Pequenos passos

Pequenos passos, os que vamos dando em direção ao Céu. “Teresa, estou a começar, é tudo novo para mim!” Dizem-me alguns. “Já caí muitas vezes, não sei se conseguirei levantar-me de novo”, escrevem-me outros. “Tenho medo…” Dizem-me ainda outros. Penso nos passos que fui dando, ao longo da minha vida. Alguns bem seguros, outros hesitantes. Alguns batendo palmas de alegria, outros chorando… Penso muitas vezes nas palavras do Papa: “Um pequeno passo, no meio de grandes limitações humanas, pode ser mais agradável a Deus do que a vida externamente correta de quem transcorre os seus dias sem enfrentar sérias dificuldades.”(…)

Ler mais

Matrimónio: ser feliz ou ser santo? E alguns ecos do retiro de Advento – parte II

Reflexão da Sónia Santos É inesgotável tudo que o último retiro permite fazer ecoar nas minhas memórias… Lembro-me de ser pequena e desconsolarem-me os finais felizes típicos das histórias “casaram-se e viveram felizes para sempre”. Como se mais nada do que vem a seguir importasse. Pensava: “mas os meus pais já casaram há tantos anos e o mais importante, mais marcante da sua história em comum aconteceu certamente depois do dia do casamento”… Quando ocorreram todas as aventuras e alegrias, as conquistas, os sacrifícios e lágrimas em conjunto? Do nascimento do primeiro filho, das “mortes naturais e das mortes contra-natura”, dos batismos apressados e(…)

Ler mais

Domingo XXXII do Tempo Comum, ano C

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga EM DEUS, NADA FICA POR COMPLETAR O ano litúrgico está a acabar. É hora de meditar nas verdades últimas da nossa fé, os “novíssimos”: o que há para além do tempo, do espaço, da morte? Embora a história dos Macabeus aconteça cento e muitos anos a. C., ela parece escrita para a nossa geração. Como os judeus de então, também hoje vivemos tempos de perseguição.  Como a cultura helénica se impunha à judaica, seduzindo o povo e levando-o à apostasia,(…)

Ler mais

Servir a dois senhores

Hoje vim da missa a meditar nesta pequena frase do Evangelho: Nenhum servo pode servir a dois senhores, porque, ou não gosta de um deles e estima o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. (Lc 16, 13) Jesus falava, sabemo-lo, de Deus e do dinheiro. Mas a Palavra é válida para qualquer outro “senhor” que tenhamos. E o “senhor” que nos ocupa mais tempo e atenção, e pelo qual, às vezes, somos capazes de deixar tudo – valores, família, vocação – é nem mais, nem menos que o nosso próprio eu. Há quem lhe chame “a(…)

Ler mais

Felizes

O início do ano letivo é sempre um tempo muito atrapalhado cá em casa. Custa deixar as manhãs de praia, o cheirinho do mar, o sussurro do vento, e voltar à azáfama da escola, ao toque do despertador e da campainha, aos TPCs e aos testes. E se alguns dos meus filhos adoram a escola e anseiam por rever os amigos, outros têm a barriga às voltas com o stress do regresso. Este ano traz algumas novidades: a Clarinha entrou no curso de Fisioterapia em Aveiro, sua primeira opção, e está feliz por iniciar mais uma etapa na sua vida.(…)

Ler mais

A verdadeira alegria

Oração familiar, quinta-feira da semana passada. O Evangelho é curtinho, por isso o António tem direito a ler: Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Assim como o Pai Me amou, também eu vos amei. Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor. Disse-vos estas coisas, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa.» Jo 15, 9-11) “Hoje já compreendi melhor. Nos últimos dias, Jesus fala e ninguém entende!” Desabafa a Lúcia, que não(…)

Ler mais

Quem pode então casar-se?

Assim perguntaram os discípulos a Jesus, depois da sua explicação sobre a indissolubilidade do matrimónio, segundo Mateus 19, 10. Felizmente que a Lei de Deus não é democrática, isto é, não muda por votação da maioria. Ao contrário do que muitos católicos pensam, a Lei de Deus sobre a fidelidade no matrimónio, a abertura dos cônjuges à vida sempre, a recusa do aborto sempre também, a ilegitimidade de uniões homossexuais, etc não mudam porque a lei civil muda. Quando o Papa Francisco fala, nas suas homilias e na sua Carta A Alegria do Amor, em abertura aos recasados e na(…)

Ler mais