As Seis Bilhas e o Divino Oleiro

Na manhã de sábado, o Niall e eu acordámos muito entusiasmados: estava na hora de ir comprar as seis bilhas de barro para o Canto de Caná. Graças à generosidade de uma querida leitora deste site, mãe de uma Família de Caná, tínhamos dinheiro para escolher à vontade as bilhas mais belas e mais perfeitas. Será que as iríamos encontrar? À beira da estrada nacional há uma loja de artigos artesanais em barro. Foi aí que nos dirigimos. Parámos o carro e percorremos o amplo espaço exterior, coberto de bilhas de toda a espécie e feitio. Mas nem todas eram(…)

Ler mais

Uma composição sobre as férias e o Dia da Família

Aula de Inglês, pouco depois da Páscoa. “Meninos, hoje queria que escrevessem sobre as férias da Páscoa. Para tornarem a vossa composição interessante, pensem nos cinco sentidos: o que viram, o que escutaram, o que fizeram, o que comeram, etc. Vamos ao trabalho.” Passados alguns minutos de silêncio, comecei a circular pelas carteiras para ajudar onde fosse preciso, corrigindo uma frase aqui, explicando um verbo ali… Uma menina de grandes olhos azuis perguntou-me: “Professora, como é que se diz: Brinquei com os netos da namorada do meu pai?” Quando comecei a trabalhar, há vinte anos atrás, gostava de pedir aos(…)

Ler mais

As barras assimétricas da vida cristã

Nos treinos de ginástica artística, a Clarinha está a iniciar-se nas barras assimétricas. A piscina de esponjas em baixo, as barras por sobre a sua cabeça, o medo e a vertigem a espreitar, a respiração ofegante, o professor a encorajar… Com um salto elegante, a Clarinha agarra a primeira barra, rodopia sobre ela, e de um só fôlego, volta a largá-la para se lançar para a segunda, que agarra com firmeza. De vez em quando, cai desamparada na piscina de esponjas, para logo se lançar de novo no ar. «É uma sensação tão boa, mãe! Parece que voo!» Diz-me ela,(…)

Ler mais