Em Caná da Galileia...


Uma grande claque, no Céu e na Terra

O Daniel tem treze meses e começa agora a dar os seus primeiros passos. Num destes dias, quando o fui buscar à creche, a auxiliar que cuida dele comentou comigo:

“O Daniel é tão engraçado! Assim que se põe de pé sozinho ou que dá um passinho sem apoio, imediatamente bate palmas a si próprio. Tão engraçado!”

Eu ri-me, e tratei de explicar… É que cá em casa, a claque é assim:

Quem não se sente encorajado, com tamanha animação à sua volta?

Penso na alegria dos simples e dos pobres, aqueles que se aglomeravam à porta da casa de Pedro para que Jesus os tocasse e os mandasse de volta às suas casas, curados das suas doenças. Que grande animação, quando Jesus passava pelas praças e ruas de cada terra! Bem diz Isaías:

Fortalecei as mãos débeis, robustecei os joelhos vacilantes. Dizei aos que têm o coração pusilânime: Tomai ânimo, não temais! Eis o vosso Deus, que vem para vos salvar! Ele vem em pessoa retribuir-vos e salvar-vos! Então se abrirão os olhos do cego, os ouvidos do surdo ficarão a ouvir, o coxo saltará como um veado, e a língua do mudo dará gritos de alegria. (Is 35, 3-6)

Nesta semana, recebemos na Rede de Oração um pedido: “Por uma família que quer aprender a rezar em família.” O pedido de oração agradou-nos, e de imediato oferecemos o nosso terço por esta família a aprender. Palmas para ela! Que uma grande claque se forme entre as Famílias de Caná! Porque quando assim nos alegramos, imitamos os anjos de Deus e a grande claque celeste:

Há mais alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se arrependa… (Lc 15, 10)

Passo a passo, às vezes vacilantes, às vezes fortalecidos, vamos fazendo caminho. Deus não Se importa com os nossos sucessos. A Ele – e a todo o Céu – conta apenas a sinceridade do nosso esforço. Porque de um dia para o outro, tem poder para nos fazer “saltar como o veado”. Que nas nossas casas, sejamos capazes de imitar os anjos do Céu, fazendo festa uns com os outros, marido e mulher, irmãos entre si, filhos e pais, ajudando-nos uns aos outros e aplaudindo os esforços de cada um, por mais insignificantes que nos pareçam…

5 Comments

  1. Catarina Silva

    Que grande claque mesmo!
    Com uma claque dessas, ninguém desiste!
    Esse bebé está 🔝
    O que eu já me ri com ele!

  2. Licínia Maria

    Parabéns, Daniel, e dá sempre força à tua claque. És lindo, lindo!!!!!!
    E como é preciso que cada família seja uma claque !!!! Sem rancores e com a liberdade a que cada um tem direito (sem magoar o outro).
    Obrigada a todos por vos ter encontrado no meu caminho.

  3. Ahahahahah!!! LINDO!!!!! 😀 Muito obrigada pela partilha desse momento tão delicioso!!!
    Beijinhos!

  4. Looool muito bom, muito bom!! Até eu dei um salto do sofá para aplaudir..ahah a alegria contagia quando é assim sincera e espontânea! Ver a família como uma claque é realmente uma perspectiva muito boa e realista. Que bom seria se todas as famílias se sentissem assim, parte da mesma equipa, da mesma claque, das mesmas conquistas! 🙂
    Obrigada Teresa por esta simplicidade!
    No próximo retiro quero ver quem pára o Daniel 😛 vai correr mais que todos nós! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *