convicta de que S. José é um santo muito maior do que nós imaginamos, e a sua hora ainda não chegou por completo à Igreja. Um Movimento familiar precisa da figura masculina do pai adotivo de Jesus, ao lado da figura da Mãe. Mas… Eu não posso alterar o Evangelho! E as Bodas de Caná acontecem sem que José esteja presente.

No retiro de preparação para o compromisso, na manhã do dia 3, o senhor bispo voltou a falar em S. José, repetindo que gostava muito de o ver mencionado nas nossas orações. E de repente, enquanto escutava o senhor bispo falar, ocorreu-me a solução. Como nunca me lembrara disso antes? Mas é claro! Logo que o ensinamento acabou, fui ter com o senhor bispo e contei-lhe a minha intuição. O senhor bispo concordou. Entretanto, falei com o senhor padre Taveira e com o senhor padre José Fernandes, que prontamente concordaram alterar a tábua da nossa Consagração no Canto de Caná. A nova tábua chegou a semana passada… Ora vejam se concordam também:

O “sim” de Maria precisou do “sim” de José. Foi este “sim” generoso, radical e absoluto que fez de ambos, e não só de Maria, servos do Senhor. Afinal, em virtude do sacramento do Matrimónio, que Maria e José anteciparam na sua vida santa, os dois formaram uma só carne, não do ponto de vista físico, mas espiritual. A Sagrada Família foi, na Terra, a imagem e semelhança perfeitas da Santíssima Trindade… Mistérios que nunca abarcaremos totalmente.

E é este “sim” feito de renúncia, de generosidade, de humildade, de amor, que cada um de nós quer imitar. Por isso, a partir de hoje – primeiro aniversário da Aprovação do Movimento Famílias de Caná – vamos juntos concluir a nossa Consagração diária com estas belas palavras:

Faz de nós servos do Senhor, como tu e José, teu esposo, e ensina-nos a fazer tudo o que Jesus nos disser!

Não há nenhuma palavra nesta oração de consagração que seja por acaso, que não tenha força do Espírito. Tenho a certeza interior de que a referência a S. José, saboreada, meditada, querida, irá dar frutos abundantes na vida de cada família que assim rezar.

Logo que tenha tempo, alterarei também a Consagração na nossa Carta Fundacional e faremos novas pagelas e novos desdobráveis, com a imagem da Mãe de Caná e do Canto de Caná.

S. Pedro, S. Paulo e S. José, rogai por nós! Ámen.

8 Comments

  1. Helena Atalaia

    Que bom! A consagração está linda e bem a propósito 😃
    Bjs

  2. Não sei se é o frio que se faz sentir aqui em Aveiro hoje, ou se é de emoção, que é um sentimento que conheço pouco, confesso, mas este post deu me “pele de frango” (é assim que vocês dizem?) São José, rogai pelas Famílias de Caná

    • Galinha, Niall, galinha, mas como tu agora acabaste com o galinheiro… 🙂
      Sim, S. José vai ter um papel determinante no Movimento, como tanto temos conversado… S. José, rogai por nós!

  3. Lindos! Fizeram-me rir e sorrir!!
    Sem dúvida que a referência a S. José vem enriquecer a nossa consagração. Vamos atualizar-nos! Bjs

  4. Conceição Simões

    Cresci com o meu avô paterno muito devoto de SºJosé . Tenho uma devoção muito grande por ele.
    Agora a Família esta completa na nossa Consagração.
    Beijos

  5. João Miranda Santos

    Tenho a certeza que São José não estava nada chateado por não ser mencionado na nossa consagração. Afinal de contas é a característica que melhor conhecemos dele é a discrição, a capacidade para ficar humildemente em segundo plano. Mas, por isso mesmo, eu como pai de família quero que ele me ensine a ser exactamente assim desse modo servo do Senhor. Para que da minha família seja essencialmente visível aquilo que os meus filhos encarnarem de Deus. São José, faz de mim servo do Senhor como tu!

  6. Ines Miranda Santos

    Pedindo licença a S. Francisco Marto, adopto para S. José o seu adjectivo eucarístico: escondido. S. José é o Sim escondido sem o qual a encarnação não tinha sido possível. O exemplo e inspiração do casal José e Maria começa ainda durante o namoro, durante o período de perspectivação do chamamento ao matrimónio e família. É o encontrar a pessoa com quem é possível, mais do que encontrar a pessoa certa ou ideal. É a união de 2 Sims que só se concretizam quando a revelação e o chamamento se encontram no tempo e no espaço (actualmente facilitado pelo espaço cibernético). José e Maria fazem muito bem ao namoro afim de se discernir o próximo passo, seja ele o matrimónio ou a ruptura.

  7. S. José, rogai por nós.
    Ele olha de modo muito particular pelas famílias! E por nós intercede a Deus Nosso Senhor!
    Está muito bem!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *