Domingo IV do Advento, ano B

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga TOMA O MEU NADA, DÁ-ME O TEU TUDO! O Natal está aí. Não desperdicemos o tempo em corridas aos centros comerciais, ou em horas esquecidas diante do computador, da televisão ou ao telemóvel; mas aproveitando a deixa da pandemia, permaneçamos em casa, em serena expetativa. Porque é essa também a deixa do Evangelho, e é dentro de casa que o Senhor nos quer hoje encontrar: “Quando David já morava em sua casa…” “Tendo entrado onde ela estava…” O Natal apela(…)

Ler mais

Rezemos juntos – em cada casa!

25 de março. Foi numa casinha humilde, numa aldeia desconhecida, que o mistério da nossa salvação começou. O Anjo do Senhor anunciou a Maria, e ela concebeu pelo poder do Espírito Santo. Avé Maria… Maria tornou-se, com o seu Sim, o primeiro sacrário. Ajoelhando diante de Maria, adoramos o Salvador, escondido no seu seio. Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-Se em mim segundo a vossa Palavra! Avé Maria… Rezemos, pois. Unamo-nos ao Santo Padre e a toda a Igreja, e rezemos juntos, ao longo de todo o dia, mantendo um silêncio orante o mais possível, pelo fim da pandemia(…)

Ler mais

Domingo IV do Advento, ano A

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga O EMANUEL JÁ ESTÁ PERTO! O Advento está a acabar. Não dá para resistir por mais tempo aos sons e sabores de Natal… O Menino está prestes a nascer! O Livro do Profeta Isaías já foi designado por muitos como o Quinto Evangelho. De facto, as profecias de Isaías descrevem com uma precisão magistral os mistérios do Salvador, desde a sua conceção virginal, no chamado “Livro do Emanuel”, até à sua Paixão, com os “Poemas do Servo Sofredor”. Que vocação(…)

Ler mais

O sim de Maria, o sim do António, o compromisso das Famílias de Caná

Segunda-feira, a Igreja celebrou a Solenidade da Anunciação, transferida do dia 25 de março, este ano Domingo de Ramos. Assim, e como costumamos fazer em dias de solenidades, fomos juntos à missa, ao fim da tarde. O António estava cheio de pressa: “Mãe, achas que posso acolitar, mesmo sendo à semana?” “Claro! O senhor padre fica todo contente.” “Ainda bem. É que assim sou o primeiro a comungar. E eu gostei tanto de comungar ontem! Quero comungar hoje e sempre. Acho que vou contar as minhas comunhões.” “Eu também disse que ia contar e esqueci-me”, respondeu-lhe a Lúcia. Com a(…)

Ler mais