Em Caná da Galileia…



Amados, escolhidos, enviados

Em Balasar, houve um momento que me emocionou, e as lágrimas brilharam-me nos olhos. Estávamos em casa de Alexandrina, onde uma simpática rapariga, ali voluntária, nos explicava bocadinhos da história desta grande santa. “É verdade que Alexandrina não tinha pai?” Perguntei a dada altura. “Não. Alexandrina tinha pai. Todos sabiam quem ele era. O pai de Alexandrina e de sua irmã Deolinda prometeu várias vezes casamento à mãe das suas filhas, mas nunca cumpriu. Ainda Alexandrina, a mais nova, não tinha nascido, quando ele casou com outra mulher. Nesse dia, a mãe de Alexandrina vestiu-se de luto, e durante o(…)

Ler mais

Balasar

Conheço a história da Beata Alexandrina desde a minha juventude, porque sempre gostei de ler sobre santos e místicos. Mas nunca tinha visitado Balasar. Até sábado… A história de Balasar começa um século antes de Alexandrina, com um milagre visível até aos dias de hoje: na manhã do Corpo de Deus de 1832, apareceu no chão em frente da igreja uma cruz de terra. Por mais que se tentasse varrer ou destruir a cruz, ela resistia. Em breve o povo deu início a ininterruptas peregrinações ao local, que se tornou fonte de graças. Anos mais tarde, construiu-se à sua volta(…)

Ler mais

Tempo de Família – “três em um”!

Sábado foi um dia fantástico, Tempo de Família da melhor qualidade! A Clarinha tinha a sua primeira competição de ginástica artística – depois de muita insistência do treinador, e depois de verificar com os seus próprios olhos que a competição em artística, ao contrário da sua terrível experiência em rítmica, era divertida e não envolvia gritos, a Clarinha decidiu experimentar. A competição seria na Maia, Porto, às quatro horas, e pensámos dar-lhe uma enorme alegria: irmos todos assistir, para sermos uma claque numerosa! Até às quatro horas da tarde, o dia ainda é longo. Se o planearmos com muito cuidado,(…)

Ler mais

Via Sacra

Nos domingos de quaresma, durante a tarde, fazemos a Via Sacra em família. Às vezes, vamos a uma igreja, outras, simplesmente, ajoelhamo-nos no chão da sala em volta de um enorme crucifixo de madeira, que os Jovens de Caná fizeram no primeiro retiro de todos. Acendemos algumas velas e espalhamos pelo chão os corações com as imagens de cada estação, feitos pelos meninos algumas quaresmas atrás. A cada meditação, corresponde um coração, que colocamos silenciosamente na cruz. No domingo passado, só a Sara não pôde ler uma meditação. Mas vontade não lhe faltou! Desta vez, servimo-nos de um livrinho com(…)

Ler mais

O maior inimigo da Igreja

Na semana passada, as leituras da missa diária trouxeram-nos algumas belas conversas em redor do nosso Canto de Oração Familiar. Uma delas foi a propósito da célebre mãe de João e Tiago, os filhos de Zebedeu: Aproximou-se então de Jesus a mãe dos filhos de Zebedeu, com os seus filhos, e prostrou-se diante dele para lhe fazer um pedido. “Que queres?” Perguntou-lhe Ele. Ela respondeu: “Ordena que estes meus dois filhos se sentem um à tua direita e o outro à tua esquerda, no teu Reino.” (Mt 20, 20-21) O mais engraçado desta história é que ela acontece precisamente depois(…)

Ler mais