Um dia de últimos dias

Testemunho da Sónia Santos Terça-feira foi especialmente um dia de últimos dias. Foi o último dia em que de manhã levei o meu filho mais velho à escola, aqui neste sítio onde estamos actualmente. Foi o seu último dia nesta escola, com estes colegas e com estes professores, por este caminho já seguro e sabido de cor e salteado. Foi ainda dia, por incrível coincidência, de “ir dizer adeus às professoras” (Matias) do Jardim de infância que os mais pequenos frequentaram desde as primeiras sopas! Ainda o dia ia a meio e tocou à porta a nossa vizinha com um lindo(…)

Ler mais

Domingo XXVII do Tempo Comum, ano C

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga O GRITO DE HABACUC É O NOSSO GRITO “Até quando?” É o grito de toda a humanidade, desde tempos imemoriais. Até quando, Senhor, suportareis a maldade dos homens? Até quando, a opressão dos pobres, a violência contra crianças, a guerra, a fome, as injustiças? O grito angustiante pode tornar-se mais pessoal e preencher a nossa oração em determinados momentos da vida: até quando terei de suportar a traição, ou as manias, ou as indelicadezas do meu marido ou da minha(…)

Ler mais

Desenterrando o Aleluia

Oração familiar. Desde que aprendeu a ler, isto é, desde janeiro, a Sara está encarregue de ler a pequena frase do Aleluia antes do Evangelho diário. Fá-lo com muita solenidade e alguma fluência, e certamente já conhece palavras que meninos com o dobro da sua idade ainda têm dificuldade em ler, como “exultai”, “fidelidade”, “benignidade”, “primogénito”, “júbilo”. Hoje, como sempre, a Sara lê o Aleluia: Este é o dia que o Senhor fez: exultemos e cantemos de alegria! “Mãe”, diz ela quando termina a leitura, “ontem o Aleluia foi igual! E antes de ontem também!” “É verdade, Sara, tens razão:(…)

Ler mais