“Não tenho filhos. Porquê? Para quê?”

Antes de termos filhos – o Francisco só chegou dois anos depois de nos casarmos – o Niall e eu íamos à missa todos os dias, sem exceção, prática que iniciámos na universidade. É uma das saudades que tenho, a missa diária. Que bem que nos fazia, e como alimentava a nossa relação com Deus! Um dia, quando deixarmos de ter bebés ou filhos pequeninos, quando deixarmos de correr de escola em escola para recolher crianças, quando deixarmos de ter TPCs para orientar, contamos retomar a prática. Vai ser tão bom! Antes de termos filhos, o Niall e eu trabalhávamos(…)

Ler mais

Começar por ser apenas um…

Testemunho do João e da  Marta Antunes: Como algumas vezes a Teresa tem referido (e bem), alguns de nós estão ausentes muitas vezes da partilha das Famílias de Caná, que para nosso bem poderia ser mais regular. Falo da partilha em presença ou em contacto e é da nossa família que vos quero falar hoje. A nossa Família de Caná é constituída por dois membros, eu e o meu marido João. E o facto de não termos filhos será provavelmente um dos motivos pelos quais possamos não fazer o esforço necessário a tornar mais frequente esta partilha. Assim, aqui estamos(…)

Ler mais

Coração

Ontem à noite, quando me ia deitar, deparei-me com estes dois pedaços de papel em cima da minha cama: Aproximei-me e li as “instruções” do papel que estava no meu lado da cama: Junta isto com o dada (papá). Lúcia. Inventei! E no outro lado da cama: Junta isto com a mamã. Lúcia. Inventei! Sorri. A Lúcia, com nove anos, e como é tradição cá em casa, adora fazer origamis. Quis ter a certeza de que nós nos iríamos orgulhar, sabendo que este fora inventado por ela. Cumprindo as instruções, juntei os dois origamis: Chamei então o Niall, e os(…)

Ler mais

A misericórdia em casal

Aqui há uns tempos, ao abrir a caixa do correio, deparei-me com um aviso para levantar uma carta registada. Estava em nome do Niall, embora ele não fizesse a menor ideia do que se tratasse. Assim, no dia seguinte, fui aos correios com o impresso e levantei a carta. Vinha da Direção Geral de Viação. «Outra!» Pensei, assustada. Abri devagar, sem pressa… Sim, lá dentro estava uma multa de 120 euros para pagar, por excesso de velocidade. Outra, sim. E de novo, como a primeira, em nome do Niall, pois a carrinha de sete lugares, que eu conduzo, está em(…)

Ler mais