Domingo XIII do Tempo Comum, ano A

Reflexão semanal, escrita pela Teresa, sobre as leituras da missa do domingo seguinte, publicada no jornal diocesano Correio do Vouga ACOLHER É AMAR Um Deus que nos acolhe sempre, que Se entrega todo à Sua criatura e que recompensa com amor infinito o nosso mais humilde gesto – eis o Senhor que hoje encontramos na Eucaristia! O profeta Eliseu sabia que podia contar com a hospitalidade de um casal de Sunam, sempre disposto a oferecer-lhe uma boa refeição quando por lá passava. Com o tempo, o casal decidiu até “fazer no terraço um pequeno quarto” para receber o profeta. Ao(…)

Ler mais

As palavras mágicas e o jardim do Paraíso

“Podes, por favor, controlar as crianças? Estou numa vídeo conferência internacional, sou eu neste momento o palestrante, não posso desligar o microfone e já nem consigo concentrar-me no que estou a dizer. Obrigado!” O e-mail chegava-me do outro lado da casa. Era do Niall que, fechado no nosso quarto como sempre desde o início do confinamento, procurava trabalhar. Eu também estava diante do computador – a tempo de ler a mensagem de desespero e de sorrir com o “por favor” e o “obrigado”, pois o Niall nunca se esquece das boas maneiras – mas tinha os auscultadores nos ouvidos. Já(…)

Ler mais

Laudato Si e a casa comum da nossa aldeia

Vivemos um ano aniversário da Laudato Si. Tenho grandes expetativas para este ano! Aos quinze anos, decidi que o meu primeiro filho se chamaria Francisco, em honra de S. Francisco, o pobrezinho que cantava à chuva e que brincava com as flores, enquanto se entregava por completo ao amor de Deus na oração contemplativa e no serviço aos últimos dos últimos. O Niall aceitou a escolha deste nome. Hoje, o nosso Francisco tem 21 anos, e tanto ele como os seus irmãos estão acostumados a brincar à chuva, a subir às árvores, a plantar flores, a colher frutos, a tomar banho(…)

Ler mais

Os insensatos Apóstolos

Estamos a chegar ao fim da leitura dos Atos dos Apóstolos. Acompanhámos os Apóstolos durante cinquenta dias, e cá em casa, o entusiasmo foi grande. “Como é que eles cantavam depois de levarem vergastadas?” “E Paulo está feliz por ir morrer, como é possível?!” “Que cómico devia ser! Os fariseus desesperados e sérios, e os Apóstolos a saltar de alegria por sofrerem em nome de Jesus!” A insensatez dos Apóstolos contrasta estranhamente com a sensatez dos judeus e dos romanos. Por que raio é que os Apóstolos não procuravam os aplausos do mundo? É curioso como não leio na minha Bíblia frases(…)

Ler mais

Como? Adiem-se os sacramentos?

Das muitas notícias que nos chegaram sobre o estilo sacerdotal do Papa Francisco, no início do seu pontificado, foi a forma como costumava passar os meses de verão: em vez das merecidas férias, o padre Bergoglio passava o verão nos bairros sociais da sua terra, casando e batizando os que nunca tinham tido oportunidade de celebrar estes sacramentos. Que a ninguém se neguem os sacramentos essenciais, dizia. Já Papa, deu inúmeros sinais da importância que, para ele como para a Igreja, têm os sacramentos, repetindo e tornando a repetir que a Igreja não é nenhuma alfândega a dificultar o seu(…)

Ler mais