Comentários recentes

  • Teresa Power 02/08/2020 at 12:15 pm em Domingo XVIII do Tempo Comum, ano AO blogue é Em Caná da Galileia, onde relatava as nossas vivências enquanto Família de Caná, na primeira pessoa. É só esta parte do site que irá encerrar. Bjs!
  • Pilar Pereira 02/08/2020 at 12:04 pm em Domingo XVIII do Tempo Comum, ano AA que blogue te referes? A uma parte do site "Famílias de Caná", a que se chama "Em Caná da Galileia?" A palavra "blogue" faz pensar noutro endereço a colocar no browser, por isso fiz confusão, acho eu.
  • Teresa Power 01/08/2020 at 1:16 pm em Domingo XVIII do Tempo Comum, ano ADisponível, claro! Disse isso no outro artigo. O ensinamento pode e deve ser partilhado o mais possível, pelas paróquias e amigos. É para todos! Tudo ficará na mesma, com exceção do blogue. Na mesma, não, melhor, espero! 🙂
  • Pilar Pereira 01/08/2020 at 12:48 pm em Domingo XVIII do Tempo Comum, ano AObrigada por este texto e pelo ensinamento mensal - em especial por este último, aliás! Teresa, o ensinamento mensal vai continuar disponível, ou passará a ser exclusivo das Famílias de Caná?
  • Teresa Power 31/07/2020 at 2:23 pm em Domingo XVIII do Tempo Comum, ano AEstou na revisão final 🙂 Agora que deixei de escrever o blog, tenho finalmente tempo para concluir o livro, se Deus quiser antes de ir de férias! Depois é esperar que o queiram publicar, claro 😉 Bj!
  • ANA MARIA JORGE RIBEIRO ALVES 31/07/2020 at 12:02 pm em Domingo XVIII do Tempo Comum, ano ALi com interesse redobrado. Tomamos tudo como garantido, também eu tomava como garantida a leitura dos textos da Teresa. Agora cada texto seu é ainda mais precioso. Para quando o próximo livro? Boa semana para todas as Famílias
  • Teresa Power 31/07/2020 at 8:28 am em Dos ramos às raízes: um ADeus e um recomeçoObrigada, Mónica! Eu estou convencida de que será mesmo a geração dos nossos filhos a levar o Movimento para a frente, sim! Mas antes disso, há muito trabalho a fazer. E o compromisso não é assim tão exigente como isso... Se ler com atenção o texto do compromisso, verá que, provavelmente, já fará quase tudo o que lá está. O resto, é o tal salto de fé e confiança que o Senhor nos pede que demos, nos Seus braços! 😉 Nós, Jesus!
  • Teresa Power 31/07/2020 at 8:26 am em Domingo XVII do Tempo Comum, ano ABom dia, Maria! Escrevi um post, anterior a este, em que explico a razão! Obrigada pelo carinho! Bj
  • Maria Pires 30/07/2020 at 11:25 pm em Domingo XVII do Tempo Comum, ano ABoa Noite Teresa, espero que esteja tudo bem consigo e com a sua família. Digo isto uma vez que já há alguns dias que não publica. beijinho de leitora assídua.
  • Mónica Moreira 30/07/2020 at 4:11 pm em Dos ramos às raízes: um ADeus e um recomeçoCara Teresa, Sé agora li este post e não consigo deixar de sentir uma certa tristeza, é como ter um amigo que vai mudar para longe, não deixa de ser nosso amigo, mas já não está lá diariamente para nós. Já sigo a Teresa desde o tempo do Blog "Uma família católica" e apesar de apenas ter comentado apenas uma ou duas vezes, nunca as partilhas da Teresa caíram em saco roto. Posso lhe dizer (e penso que não serei a única), que apesar de não ter aderido ao movimento , foi com as suas partilhas e com os seus testemunhos e os testemunhos das outras famílias de Caná, que eu deixei de ser apenas uma mãe católica e passei a ser mãe de uma família católica. Com a Teresa aprendemos a servir a Deus, enquanto família e não apenas individualmente. A Teresa não imagina, certamente, o quanto mudou a nossa vida familiar, o quanto de mudou enquanto catequista, que sou. O meu compromisso, ou a a minha entrega, pode não ser tão intensa como o compromisso das famílias de Caná, mas é certamente adequado às minhas capacidades e à capacidade da nossa família, tendo sempre presente que podemos sempre melhorar e fazer mais um bocadinho ainda. Muito obrigada por tudo o que nem sabe que fez por mim! As maiores felicidades para si, para a sua família maravilhosa e para o Movimento, espero que ganhem raízes tão profundas, tão profundas que, quem sabe se não será a geração dos nossos filhos que vai aumentar sobejamente o movimento?? Beijinhos e claro vá dando notícias aqui no blog!!
  • Estela 24/07/2020 at 11:42 am em Domingo XVII do Tempo Comum, ano ALindíssima reflexão, Teresa! Muito obrigada!
  • ANA MARIA JORGE RIBEIRO ALVES 24/07/2020 at 10:51 am em Domingo XVII do Tempo Comum, ano ALi com redobrado interesse.
  • Filipa 24/07/2020 at 7:34 am em Domingo XVII do Tempo Comum, ano AOntem esse foi tema de conversa aqui em casa: porque é que, quando lemos a história de um santo, ficamos com a sensação de que naquele tempo era bem mais fácil, aquele lugar era bem mais propício, aquela sociedade ajudava mais...? Uma falsa ilusão! Porque na realidade as dificuldades existiram sempre em todos os tempos e lugares. O que parece que faz a diferença é o desejo grande e profundo do Céu. Não nos sentimos chamados à santidade hoje porque não desejamos o Céu. Para quê ter hoje esse trabalho todo de vender tudo e escavar para encontrar o grande tesouro??! Basta-nos o que o mundo nos oferece (e até somos menos criticados!) e depois ler uns livros bonitos de Santos no máximo...! Já não recebemos da nossa família essa herança...os nossos pais não nos ensinaram a Palavra de Deus mas antes as palavras do mundo: sucesso, carreira, dinheiro. Agora resta-nos dar saltos grandes de maturidade para reconhecer a verdadeira alegria, deseja-la e vender tudo para a possuir! Que bom poder dar esses saltos junto a outras famílias que também já deram, estão a dar e/ou desejam dar...e descobrir juntos como se encontra um tesouro num campo às vezes demasiado grande e dificil. E mais do que isso, que bom fazer tudo isso com o desejo de Céu, o desejo de viver a alegria das Bodas! Ainda bem que Deus sonhou as Famílias de Cana! 🙂
  • Inês Guedes 23/07/2020 at 10:36 am em Dos ramos às raízes: um ADeus e um recomeçoEgoista me confesso, vou sentir a vossa falta! Não tenho jeito nenhum para escrever, mas obrigada por todas as partilhas! Beijinhos
  • Natália 22/07/2020 at 4:33 pm em Domingo XVI do Tempo Comum, ano ATantos pontos para refletir... Muito obrigada Teresa! 🙂

Comments are closed