Testemunhos


Toc! Toc! Posso entrar?

Testemunho da Natércia

Olá, Famílias de Caná!

Chamo-me Natércia, sou esposa do Martinho e vivo na Suiça há 18 anos, dos quais 4 em Zurique.

Após um discernimento de mais de 1 ano, fizemos o nosso compromisso com o Movimento no mês de julho. E hoje inauguro as minhas partilhas neste site. 🙂

Desde o 1° Domingo do Advento que tenho meditado sobre as visitas de Deus nas nossas vidas, e ao ler o ensinamento mensal, não pude ficar indiferente à Providência Divina que rege todas as coisas. Fala-se de dar espaço, fazer espaço. Nesse primeiro Domingo do Advento, o sacerdote começou a Homilia falando sobre o significado das diferentes cores das velas que acendemos e das letras dos cânticos deste tempo litúrgico. Ele exortava-nos a cantar não só com a boca, mas sobretudo com o coração, porque a maioria das vezes dizemos Maranatha, vem, Senhor Jesus! de forma automática, sem verdadeiramente pensarmos no que estamos a pedir.

O sacerdote falava das visitas diárias de Deus nas nossas vidas, e isso tem-me acompanhado neste tempo de preparação para o Natal.

 

Não sei de que forma o Senhor te visita neste tempo, mas tenho a certeza que te visita. Quem sabe através do nascimento de um bebé ou do falecimento de alguém, da cura de uma doença ou pelo contrário, através de um tratamento médico, pela reconciliação com alguém ou pelo afastamento de outro, através da amizade ou pela solidão, pelo reconhecimento ou pelo desprezo, e por tantos outros meios, por vezes opostos, que o Senhor tem de nos falar.

Nisso Ele é criativo, e não raras vezes, fala-nos de maneiras quase impensáveis. A certeza é que Ele fala, nós é que andamos surdos e ocupados, mas se ao dizermos Maranatha, vem, Senhor Jesus e abrirmos o nosso coração Ele não deixará de Se comunicar bem no fundo da nossa alma.

Ele está diante da nossa porta para nos fazer uma visita que poderá mudar radicalmente as nossas vidas. Ouves os Seus passos aproximarem-se? Toc? Toc? Posso entrar?

Lembro-me de um cântico que gosto muito, não só pela melodia, mas sobretudo pela letra, talvez o conheçam:

Eu estou à tua porta a bater, se me abrires entrarei para ficar. Eu preciso de ti para valer, Eu preciso de ti para enviar.

Tu serás feliz se Me procurares, se me abrires a porta do teu coração
Se não esqueceres o meu mandamento, o amor total feito de perdão.     

Tu serás feliz se sentires que és, chamado a servir um imenso Povo,
Que sofre e que luta para ver o dia, em que a terra tenha um rosto novo

Tu serás feliz se te abandonares, decidires mesmo em Mim confiar
Tenho-te gravado na palma da mão, Eu sou o teu abrigo, Eu sou o teu “lar”.

Se Lhe abrirmos a porta entrará para ficar. Ele não nos invade nem força a entrada, pelo contrário, bate à porta, espera, deixa-nos livres, é discreto e dócil, fez-Se pequenino para não nos assustar, quer trazer-nos a alegria da Sua visita, quer iluminar as nossas escuridões com a Sua Luz. Já percebeste que o Advento é feito de visitas que nos preparam para a grande Visita? A visita do Anjo a Maria, depois a José, a visita de Maria a Isabel, a visita de Maria a cada um de nós, e finalmente, a Visita de Deus-Menino! Corremos o risco de não nos apercebermos das Suas visitas, assim como Belém, que acolheu a vinda do Salvador e nem se deu conta.

A Luz veio ao mundo, e os homens preferiram as trevas à Luz.

Como é que Ele te tem visitado e falado nestas últimas semanas do ano?  Talvez seja através do sofrimento e te pede para lhe dares mais espaço, para que Ele console o teu coração sofredor,

quem sabe no meio da correria diária e te convida a parares para respirares o ar da Sua presença ou talvez no meio da alegria para que como Maria, também exultes Nele e cantes o teu Magnificat.

Há como que uma urgência no coração de Deus: a de Se fazer presente em nós, nas nossas vidas quotidianas, de nos visitar constantemente. Quem dera a manjedoura dos nossos corações esteja pronta para o receber! Cabe a mim e a ti, a cada família deixá-Lo entrar. Ele vem! Ele está a chegar! Ele bate à porta! E visita-te, visita-nos no meio dos afazeres, dores e cansaços, alegrias e vitórias, na profundidade das coisas simples. Deixa-O entrar, deixemo-Lo entrar e poderás, poderemos dizer Deus-connosco, Emanuel!

O Presépio manifesta a ternura de Deus. Ele, o Criador do universo, abaixa-Se até à nossa pequenez. O dom da vida, sempre misterioso para nós, fascina-nos ainda mais ao vermos que Aquele que nasceu de Maria é a fonte e o sustento de toda a vida. (Papa Francisco, Carta Apostólica Admirável Sinal)

 

4 Comments

  1. Que bonito testemunho! Obrigada pela vossa partilha!

  2. Marisa Milhano

    Obrigado querida Natércia – este texto foi direitinho ao meu pobre coração, obrigado!

    • Que bom ver que outros vivem coisas idênticas às nossas! 😊 E que bom ver que as partilhas têm um endereço, já pensado por Deus, na sua Divina Providência!
      Feliz Natal!🌟🎄

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *