Os insensatos Apóstolos

Estamos a chegar ao fim da leitura dos Atos dos Apóstolos. Acompanhámos os Apóstolos durante cinquenta dias, e cá em casa, o entusiasmo foi grande. “Como é que eles cantavam depois de levarem vergastadas?” “E Paulo está feliz por ir morrer, como é possível?!” “Que cómico devia ser! Os fariseus desesperados e sérios, e os Apóstolos a saltar de alegria por sofrerem em nome de Jesus!” A insensatez dos Apóstolos contrasta estranhamente com a sensatez dos judeus e dos romanos. Por que raio é que os Apóstolos não procuravam os aplausos do mundo? É curioso como não leio na minha Bíblia frases(…)

Ler mais

A Eucaristia e o Getsémani

Testemunho do João Miranda Santos Eis-nos chegados à Quinta-feira Santa de uma Páscoa especial, que vai ser vivida de uma forma diferente do que alguma vez o fizemos. Desde o início deste período em que estamos a viver “fechados” em casa que há uma coisa da qual sentimos uma falta incontornável e insubstituível: o Pão da Vida. Temos acesso a praticamente tudo aquilo que achamos essencial: ao nível carnal podemos obter tudo aquilo de que precisamos para viver, e até o que não precisamos, apesar dos riscos que corremos ao ir a superfícies comerciais; ao nível espiritual não têm faltado(…)

Ler mais

Basta!

Durante o dia de ontem, uma passagem do Diário de Santa Faustina atravessou-me a mente, e não descansei enquanto não a encontrei (e olhem que encontrar determinada passagem, que conhecemos vagamente, num livro tão grande como este Diário, é como procurar agulha em palheiro!). É uma passagem que me ocorre muitas vezes durante a missa, especialmente quando me preparo interiormente para receber a Sagrada Comunhão e me pergunto se estarei preparada. Não penso que seja uma passagem muito difundida, e já vão ver porquê. Aqui fica: Recebi a Sagrada Comunhão cá em cima, uma vez que não podia descer à(…)

Ler mais

A suspensão das missas e a nossa fome

Acabo de escutar a norma da Conferência Episcopal Portuguesa, suspendendo a celebração comunitária da Eucaristia, diária e dominical, nos próximos tempos. Obedecendo, como sempre, aos nossos bispos, permito-me contudo algumas reflexões e deixo um desafio. Desde os tempos da Igreja primitiva, os cristãos ficaram conhecidos por se aventurarem onde mais ninguém se aventurava, cuidando dos leprosos, das vítimas da peste, dos tuberculosos, dos doentes com SIDA. Há milhares de mártires entre os cristãos que, sem medo de serem contagiados por cada uma destas doenças sempre mortais, dedicaram o seu tempo a servir os outros. Mártires da Eucaristia, capazes de levar(…)

Ler mais

Farisaísmos

No meio das polémicas que marcaram a semana passada no Vaticano, com a publicação do livro do cardeal Robert Sarah, encontrei um artigo seu já com mais de um ano, onde o senhor cardeal dizia que a prática da comunhão na mão fazia parte de um ataque diabólico à Eucaristia. E perguntava, “porque nos obstinamos a comungar de pé e na mão?” Reagi com espanto e indignação: eu, obstinada a comungar de pé e na mão? Porque me iria obstinar? Se comungo de pé e na mão, é porque a Igreja a que pertenço mo permite e mo ensinou a(…)

Ler mais

SMS

Thank you for making our home so nice and comfortable today. We could eat dinner in the bathroom, it is so clean!” (Obrigado por teres tornado a nossa casa tão bonita e confortável hoje. Podíamos até jantar na casa-de-banho, tão limpa ela está! Recebi este sms durante uma reunião bastante aborrecida, perto das sete horas da tarde. Contive uma gargalhada, mas não fui capaz de esconder o sorriso de orelha a orelha que se me desenhou no rosto. Que marido tão gentil eu fui arranjar, pensei para comigo. Nessa tarde, eu estivera realmente a fazer uma grande arrumação em casa,(…)

Ler mais

Encontro de Setembro

Ontem foi dia de encontro da nossa Aldeia de Caná. Como só duas famílias tiveram disponibilidade para o encontro, decidimos fazê-lo mesmo numa das casas, afinal a casa é o templo desta pequena igreja doméstica que é a família. Para a nossa oração escolhemos aprofundar a bilha da comunhão, aproveitando este início de ano lectivo, de rotinas, de novas tarefas e desafios, para nos colocarmos antecipadamente perante este ano com este desejo de comunhão, em tudo aquilo que temos pela frente. E assim meditámos e partilhámos como é que “Nós, Jesus” vamos viver os desafios deste ano, certos de que:(…)

Ler mais