Em Caná da Galileia...


Serão Bíblico

A Palavra de Deus ocupa um lugar central no Movimento das Famílias de Caná. Todos os dias, sem exceção, as Famílias de Caná meditam alguma passagem das Escrituras, em especial as leituras da missa do dia, e contam aos mais novos as histórias sagradas. A Palavra tem sido, para nós, fonte de diálogos, de jogos, de brincadeiras, de confidências, de teatros, de declamações.

Foi assim que surgiu a ideia: e se no Acampamento dedicássemos um serão inteiro à Palavra? Chamámos-lhe Serão Bíblico, e desafiámos as famílias a preparar a sua participação no evento. Com que alegria e entusiasmo todos o fizeram!

O Serão Bíblico aconteceu no sábado, depois de um dia intenso, com missa, adoração, Via-Sacra no Bussaco, bicicletada, churrasco, confissões e Oração de Louvor e Terço no Canto de Caná. Será que as crianças iriam ter energia para um serão longo e preenchido?

Não há como descrever o ambiente de alegria, paz, diversão e espiritualidade que se viveu naquele serão. Ninguém dava mostras de cansaço, e até as crianças mais pequeninas estavam atentas. A Palavra de Deus está cheia de novidade, e se lhe quisermos emprestar a nossa criatividade, somos capazes de maravilhas. Ora vejam as caras de felicidade e de atenção das famílias enquanto assistiam à apresentação dos outros:

A Família Batista contou-nos a história de S. Paulo, iluminando com lanternas o caminho por ele percorrido até chegar a cada uma das nossas casas:

A Família Atalaia contou-nos a história dos três jovens na fogueira de Nabucodonosor, do Livro de Daniel, através de um magnífico teatro de sombras, que a todos encantou e manteve desperta a atenção até dos bebés:

A Família Silva Teles preferiu falar da sua própria vivência das Escrituras, desde que conheceu o Movimento até hoje, numa seleção de versículos bíblicos, enquanto ia acendendo velinhas, treze, tantas quantas as tendas ali montadas. No fim, conseguimos ler a palavra .

A Família Anselmo escolheu a história de Marta e Maria, irmãs de Lázaro. Que jeito para a representação!

A Família Le Blanc tem uma forma única, muito original de contar histórias: a mãe constrói uns colares de contas, estilo terços, mas todas de diferentes tamanhos, formas e cores, e passando-as por entre os dedos, vai conduzindo a narrativa. Com que entusiasmo o pequeno Xavier seguia as contas e repetia a história! A história da Arca de Noé teve direito a contas das sete cores do arco-íris, e a história da Tempestade Acalmada continha belas contas azuis… Nos próximos dias, a Lena partilhará aqui em Manualidades esta sua arte!

Com a Família Santos, já quase chorávamos de tanto rir. Aquela família com quatro filhos tão pequeninos resolveu contar uma das histórias mais difíceis de interpretar das Escrituras, certamente pelo desafio que experimentaram quando, há poucas semanas, ela nos foi proposta pelas leituras da missa diária: a história da bênção que Jacob roubou a Esaú. Podem lê-la em Gen 27.

Assim, o pai Isaac, velho e cego, deitou-se no seu “leito” e chamou o filho Esaú, pedindo-lhe que fosse caçar e lhe trouxesse um prato bem cozinhado, para depois o abençoar:

Rebeca, escutando a conversa, chamou o filho mais novo, Jacob, e deu-lhe instruções para ir ao rebanho e trazer um cabrito bem tenrinho, para cozinhar antes que Esaú voltasse.

Ora reparem no cabritinho de oito meses que o filho foi encontrar! Digam lá se não dá vontade de o comer?!

Vestido com as roupas de Esaú, Jacob apresenta-se ao pai…

…que, cego, o confunde com Esaú e lhe dá a sua bênção:

Agora, cada família que explique aos seus o sentido da manha de Rebeca 😉

A Família Almeida desafiou-nos a fazer Charadas Bíblicas: cada família retirou de um saquinho um cartão, com a indicação de uma passagem bíblica, e depois, à vez, representou em poucos segundos essa mesma passagem para que os outros adivinhassem. É uma bela forma de brincar com a Palavra! Naquele ponto do serão, o entusiasmo era tão contagioso, e a criatividade estava tão desperta, que já ninguém se mantinha sério. Era ver os Silva Teles de lanternas sobre as cabeças simbolizando o Espírito Santo a descer no dia de Pentecostes, ou a Família Costa a abrir o Mar Vermelho!

Finalmente, e já em tom de meditação final, a nossa família e os amigos que trazíamos à nossa responsabilidade – a Sofia Portela, a Raquel e o André Silva – representámos a parábola do Bom Samaritano:

Ninguém que ali tenha estado irá alguma vez esquecer este Serão Bíblico. Que este tempo de alegria à volta da Palavra possa acontecer também em nossas casas, em altura de férias! E que a Palavra seja verdadeiramente a Luz dos nossos passos! Ámen.

3 Comments

  1. Gostei imenso e acho que algumas pessoas aí deviam considerar seriamente a possibilidade de seguir uma carreira de actor, ou, no meu próprio caso, palhaço.

  2. João Miranda Santos

    Folgamos em saber que conseguimos fazer rir assim os restantes! Foi sem dúvida um serão muito rico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *