Testemunhos


Holywins em casa e nas escolas

 Testemunho da Isabel Marantes:

Tal como vos contei ontem, na véspera do Dia de Todos os Santos, dia em que se celebra o “Halloween”, fomos uma “família de santos”!

Nas últimas semanas, cá em casa, temos falado sobre os símbolos da incrível imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, uma história fantástica, que converteu cerca de 9 milhões de pessoas no espaço de uma geração.

De tal forma gostámos desta história que eu vesti-me de Nossa Senhora de Guadalupe e tive não um, não dois, mas três “Juan Diegos”! Agradecemos muito aos nossos amigos mexicanos por nos terem emprestado os magníficos chapéus!

A Leonor é muito fiel à “sua” Santa Helena, uma santa que ela adora desde pequenina. A Santa Helena conseguiu encontrar a cruz onde Cristo foi crucificado e, assim, a Leonor foi vestida de rainha e carregando uma cruz.

Depois  fomos “trick or treating”, como aqui se diz (doce ou travessura). Fomos com outras famílias pela vizinhança desejar uma boa noite e pedir um doce.

Dávamos também, em cada casa, um cartão com uma frase de um santo ou com uma oração. Tenho de admitir que teve a sua graça ver a cara de algumas pessoas que pareciam assustar-se muito mais com o cartão do Arcanjo S. Miguel (o arcanjo preferido do Miguel) do que com as “sangrentas” e assustadoras decorações dos vizinhos.

No Dia de Todos os Santos, à mesa, fizemos uma brincadeira cá em casa que todos gostaram muito (e comeram muito!). Foi uma ideia adaptada de do site: catholicicing.com.

Escolhemos comida que nos fizesse lembrar um santo. Por exemplo, bolachas em forma de flor para a Sta. Teresa de Lisieux (a “pequena flor”), gomas em forma de estrela para o S. Juan Diego, rebuçados da Polónia para o S. João Paulo II e para a Sta. Faustina (é verdade, aqui vendem-se rebuçados da Polónia no supermercado!), salgados em forma de peixinhos para o nosso St. António, pintarolas para os nossos Sta. Jacinta e S. Francisco (para simbolizar contas do terço), M&M para o casal S. Luís e Sta. Zélia Martin (Martin &Martin), etc.

Depois, com os cartões de um jogo sobre santos que temos cá em casa, alguém lia um pouco da história do santo e os outros tentavam adivinhar quem era. E, por fim, colocávamos o cartão do santo junto do seu símbolo “comestível”. Não há dúvida que os santos mais famosos nessa noite foram S. Francisco Xavier, com as suas deliciosas gomas em forma de crocodilo (conhecem a história?) e S. Patrício, com as suas docinhas gomas em forma de serpente!

Então e nas escolas?

Nas escolas, depois de se acabarem com algumas actividades que, na nossa opinião, ultrapassavam alguns limites, nomeadamente fazer casas assombradas cheias de “sangue” e dar prémios aos disfarces mais assustadores que, verdadeiramente, assustavam os mais novos (e não só!), ficaram os disfarces de “super-heróis” e outras brincadeiras inocentes.

Mas o vazio do dia de Todos os Santos continuava a deixar-me inquieta. Se o que eu mais quero é que os meus filhos sejam santos, como ignorar esta festividade?

Então, resolvemos propor nas escolas um Dia de Todos os Santos com muita brincadeira à mistura!

E assim foi. De manhã, fizemos o jogo das “saints guessing jars”, ideia descrita em vários sites católicos, incluindo catholicinspired.com, catholiccuisine.blogspot.com e catholicicing.com).

Neste jogo, era atribuída a cada turma um frasco cheio de símbolos “comestíveis” de um santo (os mesmos símbolos que tínhamos feito cá em casa). Os alunos tinham de adivinhar quantos desses símbolos continha cada frasco. O aluno que ficasse mais perto do número certo ganhava o frasco e o seu doce conteúdo.

Para além disso, cada aluno teve um amigo secreto durante o dia pelo qual tinha de rezar e ao qual deveria esta especialmente atento e ajudá-lo no que precisasse (lembram-se como fizemos no Acampamento de Caná? Foi daí que tirámos a ideia!).

No final do dia, após a Missa e como “prémio” por todas as orações e ajudas para com o amigo secreto, foram distribuídos os “souls-cake”, ou o conhecido “pão por Deus” que, neste caso, foi mais um delicioso donut de canela e passas.

Alunos e professores estavam felizes! Viveu-se, realmente nesse dia, um ambiente que tinha uma luz especial… e o Director de uma das escolas já escreveu aos pais a dizer que a celebração do Dia de Todos os Santos, com actividades como as que fizemos este ano, será incluída no Calendário da Escola daqui em diante.

É mesmo caso para dizer que, com a graça de Deus… “Holywins”!

 

 

 

5 Comments

  1. Muito obrigada por esta partilha tão inspiradora!

  2. Que belo trabalho este.
    Fiquei fascinada com esta partilha.
    Parabens Isabel e família.

  3. Queridos amigos, muitos parabéns! Tivemos o testemunho da Joana, que conseguiu levar à catequese o Holywins, e agora o vosso, levando-o à escola católica. Passos de gigante, no nosso movimento! Que o vosso testemunho nos entusiasme a todos! Nós, Jesus!

  4. Pilar Pereira

    Que maravilha de testemunho! Obrigada!

  5. “que importante é o testemunho de casais casados para a formação de consciências maduras e a construção da civilização do amor!” (Papa Bento XVI)
    Obrigada pela vosso testemunho!!! 🙂 🙂 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *