Pecadores e mortais

Chove lá fora, e eu regresso de mais uma das minhas muitas curtas viagens a recolher filhos. Bato à porta, apressada. “Quem é?” Pergunta a Lúcia, sem abrir. “Sou eu, filha, abre!” “Não sei quem sois”, responde-me, a rir. Entro no jogo: “Sou eu, a Teresa, professora de Inglês, catequista, escritora, co-fundadora das Famílias de Caná…” Hesito, sem conseguir encontrar mais nenhum título de honra. Uns têm demais, outros, de menos 🙂 “Repito que não sei quem sois”, responde-me novamente a Lúcia. “Sou a Teresa, uma pobre mortal e uma pecadora!” Agora sim, a Lúcia abre a porta e eu(…)

Ler mais

A grande festa da santidade

Cá em casa, assim que entramos na hora de inverno, começam os preparativos para a grande festa de Holywins – Todos os Santos. É um dos dias mais aguardados de todo o ano, e a cada ano que passa, parece tornar-se mais especial. Desta vez, porque o dia santo foi sexta-feira, foram três dias inteiros de celebração, um tríduo tão belo e tão intenso, que na noite de domingo, o António dizia, a caminho da cama: “Nem me lembrava já que é tempo de escola, e amanhã é segunda-feira! Pensei que estava de férias!” “Creio na comunhão dos santos”, rezamos(…)

Ler mais

Domingo XVIII do Tempo Comum, ano C

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga (o jornal entra agora de férias, pelo que esta rubrica regressará no final de agosto) O QUE ACUMULAMOS NO CELEIRO? Hoje, a Palavra vai introduzir-nos nos nossos próprios celeiros, para verificarmos o que por lá acumulamos. Estaremos a tornar-nos ricos aos olhos de Deus? “Vaidade das vaidades, tudo é vaidade”, diz Coelet na primeira frase do seu livro, frase que continuará a repetir até ao fim. É um refrão que também eu gosto de repetir, quando dou conta dos sentimentos(…)

Ler mais

A mesma dignidade

Testemunho da Isabel Marantes: Dia 13 de Maio… acordo cheia de alegria e penso: “Dia de Nossa Senhora de Fátima e dia de contar aos meninos a grande surpresa!” A Leonor já há mais de dois anos que rezava à Irmã Lúcia para que tivéssemos mais um bebé cá em casa (ela pedia especificamente uma irmã!). Tinha feito há cerca de um mês um gorro de bebé e tinha-o colocado bem perto da Irmã Lúcia, como que pedindo concretamente para que este gorro pudesse ser usado pela sua irmã no próximo Inverno… Finalmente, eu estava grávida! No dia 13 à(…)

Ler mais

Os sapatos

A Semana da Vida apanha-me sempre num turbilhão de emoções e pensamentos. É que o mês de maio, das flores, da mãe, da ressurreição, da primavera, da vida – o mês de maio, na minha casa, é o mês da morte. Porque foi no dia 16 de maio que o meu pai partiu para Casa, há 28 anos atrás. E foi no dia 19 de maio que o meu filho Tomás partiu também para Casa, há 13 anos atrás. Cada um dos meus filhos tem uma caixa de cartão desde o dia em que nasceu, para onde vou lançando, durante(…)

Ler mais